Menu
Busca terça, 31 de março de 2020
(67) 9860-3221

OAB/MS prepara parecer técnico sobre salário de vereadores

05 dezembro 2012 - 18h45

A OAB/MS vai elaborar um parecer técnico para averiguar a legalidade do aumento do salários dos vereadores de Campo Grande. Na terça-feira (5), a Câmara Municipal reajustou os vencimentos em 61,97%, a partir de janeiro de 2013, quando cada um dos 29 legisladores da cidade passará a receber R$ 15.031 mensais; hoje o salário é de R$ 9.280.

O objetivo da Seccional é realizar uma análise jurídica da legalidade do reajuste, que vem sendo questionado por diversos setores da sociedade. A OAB/MS iniciou a confecção do estudo após pedido de providência recebido através de denúncia.

“É preciso analisar a legalidade do aumento, sob o ponto de vista constitucional”, afirmou o advogado e secretário-adjunto eleito da Seccional, Jully Heyder da Cunha Souza, que faz parte da Comissão Especial de Acompanhamento das Denúncias de Corrupção da OAB/MS.

A Seccional também analisa o reajuste tendo como base a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), que veda expressamente o aumento da despesa com pessoal nos cento e oitenta dias anteriores ao final do mandato.

A OAB/MS prepara um laudo técnico para verificar possíveis ilegalidades no reajuste. Se houver, a Ordem não se furtará em tomar as medidas necessárias para restabelecer a ordem jurídica, seguindo seu estatuto.

Segundo os parlamentares campo-grandenses, o índice de reajuste foi baseado na legislação em vigor que permite que o teto salarial do vereador seja de até 75% da remuneração de deputado estadual que hoje é de R$ 20.042 que resulta em R$ 15.031.

O modo como o reajuste foi efetuado também será analisado pela Seccional. A OAB/MS vai averiguar como foi feito o processo dentro da Câmara, o trâmite e aprovação.

Transparência
Para a Seccional, o momento é oportuno para a Câmara divulgue os gastos totais com cada parlamentar. "É direito da população, que paga esse salário, saber o impacto do reajuste no Orçamento, e também o que cada vereador recebe, não só de salário, mas também de verba de gabinete, auxílios e assessores”, opinou Jully Heyder.

Além dos salários, cada vereador recebe por mês R$ 8,4 mil de verba indenizatória, o chamado “gastos de gabinete”.

A Câmara pode até ter embasamento legal para o reajuste, porém deveria se questionar se há realmente necessidade do aumento, pois é uma medida notadamente impopular que somente se justificaria por relevantes interesses da própria sociedade.

“E também vemos que é o momento da sociedade se organizar, para ter uma voz efetiva no debate de questões desta natureza”, frisou Heyder, lembrando que a ação da Seccional foi motivada por um pedido de providência do “Movimento Voluntário”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÊS LAGOAS
Homem é preso ao tentar furtar 1,4 quilo de picanha de mercado
SAÚDE
Mariano, da dupla com Munhoz, é diagnosticado com o novo coronavírus
CORONAVÍRUS
OAB nacional adia publicação dos próximos editais de exame de ordem
POLÍTICA
Governo vai cruzar dados para o pagamento do auxílio de R$ 600
UEMS
Universidade da Melhor Idade suspende aulas por tempo indeterminado
LIVE
Governo de MS amplia benefício a carentes e orienta sobre cuidados em casa
VIOLAÇÃO DE REGRAS
Facebook e Instagram apagam vídeo que mostra passeio de Bolsonaro
CARACOL
Homem tenta matar esposa e esfaqueia homem que a protegia
PROTESTO
Cidades brasileiras registram panelaço contra Bolsonaro pelo 14º dia seguido
REGIÃO
Judiciário de MS destina mais de R$ 570 mil no combate à COVID-19

Mais Lidas

FRONTEIRA
Acidente na MS-164 em Ponta Porã leva pai e filho a óbito
DOURADOS
Homem entra em veículo e anuncia assalto com arma de brinquedo; vídeo
DOURADOS
Homem leva surra de populares e é detido por furtar dois veículos em Dourados
NOTA PREMIADA
Lista de ganhadores já está disponível para consulta