Menu
Busca quinta, 03 de dezembro de 2020
(67) 99659-5905
COSTA RICA

Homem que matou mulher a golpes de machadinha é condenado a 29 anos

24 outubro 2020 - 10h00Por Da Redação

Condenação do réu em 29 anos de reclusão, em regime fechado, por feminicídio. Este foi o resultado do julgamento no Tribunal do Júri da comarca de Costa Rica, presidido pelo juiz Francisco Soliman, e realizado com observância dos protocolos de biossegurança para evitar a contaminação e proliferação do coronavírus, como ausência de público, disposição do plenário com atenção ao distanciamento físico, disponibilização de álcool gel e uso de máscara. 

O réu foi pronunciado por homicídio qualificado, por motivo torpe, com emprego de meio cruel, mediante recurso que dificultou a defesa da vítima, e contra a mulher por razões da condição de sexo feminino, no contexto de violência doméstica e familiar e menosprezo à condição de mulher, majorado por ter sido praticado na presença da filha da vítima (art. 121, § 2º, I, III, IV e VI combinado com § 2º-A, I e II, e § 7º, III, do Código Penal).

O caso teve grande repercussão e chocou a sociedade costarriquense. A defesa técnica, por sua vez, não apresentou tese absolutória, contudo, sustentou o afastamento das qualificadoras de motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Segundo a denúncia, no dia 17 de março de 2019, por volta da 0h20, no centro da cidade de Costa Rica, o réu matou a ex-mulher, de quem estava separado havia um mês, com golpes de “machadinha”. A vítima foi casada com o réu por 16 anos e, ao por fim ao relacionamento, mudou-se com os filhos adolescentes do casal para a casa da mãe.

Durante o inquérito, a polícia apurou que a vítima desejava separar-se do marido há muito tempo, porém temia por sua integridade física e a dos filhos em razão das constantes ameaças e agressões que sofria. Diversas vezes ela tentou a separação, mas, por medo, cedia aos apelos do cônjuge e desistia da separação. 

Um mês antes do crime, no entanto, não suportando mais ser subjugada, humilhada e agredida, deixou o lar conjugal e o marido. Após a separação, o réu procurou a vítima, insistindo para que ela regressasse ao lar, inclusive tentando convencer os filhos a voltar a morar com ele por acreditar que isso forçaria a mulher a reatar o casamento. 

No dia do assassinato, a vítima passou o dia com amigos e familiares em um local de festas, ajudando nos preparativos para a comemoração do aniversário do pastor da igreja que frequentava. O réu frequentava a mesma igreja e esteve na festa, onde tentou forçar uma conversa com a vítima, recebendo nova recusa. Inconformado ao ver a vítima alegre, feliz e decidida a não aceitá-lo de volta, ele resolveu matá-la.

Assim, o réu deixou a festa e levou o filho que havia convencido a voltar a morar com ele. Então, deixou o filho sozinho em casa, pegou a “machadinha” e voltou ao local onde estava a vítima. Antes de chegar ao local da festa, entretanto, a vítima e o outro filho seguiam em uma motocicleta para o centro da cidade. Ele avançou com o carro contra a moto, conduzida pela vítima, e colidiu com esta, fazendo com que a mulher e o filho fossem lançados ao chão.

Na sequência, o réu pegou a “machadinha” e partiu para cima da vítima, enquanto ela e o filho tentavam sair debaixo da moto. Ao notarem a aproximação do réu, mãe e filho desvencilharam-se da moto e correram, mas assim que alcançaram a calçada o assassino desferiu o primeiro golpe, pelas costas e acertou a cabeça da vítima, que caiu ao chão. 

O filho entrou na frente do pai e implorou que ele parasse, que não matasse sua mãe. A vítima conseguiu se levantar e tentou correr para dentro de uma pizzaria, contudo, ignorando o apelo do filho, com total frieza e crueldade, o réu voltou a golpear a vítima, que caiu novamente, e sem qualquer chance de defesa, recebeu inúmeros golpes de “machadinha” na cabeça.

Ao perceber que o réu afastou-se um pouco, a vítima reuniu forças e levantou-se novamente, correu para dentro do restaurante, onde caiu mais uma vez em consequência dos ferimentos sofridos. Ao notar que a vítima ainda estava viva, mais uma vez o réu foi até ela e desferiu golpes com a “machadinha” contra sua cabeça, só parando as agressões ao notar que a vítima agonizava.

