Menu
Busca domingo, 24 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
PANDEMIA

Isolamento social muda relação das pessoas com a comida, diz nutricionista

11 outubro 2020 - 11h30Por Redação

Os conceitos de diversão foram atualizados nessa pandemia. Interação social mínima, opções de lazer restritas e maior tempo em casa são os ingredientes que estão mudando a maneira das pessoas se relacionarem com a comida. Além da ansiedade provocada pelo contexto, a facilidade trazida pelos aplicativos influencia a relação com a alimentação. Uma pesquisa realizada no Brasil, e publicada na revista Research, Society and Development, em junho deste ano, mostra bem essa situação. 

Mais da metade (54%) das pessoas que ficaram em isolamento social, em algum momento da pandemia, ganharam peso e declararam estar comendo mais (55%) e com menos qualidade (44%). A pesquisa também apontou o crescimento no consumo de doces, refrigerantes, álcool, massas e itens de padaria. 

Para entender este cenário, a nutricionista especializada em nutrição comportamental, Beatriz Camargo, faz uma análise e elenca alguns fatores que impactam diretamente no comportamento alimentar. Segundo ela, um ponto que deve ser considerado é que, apesar das dificuldades financeiras enfrentadas por muitas pessoas, aquelas que não foram profundamente impactadas com a crise, deixaram ou reduziram consideravelmente os gastos com diversões como festas e viagens. 

Isso implica ter mais dinheiro para gastar com comida, como explica a nutricionista “o pensamento de não gastar muito com comida já não é tão frequente, porque as pessoas estão com opções de lazer muito limitadas e acabam se divertindo por meio da alimentação. E têm mais, as experiências gastronômicas ficaram mais fáceis com os aplicativos de comida, facilmente você escolhe o restaurante que quer pelo celular, em poucos minutos a comida está na porta de casa e o pagamento ainda fica só para o mês que vem”. 

Fato é que os serviços de entrega decolaram desde o começo da pandemia, mas a facilidade nem sempre vem acompanhada de benefícios para a saúde. Segundo pesquisas realizadas pelo Kantar em junho deste ano, os itens que registraram maior alta nesta modalidade foram os fast food, seguidos por pizzas e em terceiro lugar, por pratos e refeições. 

A especialista explica que não se deve condenar o ato de comer, mas despertar a consciência em relação à alimentação “todos nós precisamos nos alimentar e este deve ser um momento agradável e consciente. No entanto, a pandemia intensificou a relação da comida com estado emocional. Como porque estou triste ou porque estou feliz. Como porque foi minha mãe quem fez ou porque estou nervosa. Então, perde-se a percepção da fome real ou da vontade genuína de comer determinada coisa. E quando esse comportamento está atrelado a ingestão de itens processados, o cenário fica mais preocupante”. 

O primeiro passo é identificar os gatilhos mentais que levam ao consumo exagerado de comida, “quando é que esse comportamento surge? É quando percebo que preciso dividir esse alimento com outras pessoas então como rápido para comer mais ou é sempre que tenho dia difícil no trabalho? Depois que se identificam os gatilhos é que são traçadas as estratégias para evitar o comportamento compulsivo”, esclarece Beatriz. 

O bom-senso também é muito válido, comparar seu comportamento pré-pandemia ajuda em boas decisões “se você está gastando com alimentação muito mais do que antes ou passa bem mais tempo procurando comida, está na hora de ligar o sinal de alerta. Procurar maneiras de ocupar a mente e novos hobbies são boas opções”. 

O publicitário de 27 anos, Diogo Zampieri, conseguiu tirar um ponto positivo do ‘isolamento’. "Comecei a prestar muito mais atenção na alimentação, cozinhei muito mais durante o meu período de home office (de abril até agosto). A proximidade com a comida me fez enxergar alimentação de outra maneira com certeza”, explicou ele.

Para ele, a comida ganhou mais importância do que quando podia sair de casa, “eu olhei mais pra isso então em vez de comer mais eu comecei a comer melhor”, entretanto, o publicitário relata que notou que passou a ingerir mais bebida alcoólica durante o período de pandemia, “acho que eu passei a beber mais, descontei o ‘não sair’ na bebida em vez da comida”.

A nutricionista explica que o processo de cozinhar, ao invés de apenas comprar comidas prontas pode ajudar, “cozinhar em família é uma excelente tática para estar mais atento ao que queremos comer e na nossa fome - além de ser um momento de prazer e interação. A demais, buscar fazer boas escolhas, seja na hora de cozinhar ou pedir a comida pelo aplicativo, já é um ótimo começo”. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Vendaval atinge Dourados e deixa rastro de destruição
CLIMA
Vendaval atinge Dourados e deixa rastro de destruição
TST considera fraudulento contrato de jogador e reconhece natureza salarial do direito de imagem
BRASIL
TST considera fraudulento contrato de jogador e reconhece natureza salarial do direito de imagem
LAVA JATO
Justiça Eleitoral vai julgar ação sobre empréstimo de R$ 12 milhões ao banco Schahin
MUNDO
Biden e Macron discutem defesa europeia e se reunirão em Roma
Jovem é autuado pela PMA por maus-tratos a uma cadela Pit Bull
MS
Jovem é autuado pela PMA por maus-tratos a uma cadela Pit Bull
STF
Ministra Cármen Lúcia suspende reintegração de posse em Rondônia
RIO MIRANDA
Catarinenses são multados em R$ 1,8 mil por pesca predatória em Bonito
JUDICIÁRIO
STJ define retorno de sessões presenciais para fevereiro de 2022 e dia de eleição para ministros
CAPITAL
Presidente do TJMS recebe medalhão comemorativo aos 100 anos da Justiça Militar
ROTINA
Trabalho híbrido pode piorar qualidade do sono, diz pesquisador

Mais Lidas

PRESIDENTE VARGAS
Escola dispensa alunos em Dourados após mensagens de ameaças
CÁRCERE PRIVADO
Tentativa de sequestro a criança termina com jovem preso em Dourados
DOURADOS
Print tirado de conversa entre alunos resultou em mal-entendido e levou pânico a escola
DOURADOS
Homem é removido de grupo de whats e procura a delegacia