Menu
Busca sexta, 03 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Kadiwéus buscam capacitação rural na Famasul

12 janeiro 2013 - 11h45

#####Assessoria




O presidente da Associação da Comunidade Indígena da Reserva Kadiwéu (ACIRK), Ambrósio da Silva, procurou a Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul) nessa sexta-feira (11), em busca de parceria na profissionalização dos moradores da aldeia Bodoquena, em Porto Murtinho. Ambrósio justificou que há necessidade de atualização nas técnicas relacionados à produção rural, para que a atividade, principal fonte de renda, leve à independência econômica dos indígenas de Mato Grosso do Sul.



De acordo com o dirigente, 2,5 mil indígenas habitam a aldeia Bodoquena e cada família dispõe de dois hectares para a produção de arroz, mandioca, feijão e milho, cultivados em sistema de subsistência. Os Kadiwéus de Porto Murtinho também se dedicam à pecuária e já somam rebanho de 2,3 mil cabeças de gado, que ainda não são comercializadas.



“O que me conduz a ter coragem da busca pela profissionalização é a questão da inserção da população indígena nos benefícios de quem desenvolve uma atividade econômica. Não sou treineiro, estou buscando parceria com a Famasul porque enxergo a necessidade de nos inserirmos em um ciclo de busca e renovação de conhecimento. Precisamos nos capacitar para nos tornarmos competitivos, sempre em busca de inovação tecnológica”, afirma o presidente e estudante de Letras, Ambrósio da Silva.



Além da busca pela profissionalização no campo, o presidente da ACIRK defende a busca por tecnologias que desenvolvam as habilidades dos indígenas em outros setores. “Quero estar com tablet, subindo em tribunais e defendendo meu povo. Já arranhamos o inglês e falamos espanhol e é essa inovação que a sociedade indígena precisa”.



A coordenadora da unidade educacional no Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/MS), Rosário de Almeida, recebeu os indígenas e ressaltou que além do benefício intelectual, a atitude de Ambrósio pode incluí-los no agronegócio do Estado. “Vejo com bastante positividade a atitude do indígena buscar conhecimento e a instituição se coloca a disposição para contribuir com a capacitação técnica e científica. Com isso o Senar/MS reafirma o compromisso de disponibilizar conhecimento, que contribui para o aumento da capacidade de produção e autonomia da aldeia”.



Junto com o presidente da ACIRK, Ambrósio da Silva, também estavam o indigenista aposentado pela Fundação Nacional do Índio (Funai), Juraci Almeida de Andrade, e o professor indígena, Gilberto Pires.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SUMIÇO
Família procura por jovem que está desaparecida desde a última quarta-feira
DOURADOS
Ex-secretária e suplente de Braz na Câmara troca PL pelo PSDB
CORONAVÍRUS
Durante fiscalização, Guarda prende nove pessoas e notifica 60 comércios em Dourados
ECONOMIA
Caixa lançará na terça aplicativo para cadastro em renda emergencial
AVANÇO DO COVID-19
Ministério confirma mais 60 mortes por coronavírus, e Brasil chega a 359
AQUIDAUANA
Jovem de 26 anos é assassinada pelo ex-marido com tiro na cabeça
ECONOMIA
Dólar tem novo recorde e fecha acima de R$ 5,30
CORONAVÍRUS
Biólogo douradense fala sobre fabricação e cuidados com máscaras caseiras; veja vídeo
BRASIL
Toffoli defende saída “diagonal” para isolamento por novo coronavírus
DOURADOS
Délia segue ideia de Bolsonaro e convoca população a jejuar e orar contra o coronavírus

Mais Lidas

NOVA ANDRADINA
Hospital confirma três profissionais com coronavírus em unidade que atendeu idosa
CRIME AMBIENTAL
Pescador é flagrado com barco, motor de popa e petrecho de pesca
COVID-19
Familiares de casal que testou positivo para coronavírus em Dourados são monitorados
BOLETIM DA SES
Dourados registra mais um caso de coronavírus e MS tem 51 confirmações