Ao notar que a vítima não apresentava qualquer chance de sobreviver ao brutal e covarde ataque, o réu fugiu, sendo preso em flagrante delito, pouco depois. Enquanto agredia a vítima, por mais de uma vez o réu afirmou que desejava matá-la, pois gritava: “Você não quer voltar comigo?! Eu vou te matar!”. Embora tenha recebido rápido socorro médico, a vítima não resistiu e faleceu minutos após chegar ao hospital.  

Na dosimetria da pena, o juiz avaliou a culpabilidade não somente como pressuposto para aplicação da pena, mas como maior censurabilidade ou reprovabilidade da conduta e, em seu entender, esta deve ser valorada a partir da existência de um plus de reprovação social do comportamento, que foge ao simples alcance do tipo penal. 

Ele lembrou que na época do crime, enfim, a vítima havia rompido as barreiras de um relacionamento pernicioso, nocivo, ruinoso, e estava em uma nova fase da vida, inserida em sociedade, em sua comunidade religiosa e, inclusive, frequentando a faculdade, anseio que lhe era antigo. 

“A vítima suportou as agruras da convivência com o réu pensando no bem-estar dos filhos, revelando seu sacrifício e altruísmo, até o momento em que, corajosamente, resolveu dar um basta e seguir o seu caminho”, escreveu o juiz na sentença.

Par o magistrado, a conduta do réu revela extraordinária intensidade no dolo, considerando a colossal violência utilizada para o crime; a completa ausência de empatia e humanidade do acusado; as lesões físicas provocadas ao filho que estava com a vítima na hora do crime como efeito colateral do comportamento; a situação de risco, gerada aos filhos adolescentes, e o contexto de violência de gênero pretérita ao assassinato, são fatores que exigem valoração da culpabilidade enquanto circunstância judicial, ensejando maior censura penal à conduta criminosa. 

Reparação mínima – O Ministério Público Estadual postulou a fixação de valor mínimo para reparação dos danos causados pelo crime, considerando os prejuízos sofridos pelos filhos da vítima , como prevê o art. 387, IV, do Código de Processo Penal.

O juiz lembrou que o art. 91, I, do Código Penal, estabelece como efeito extra penal obrigatório da sentença condenatória a obrigação do réu reparar o dano causado pelo crime, cabendo ao magistrado, na sentença, estabelecer o valor mínimo para indenização, permitindo que os sucessores da vítima, independente de ação de conhecimento ou de liquidação de sentença, promova imediatamente a execução cível da sentença.

Desse modo, considerando a gravidade do crime e a extensão do dano aos filhos da vítimas, o juiz fixou em R$ 31.350,00, ou seja, 30 salários mínimos, o valor mínimo para reparação dos danos materiais e morais, cujo montante deve ser corrigido e acrescido de juros de mora desde a data do crime. 

Ao analisar a possibilidade de detração, embora o condenado tenha permanecido preso durante o trâmite do processo, o juiz entendeu que ainda não faz jus à primeira progressão de regime porque o tempo de prisão processual não é suficiente para alterar o regime inicial de cumprimento de pena ora definido e não existe comprovação de bom comportamento carcerário do réu.

A acusação foi realizada pelo promotor George Cássio Tiosso Abbud e pela defesa respondeu a defensora pública Khaterine Alzira Avellan Neves.

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO
Detran/MS alerta para retomada de prazos suspensos durante a pandemia
FRONTEIRA
Dupla agride funcionários e foge com 38 milhões de guaranis em assalto
TEMPO
Quinta-feira nublada com possibilidade de chuva em Dourados
BATAGUASSU
Mulher é presa em flagrante por matar marido com facada no peito
ALIADO DE BOLSONARO
Ministério Público pede ao TSE quebra de sigilos de Luciano Hang
CAMPO GRANDE
Após uma semana, atropelada em bairro da Capital morre na Santa Casa
ECONOMIA
Conheça quais são os programas de bolsas para estudantes da UFGD
CAPITAL
Mãe e padrasto são denunciados por bater e deixar crianças sem comida
APOSENTADORIA
INSS divulga calendário de pagamentos de benefícios em 2021
REGIÃO
Morre baleado em ataque que feriu mulher e criança em Campo Grande

Mais Lidas

PANDEMIA
Casos de coronavírus levam fechamento de três agências bancárias em Dourados
POLÍCIA
Homem é encontrado morto em ponte próximo à Vila Cachoeirinha 
MAUS TRATOS
Mãe é denunciada após apagar cigarro na mão da filha em Dourados
CAARAPÓ
Jovem que matou companheira com mata-leão é autuado em flagrante por homicídio doloso