Menu
Busca sábado, 04 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Reflore MS e Famasul lançam dia 22 o projeto "MS Florestal 2013"

16 fevereiro 2013 - 09h19

Um café da manhã que será realizado na próxima sexta-feira, dia 22 de fevereiro, marcará o lançamento do maior evento para o setor florestal e de um projeto que vai facilitar a obtenção de dados para a economia do Estado. O MS Florestal 2013 será o 3º Congresso de Florestas do Mato Grosso do Sul, que será realizado em Bonito nos dias 9, 10 e 11 de abril, mas o lançamento para a imprensa será em conjunto com o projeto Indicadores Econômicos, que faz parte do sistema Famasul (Federação da Agricultura de Mato Grosso do Sul).

O diretor executivo da Associação Sul-mato-grossense Produtores e Consumidores de Florestas (Reflore MS), Dito Mário, destaca que as cadeias produtivas da silvicultura no Estado estão em processo de ascensão, que vão desde a produção do ferro gusa utilizando o carvão vegetal, até as produções de celulose e papel. Hoje, o setor gera cerca 65 mil empregos no Mato Grosso do Sul e área plantada com eucalipto – matéria-prima para todas as cadeias produtivas– já se encontra em quase 600 mil hectares. “O MS Florestal 2013 terá como tema a competitividade do setor, envolvendo questões que alavanquem toda a cadeia produtiva”, diz Dito Mário.

O Sistema Famasul lançará também no dia 22 deste mês o Projeto Indicadores Econômicos,que consiste numa parceria envolvendo a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Aprosoja e Fundems. De acordo com a economista Adriana Mascarenhas, o projeto surgiu com o propósito de construir indicadores que possibilitem uma análise econômica detalhada do Estado, a partir de dados como Produto Interno Bruto (PIB), Valor Bruto da Produção (VBP), oferta total a preços básicos, impostos, exportação e importação interestaduais e internacionais, consumo das famílias, gastos do governo, investimento nas empresas, remuneração e mão de obra.

Todos os setores que fazem parte da economia do Estado serão incluídos no Projeto Indicadores Econômicos. No caso da silvicultura, esta inclusão se dará a partir do próximo porque na época em que o projeto foi planejado as cadeias produtivas florestais ainda eram incipientes. Segundo a economista Adriana Mascarenhas, a partir dos indicadores foi construída Matriz Consumo Produto (MIP) para o Mato Grosso do Sul. “Com a MIP, é possível perceber questões estruturais da economia estadual através dos índices de ligação para frente e para trás. Estes indicadores representam o quanto setor demanda dos mais setores (para trás) e quanto o setor é demandado dos setores restantes de uma economia (para frente)”, detalha Mascarenhas.



Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Homem agride gestante e é assassinado a pauladas em favela
CAMPO GRANDE
Imasul mantém fechado Parque das Nações e Unidades de Conservação Estaduais
PANDEMIA
Apenas Acre e Tocantins não registram mortes por Covid-19 no Brasil
NOVA ANDRADINA
Três homens são presos transportando drogas do MS para Belo Horizonte
PANDEMIA
Brasil ultrapassa marca de 10 mil casos de covid-19
NAVIRAÍ
Líderes religiosos se reúnem para pedir fé a população durante a pandemia
CAMPO GRANDE
PM realiza ações de prevenção ao COVID-19 com limpeza e desinfecção de pelotões
ECONOMIA
Programa para financiar salários de pequenas e médias empresas é criado e aguarda regulamentação
ÁGUA CLARA
Dois jovens são presos por infringir o toque de recolher em MS
CORUMBÁ
Operação de repatriação dos brasileiros vindos da Bolívia tem reforço de helicóptero em MS

Mais Lidas

DOURADOS
Exame de jovem que morreu no HU testa negativo para coronavírus
COVID-19
Dourados tem mais um caso confirmado de coronavírus
DOURADOS
Jovem morre no HU e município pede agilidade no resultado do exame de coronavírus
CORONAVÍRUS
Dourados registra mais dois casos de Covid-19 e MS tem 60 confirmações