Menu
Busca domingo, 12 de julho de 2020
(67) 99659-5905
FRONTEIRA

Ponta Porã e Pedro Juan podem receber construção de porto seco

11 dezembro 2019 - 13h50Por Da redação

Os municípios de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero podem receber uma obra importante para o controle do fluxo de mercadorias entre o Brasil e o Paraguai. 

Em uma reunião realizada no Senado do país vizinho nesta terça feira (10), foi discutida a viabilidade de construção de um porto seco como estratégia para acelerar o desembaraço de carga entre os dois países.

A alfândega brasileira em Ponta Porã está com sua capacidade estrangulada até pela localização, liberando em média 40 veículos ao dia, quando a projeção do porto seco é desembaraçar dez vezes mais que isso, observou o assessor de Logística da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Lucio Lagemann. 

O prefeito de Ponta Porã, Hélio Peluffo Filho, apresentou o projeto de construção do porto seco no município, mensurando a intenção de transformar a cidade num polo de importação e exportação que ajudaria a incrementar a receita própria de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em até 4,2%.

O representante do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Parkinson, mostrou ganhos de tempo e dinheiro com a instalação do porto seco, projetando uma economia de R$ 32 milhões ao ano.

Já os senadores paraguaios decidiram formar uma comissão para deliberar sobre o assunto. Ponta Porã e Pedro Juan Caballero, juntas, têm mais de 200 mil habitantes e já protagonizam uma experiência de integração pela fronteira seca que as une. Entretanto, essa realidade não se aplica quando se trata do tráfego de mercadorias. Caminhões chegam a esperar até 72 horas para serem liberados a entrar no território paraguaio, e o mesmo ocorre no sentido inverso.

“O diagnóstico hoje é muito claro. Nós temos uma situação de alfândega no município de Ponta Porã que precisa ser modificado. Está no centro da cidade, a estrutura física não é adequada e a tendência é de aumento no fluxo de transporte no âmbito do Mercosul. A alfândega acaba se transformando numa restrição em termos de fluxo”, observou o secretário da Semagro, Jaime Verruck.

Ele defende a construção do porto seco como solução viável e adianta que a Prefeitura de Ponta Porã já estudou determinadas áreas e encaminhou à Receita Federal, que prepara estudos de viabilidade econômica para que o projeto possa avançar. 

“Dentro da estratégia de Mato Grosso do Sul, o que nós buscamos, na verdade, é a melhoria da estrutura de logística, que inclui o porto seco. Mas para isso precisamos de uma coordenação entre os órgãos, não se trata só de carga, mas de migração também, que envolve Receita Federal, Ministério da Agricultura, portanto tem que ser pensado toda essa estrutura”, pontuou Verruck.


 

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Embrapa coleta bactérias e fungos com potencial econômico na Amazônia
REGIÃO
Metade dos leitos de UTI de MS está ocupado
CAMPO GRANDE
Festa com 80 pessoas em plena pandemia é finalizada pela Guarda
MS
Jovem morre após namorado capotar carro em Campo Grande
PANDEMIA
Secretário alerta que pessoas com covid-19 devem procurar hospital ao menor sinal de piora do quadro
MS E OUTROS ESTADOS
Ministério certifica instituições por contratar quase 17 mil presos
PANDEMIA
Morre ex-deputado Nelson Meurer, condenado na Lava Jato e internado por Covid-19
REGIÃO
Homem é autuado em quase R$ 10 mil por derrubada de árvores ilegal
ESTADO
Governo divulga passo a passo para servidor fazer exame de coronavírus pelo plano de saúde
BRASIL
“O trabalho remoto veio pra ficar”, diz presidente do TST

Mais Lidas

ACIDENTE DE TRABALHO
Douradense morre após ser atingido na cabeça por peça de elevador de 20kg
DOURADOS
“Ele não conseguiu terminar o último plantão”, diz esposa de médico vítima da Covid
PANDEMIA
Em dia com quase 100 novos casos, Dourados tem mais uma morte por coronavírus
PANDEMIA
Pesquisadores veem medidas sem efeito e sugerem lockdown em Dourados