Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020
(67) 99659-5905

Entidades fazem manifesto para lembrar o caso Roccaro

13 fevereiro 2013 - 09h30

Da Redação

Há exato um ano o jornalista e escritor Roberto Cardoso Rodrigues, Paulo Roccaro, foi assassinado a tiros em Ponta Porã. Em desfavor a impunidade e a violência contra o trabalho da imprensa em Mato Grosso do Sul, o Sinjorgran (Sindicato dos Jornalistas Profissionais da Grande Dourados) e o Sindjor (Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Mato Grosso do Sul) fazem um manifesto para cobrar respostas das autoridades de segurança pública do Estado.

Os sindicatos publicaram uma carta nesta quarta-feira (13) enaltecendo a necessidade de haver comunicação livre na região, sem que haja repressão física ou ideológica contra o trabalho dos jornalistas de Mato Grosso do Sul, principalmente aqueles que buscam denunciar o tráfico e a corrupção.

O jornalista Paulo Roccaro levou nove tiros quando estava dentro de seu carro na fronteira com o Paraguai, na Avenida Brasil. Ele escrevia para o Jornal da Praça, e era conhecido por produzir matérias investigativas que abordavam temas como política e tráfico de drogas.

Durante o manifesto será lembrado os outros dois casos de assassinatos de jornalistas ocorrido no final do ano passado.

Leia a carta na íntegra:

Carta contra a impunidade: execução do jornalista Paulo Rocaro completa um ano

É com indignação que as entidades abaixo-assinadas cobram mais uma vez, publicamente, as autoridades de segurança de Mato Grosso do Sul, especialmente a 1ª Delegacia de Polícia de Ponta Porã e a Secretaria de Estado de Segurança Pública, para que esclareçam com urgência o crime cometido contra o jornalista Paulo Rocaro, com indícios de execução.

Sempre lembraremos e repudiaremos a violência. Nesta quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013, o falecimento completa um ano sem respostas Os cinco tiros que atingiram Paulo Rocaro mataram também parte da sensação de segurança e liberdade profissional de cada jornalista de Ponta Porã, Mato Grosso do Sul e do Brasil.

Em qualquer lugar do mundo, o jornalismo é fundamental para o fortalecimento da democracia. A repercussão internacional do atentado questionou a capacidade do Brasil em proporcionar condições mínimas ao exercício do jornalismo, condições exigidas até aos países que estão em guerra.

Assim, para combater a impunidade resultante das limitações estaduais, entre as ações dos sindicatos de jornalistas e da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) está a busca de apoio da sociedade e dos parlamentares para a aprovação de projeto de lei que permite a participação da Polícia Federal nas investigações dos crimes contra os
jornalistas.

Hoje, divulgamos essa carta contra a impunidade. Porém, nossa real vontade seria de celebrar a justiça, a vitória do Estado Democrático de Direito contra os criminosos. Queremos que essa data chegue o mais rápido possível. No entanto, a impunidade segue gritante, desvalorizando o trabalho do jornalista e legitimando outras violências contra ele. Por isso, unimos nossas vozes para exigir justiça.

PELO JORNALISMO E CONTRA A IMPUNIDADE SEMPRE!
Mato Grosso do Sul, 13 de fevereiro de 2013

Deixe seu Comentário

Leia Também

FRONTEIRA
Homem que roubou R$ 30 mil de empresa é preso em posto na BR-163
RIO DE JANEIRO
Fachin rejeita novo pedido de Witzel para voltar ao cargo de governador
SIDROLÂNDIA
Mulher é sequestrada ao lado do filho e estuprada pelo ex-marido
DINHEIRO
Auxílio emergencial: Onyx promete pagar R$ 300 a partir de quarta
CORUMBÁ
Cão fica preso em buraco de concreto ao tentar retornar para casa
VÔLEI
STJD denuncia Carol Solberg após fala política "Fora Bolsonaro"
ANGÉLICA
Mulher de 29 anos é presa com arma e munições irregulares
UEMS
Curso sobre Cultura Chinesa recebe inscrições até a próxima sexta-feira
CORONEL SAPUCAIA
Empresa é autuada em R$ 5,5 mil por desmatamento de vegetação protegida
PANTANAL
Combate às queimadas no MS ganha reforço de mais 120 brigadistas

Mais Lidas

ATO DE FÉ
Após vigílias em frente a hospital, família celebra 'milagre' por homem que caiu do telhado
CAMPO GRANDE
Gêmeos são executados dentro de quitinete
POLÍCIA
Comerciante morre em acidente na MS-276
DEODÁPOLIS
Homem morre ao bater moto de frente com caminhonete da patroa