Menu
Busca domingo, 16 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Saúde investirá R$ 2 milhões em pesquisas sobre hantavirose

11 setembro 2004 - 15h11

O Ministério da Saúde e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) vão investir mais de R$ 2 milhões em pesquisa sobre a hantavirose. O dinheiro será liberado ainda neste ano e vai financiar 26 projetos sobre a doença, que já infectou 26 pessoas e matou 11 apenas no Distrito Federal. Os recursos fazem parte do pacote de R$ 57 milhões anunciado, nesta quinta-feira (9), pelos ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia. Os recursos serão destinados a pesquisas científicas que possam melhorar as condições de saúde da população. Neste ano, as mortes no Distrito Federal chamaram a atenção das autoridades de saúde e colocaram a doença em evidência. A hantavirose é transmitida pela poeira com restos da urina, das fezes ou da saliva de roedores silvestres. Nos seres humanos, o hantavírus provoca uma infecção pulmonar aguda, que pode causar insuficiência respiratória e matar. Segundo dados do Ministério da Saúde, desde 1993 o Brasil registrou mais de 400 casos e cerca de 160 mortes relacionadas à doença. Uma das principais hipóteses para a ocorrência dos surtos está relacionada a desmatamentos indiscriminados em algumas regiões, já que a hantavirose é transmitida por roedores silvestres que habitam as matas. O coordenador-geral de Vigilância e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Eduardo Hage, explica que o desmatamento diminui a oferta de alimentos e os predadores naturais dos roedores. “Aqui no cerrado tem havido uma agressão ao meio ambiente muito grande. Todos os anos sempre há queimadas, devastação, esses fatores modificam o meio ambiente, diminuem a mata silvestre e causam alterações nas populações animais que são predadoras dos roedores silvestres”, explica. Hage tranqüiliza os adeptos do turismo rural. Ele afirma que atividades ao ar livre não representam risco de contaminação. “As atividades desenvolvidas ao ar livre, como visitas a cachoeiras e caminhadas, não representam risco para a transmissão da hantavirose, já que a doença é transmitida em meio silvestre, mas em situações muito particulares, como em domicílios há muito tempo fechados com presença de fezes de roedores”. A contaminação pode ocorrer ainda por meio do consumo de alimentos e água. Por isso, as autoridades de saúde recomendam que toda comida seja armazenada em sacos ou caixas fechadas e a pelo menos 50 centímetros do chão. O lixo também deve ser colocado em latões vedados para não atrair os roedores.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dourados tem 35 pacientes com Covid-19 na espera por vaga pública de UTI
OCUPAÇÃO MÁXIMA
Dourados tem 35 pacientes com Covid-19 na espera por vaga pública de UTI
ECONOMIA
Abono salarial do PIS-PASEP de até R$ 1,1 mil tem calendário unificado
EDUCAÇÃO
Projeto 'Astrominas' oferece vagas para meninas adolescentes em atividades online de ciências
EMPREGO
Processo seletivo da Prefeitura de Maracaju terá salários de até R$ 8,5 mil
EDUCAÇÃO
Prazo para pedir isenção de taxa do Enem começa nesta segunda-feira
POLÍCIA
Foragido da Justiça é preso após agredir namorada adolescente
POLÍCIA
Mulher encontra seus três cachorros envenenados e suspeita de vingança do ex
ESPORTE
Grêmio vence Inter de virada e larga em vantagem na final do Gauchão
ESPORTES
Palmeiras domina o Corinthians, vence em Itaquera e vai à final do Paulistão
POLÍCIA
Homens são flagrados carneando vaca furtada e um deles tenta agredir policial a facada

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Após discussão, jovem bate veículo em poste e namorada que estava no capô morre
TRÁFICO DE DROGAS
Chefe do 'Comando Vermelho' e foragido há seis meses é preso em Dourados
FEMINICÍDIO
Mulher baleada na cabeça pelo ex-marido morre no hospital
CAPITAL
Jovem sai para comprar narguilé e morre após colidir moto contra poste