Menu
Busca quinta, 25 de fevereiro de 2021
(67) 99257-3397

Senado aprova novas normas para planos de saúde

25 março 2004 - 09h42

O Senado aprovou ontem a Medida Provisória 148/2003, que autoriza a Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS) a fixar normas e incentivos para que os planos de saúde contratados antes de 2 de janeiro de 1999 se adaptem à Lei dos Planos de Saúde (Lei 9.6567, de 3 de junho de 1998). A aprovação foi feita em votação simbólica, por unanimidade, com apenas um voto contrário, da senadora Heloísa Helena (sem partido-AL). O relator-revisor da MP, senador Ney Suassuna (PMDB-PB), explicou que o governo teve de baixar a medida provisória depois que o Supremo Tribunal Federal considerou inconstitucionais alguns dispositivos da Lei dos Planos de Saúde, na parte que se referia aos antigos contratos. A idéia central é levar a ANS a coordenar programas de migração em massa dos contratos antigos para a nova legislação, por meio de incentivos. "A migração em massa é menos onerosa do que a adaptação individual, caso a caso, pois, entre outras vantagens, há uma diluição do risco. Esse fato, por si só, já poderá representar uma significativo estímulo à migração", afirmou o senador Ney Suassuna. Quem quiser mudar de planos acaba arcando com novos custos, pois a Lei dos Planos de Saúde introduziu cobertura assistencial mais ampla, inclusive para doenças preexistentes, preços por faixas etárias e novas carências. Pela medida provisória aprovada, ANS poderá definir a vinculação dos preços propostos pelas operadoras a um índice mínimo de adesão aos programas, possibilitando preços mais vantajosos para o consumidor. A Lei dos Planos deu à ANS autorização para fiscalizar os contratos antigos de planos de saúde, para evitar abusos por conta das empresas. O STF, no entanto, aceitou Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra essa permissão, em agosto do ano passado. Por causa disso, os contratos assinados antes de 2 de janeiro de 1999 passarão a ser fiscalizados com base no Código de Defesa do Consumidor. Com a votação no Senado, a MP sai do Congresso sem alterações, comparando-se com o texto assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O relator na Câmara, deputado Dr. Pinotti (PFL-SP), tentou fazer várias alterações, todas rejeitadas na comissão mista de deputados e senadores que examinaram o assunto. A MP 148/2003 agora vai à promulgação.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

CHAPADÃO DO SUL
Capataz cai de moto ao sair para trancar porteira e morre no hospital
BRASIL
Bolsonaro entrega projeto que abre caminho para privatização dos Correios
POLÍCIA
Acusado de estupro, vice-presidente da OAB em MS se afasta da função
ECONOMIA
Clientes da Caixa podem acessar serviços do governo pelo aplicativo
TRÊS LAGOAS
Mulher é mantida refém e sofre tentativa de estupro por invasor de casa
MS
Mais de 1,2 mil privados de liberdade realizam o Enem em MS
CRIME AMBIENTAL
Mulher é presa e multada em R$ 2 mil por pescar em local proibido
EMPREGO
Depen suspende provas de concurso público para 309 vagas
CAPITAL
Idoso morre horas após cair quando fazia manutenção em telhado
TECNOLOGIA
Detran/MS agora tem sinal de wi-fi gratuito em agências do interior

Mais Lidas

REGIÃO
Homem é preso após estuprar menina de 11 anos
POLÍCIA
Identificada vítima fatal de acidente entre carretas
DOURADOS
Câmara aprova projeto do Executivo para elevar remuneração de secretários municipais
BELEZA
Representante de Dourados está na final do Miss Brasil Teen