Menu
Busca quinta, 01 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
LÉO VERAS

Serviço terceirizado do PCC executou jornalista, diz polícia paraguaia

24 fevereiro 2020 - 11h56Por Da redação

Para a polícia do Paraguai, são grandes os indícios de envolvimento da facção criminosa brasileira PCC (Primeiro Comando da Capital) na execução do jornalista Lourenço Veras, o Leo, ocorrida no dia 12 deste mês em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia que faz fronteira com Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul.

Nesta segunda-feira, dia 24 de fevereiro, o comissário Gilberto Fleitas, chefe do departamento contra o crime organizado da Polícia Nacional, disse que aumentaram as suspeitas de que o PCC tenha ordenado a morte de Leo Veras após a perícia comprovar que a pistola Glock 9 milímetros usada por um dos pistoleiros foi utilizada em outras execuções na fronteira. A prova veio da comparação das balas e cartuchos recolhidos na casa do jornalista com munições de outros crimes.

Em entrevista à rádio ABC Cardinal, de Assunção, o comissário afirmou também que a execução de Leo Veras teria sido terceirizada por chefes locais do PCC “que se passam por poderosos empresários”.

Segundo Fleitas, a peça-chave da investigação foi o Jeep Renegade branco encontrado na madrugada de sábado durante a Operação Alba, que prendeu seis paraguaios, três brasileiros e um boliviano em Pedro Juan Caballero.

O carro é idêntico ao usado pelos três homens encapuzados que invadiram a casa de Leo Veras na noite de 12 deste mês e o executaram na frente de seus filhos, da esposa e do sogro.

Salinas

Na entrevista de hoje, o comissário Gilberto Fleitas reafirmou que os supostos mandantes da execução são integrantes da estrutura criminosa liderada por Sergio de Arruda Quintiliano Neto, o Minotauro, Ederson Salinas Benítez, o Ryguasu, e Marcio Sanchez, o “Aguacate”.

Minotauro está preso no Brasil desde que foi localizado em Balneário Camboriú (SC) e Ryguasu está na PED (Penitenciária Estadual de Dourados) após ser preso durante briga de trânsito em Ponta Porã, em janeiro deste ano. Aguacate é considerado o chefe dos matadores de aluguel que atuam na fronteira.

Segundo o comissário paraguaio, a investigação revela que a ordem para execução de Leo Veras teria sido cumprida por Waldemar Pereira Rivas, o “Cachorrão”. O Renegade foi encontrado em uma das quatro propriedades onde os policiais estiveram durante a operação de sábado.

Fleitas informou à rádio paraguaia que Cintia Raquel Pereira Leite, presa sábado, é irmã de Cachorrão e teria dirigido o Jeep Renegade no ataque que ceifou a vida de Leo Veras. O bandido está condenado a 17 anos de prisão no Brasil e é apontado como dono de vários desmanches de carros roubados em Pedro Juan Caballero.

O comissário ainda afirmou na entrevista que a ordem para a morte de Leo Veras partiu de Ederson Salinas Benítez. Segundo o policial paraguaio, a suspeita é que jornalista tenha alertado policiais brasileiros que o bandido usava documento falso no momento em que foi preso por parte de arma durante a briga de trânsito.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Vacinação antirrábica tem pontos fixos no sábado no Jardim Flórida e na Vila Industrial
PANDEMIA
MS ultrapassa 70 mil casos de coronavírus e taxa de contágio está em 1.00
FUTEBOL
Oitavas da Copa do Brasil terá duelo que já decidiu campeão; veja confrontos
CONTÁGIO
Afastado após operação, Justiça autoriza volta de Dobes à prefeitura
DOURADOS
Gastos da prefeitura com pessoal sobem e superam limite prudencial
PANDEMIA
EUA têm aumento de casos de novo coronavírus em 27 estados
PANDEMIA
Dourados confirma mais dois óbitos por coronavírus; pacientes eram de outras cidades
CARACOL
Dois pescadores são surpreendidos iniciando pesca ilegal no rio Perdido
CORUMBÁ
Homem joga álcool na cama e ateia fogo na mulher
4,5 toneladas
Maconha apreendida em micro-ônibus pode ser de consórcio de traficantes

Mais Lidas

DECIBÉIS
Operação do Gaeco mira fraudes em licitações e cumpre cinco mandados em Dourados
INVESTIGAÇÃO
Policiais do Gaeco fazem nova operação em Dourados
DOURADOS
Gaeco deixa edifício com documentos apreendidos após mais de 5h
CAPITAL
Mulher com mandado de prisão em aberto é executada com oito tiros