Menu
Busca sábado, 08 de agosto de 2020
(67) 99659-5905
TJ/MS

Justiça permite jovem tirar 'Pinto' do sobrenome para evitar situações vexatórias

18 dezembro 2019 - 19h20Por Da Redação

Os desembargadores da 4ª Câmara Cível do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), por unanimidade, deram provimento a recurso interposto por um jovem contra sentença que julgou improcedente pedido formulado em ação de retificação de registro civil, na qual pretendia a supressão do sobrenome do avô materno e o acréscimo do sobrenome da avó materna, por motivo vexatório.

De acordo com o processo, o rapaz vem sofrendo psicológica e fisicamente com brincadeiras e chacotas em relação ao seu nome, chegando a vias de fato, e tendo se isolado do convívio dos amigos, não frequentando nenhum local sem a presença da mãe.

A defesa aponta que foram apresentadas provas consistentes em recortes de sites de relacionamentos, evidenciando o bullying praticado e ressaltando que a falta de reação do apelante ao deboche e brincadeiras de mau gosto é para evitar que ganhassem corpo. Por fim, requer o provimento do recurso para reformar a sentença de primeiro grau para permitir a mudança do patronímico "PINTO" para "GOMES". 

Em seu voto, o relator do processo, Vladimir Abreu da Silva, ponderou que o nome civil é um dos atributos da personalidade por identificar e individualizar pessoas, como forma de projeção da dignidade do indivíduo no meio social e familiar em que vive.

“Há que se adotar caráter exemplificativo às hipóteses de alteração previstas na lei, permitindo-se mudanças, sempre que estas salvaguardarem a dignidade da pessoa humana, de acordo com o caso concreto”. 

O desembargador lembrou que o art. 16 do  Código Civil prevê que toda pessoa tem direito ao nome, nele compreendidos prenome e sobrenome, e citou que a lei, de forma excepcional, autoriza a modificação do nome, sendo necessário que a alteração não promova danos aos familiares e seja justificada por razões de indiscutível relevância, principalmente, nos casos previstos na Lei de Registros Públicos.

Sobre a argumentação do juízo singular de que o autor não comprovou nos autos a situação vexatória, o relator apontou que a questão é subjetiva e o que não se mostra vexatório para uns, pode afetar intimamente outros, causando constrangimentos. Para o magistrado, as provas dos autos bem demonstram a situação vivenciada pelo requerente.

“Não se vislumbra prejuízo aos demais integrantes da família, pois o requerente terá a substituição do sobrenome do avô materno pelo da avó materna, portanto, deve ser provido o recurso. Ante o exposto, dou provimento ao recurso para que seja retificado o registro de nascimento do requerente, suprimido-se o nome "Pinto" e acrescentando-se "Gomes". É como voto”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Mulher denuncia ex por ameaças um mês após separação: 'Prefiro você morta'
PANDEMIA
Quase 30 casos novos de coronavírus são registrados por hora em MS
CRIME AMBIENTAL
Paulista é multado em R$ 113 mil por desmatamento de vegetação nativa
SAÚDE
Óleo da maconha é eficaz no tratamento da epilepsia, diz estudo
CAMPO GRANDE
Polícia volta à mata para buscar corpo de homem desaparecido
AUTOMOBILISMO
GP dos 70 anos da F1: Bottas toma pole de Hamilton na última volta,
CHAPADÃO DO SUL
Ônibus que levava trabalhadores para usina fica carbonizado após acidente
TELEVISÃO
Chica Xavier, atriz de 'Sinhá Moça' e 'Renascer', morre aos 88 anos
CAPITAL
Polícia flagra trio descarregando fardos de maconha em galpão
TECNOLOGIA
Detran digitaliza documentos antigos, limpa arquivos e ajuda famílias

Mais Lidas

INVESTIGAÇÕES
Polícia desarticula quadrilha responsável por furtos e tentativa de homicídio em Dourados
DOURADOS
Mãe e marido de adolescente de 12 anos são autuados por estupro de vulnerável
PANDEMIA
Com mais dois óbitos confirmados, Dourados chega a 61 mortes por coronavírus
DOURADOS
Equipe do Samu se desloca para atender vítima de facadas em bairro