Menu
Busca domingo, 09 de maio de 2021
(67) 99257-3397

ANS analisa proposta de planos de saúde na próxima semana

07 agosto 2004 - 10h30

Uma proposta conciliatória de reajuste para mensalidades daqueles que possuem contratos com operadoras de saúde anteriores à lei da ANS (Agência Nacional de Saúde), elaborada pela OAB/SP (Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo), será enviada à Agência na segunda-feira.A sugestão foi apresentada às empresas de saúde privada, entidades de defesa do consumidor e associações médicas durante uma reunião promovida pela OAB-SP, na manhã da passada quinta-feira. Participaram do encontro representantes da Comissão de Defesa do Consumidor da OAB-SP, AMB (Associação Médica Brasileira), Procon-SP, Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), Associação Pro-Teste de Defesa do Consumidor, Abramge (Associação Brasileira de Medicina de Grupo), Fenaseg (Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização) e a Caasp (Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo).Segundo o presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges D"Urso, a proposta é transformar os contratos antigos em novos, aplicando um reajuste médio de 15%. A partir desta adaptação do contrato, aplica-se o reajuste 11,75% da ANS, o que resulta em um reajuste total de 28,5%, para todos os contratos. “O consumidor não é obrigado a aceitar essa proposta, mas precisamos encontrar um ponto de equilíbrio para todos aqueles que durante anos colaboraram com o sistema e não suportam um reajuste de 40%, 50%, ou até 80%, como empresas do setor desejariam. O equilíbrio disso é cada um ceder um pouco”.Para a presidente da Pro Teste, Maria Inês Dolci, o Piac (Programa de Incentivo de Adaptação de Contratos) sugerido pelo governo precisa ser reavaliado pela ANS em conjunto com os conselhos de Medicina e órgãos de defesa do consumidor. “Nós já havíamos enviado um documento para a ANS pedindo a revisão do PIAC para que o reajuste ficasse no patamar de 11,75%”, diz.Já o presidente do Conselho Regional de Medicina de São Paulo, Clóvis Francisco Constantino, considera os valores apresentados "uma cifra suportável" para o reajuste. “As que têm chegado a 80% ou 100% são insuportáveis para os usuários, que acabam abandonando os planos de saúde”, afirmou.O Idec, a Fundação Procon-SP, a Fenaseg e a Abramge informaram estar avaliando a proposta. Uma nova reunião entre a OAB-SP e entidades de defesa do consumidor e associações médicas está marcada para as 10 horas de quinta-feira (12). 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Em meio a pandemia, mães revelam coragem para realizar o sonho de ter filhos
DIA DAS MÃES
Em meio a pandemia, mães revelam coragem para realizar o sonho de ter filhos
Técnico Enderson Moreira é internado em MG após princípio de infarto
GERAL
Técnico Enderson Moreira é internado em MG após princípio de infarto
PANDEMIA
Como fazer suas compras de mantimentos de forma segura
PANDEMIA
Covid-19: o que fazer com as compras quando chegar em casa
CPI
CPI mira vacinas em audiências com Anvisa e Pfizer
DIREITOS HUMANOS
Comissão debate representatividade política das pessoas com deficiência
POLÍTICA
Pauta do Plenário tem três MPs, Loteria da Saúde e proibição de reajuste de medicamentos
SAÚDE
Pesquisa mostra aprofundamento de desigualdades na infância
GERAL
Explosão de gás destrói restaurante em Belém
ASTRAZENECA
Ministério da Saúde anuncia distribuição de doses para próxima segunda

Mais Lidas

DOURADOS
Adolescentes flagrados em festa 'entregam' distribuidora que vendeu bebidas alcoólicas
BR-163
Colisão entre viatura e carreta termina com policial ferido
ACIDENTE
PRF diz que policial saiu andando de viatura após colisão com carreta
BR-163
Viatura da PRF estava com apenas um ocupante quando colidiu contra carreta