Menu
Busca quinta, 02 de abril de 2020
(67) 9860-3221

CRM-MS é contrário o uso de HCG no tratamento de obesidade

27 fevereiro 2013 - 11h10


O Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul (CRM-MS) emitiu, no dia 22 de fevereiro, parecer contrário ao uso de Gonadotrofina Coriônica (HCG) – o hormônio da gravidez – em tratamentos para emagrecer. De acordo com a ementa do parecer, “O uso de HCG no tratamento de obesidade não é recomendado por não apresentar evidências científicas que corroborem a sua eficácia, bem como, trata-se de terapêutica com malefícios.”

O parecer foi elaborado em resposta a consulta de uma paciente, que argumenta ter recebido, em consulta com um médico dermatologista, indicação de tratamento para emagrecer com injeções de HCG. A paciente alega que, depois de realizar pesquisas na internet acerca do assunto, ficou em dúvida sobre a terapêutica indicada.

O uso do hormônio em tratamentos para emagrecer data da década de 1950, no entanto, estudos mais recentes não comprovam sua eficácia. No embasamento do parecer consta ainda que não há provas de que o HCG aja sobre o metabolismo dos lipídios ou sobre a distribuição dos tecidos adiposos ou ainda, que influencie o apetite. “Consequentemente, a Gonadotrofina Coriônica (HCG) não possui indicações relativas ao controle de peso”, conforme indicado na bula do medicamento.

O hormônio - O HCG é o único hormônio exclusivo da gravidez. Possui a função de manter o corpo lúteo no ovário durante o primeiro trimestre de gestação, estrutura essencial à manutenção da gravidez. No homem, o HCG atua estimulando as células intersticiais de Leydig e, consequentemente, a secreção de androgênios. Em crianças com criptorquidismo, atua induzindo a maturação do testículo subdesenvolvido, o crescimento dos cordões espermáticos extremamente curtos e a descida do testículo.

A forma injetável de HCG, vendida com receita médica, é aprovada, como tratamento da infertilidade na mulher, criptorquidismo, hipogonadismo hipogonadotrófico e puberdade tardia (no homem e crianças).

Efeitos - O HCG é classificado como “categoria X” pela Food and Drug Administration (FDA, agência norte-americana de controle de drogas e alimentos), significando que ele pode causar malformações fetais. Também constam nas orientações desta categorização que o seu uso não deve ser aplicado a pacientes com câncer hormônio-relacionados, tais como o câncer de próstata, endométrio, mama, ovário; bem como outras patologias hormônio-relacionadas.

Observa-se ainda que testes adicionais podem ser necessários para estabelecer a segurança do HCG para indivíduos com distúrbios da tireóide ou glândula adrenal, cistos ovarianos, hemorragia uterina, doença cardíaca, epilepsia, enxaqueca ou asma.

Como efeitos adversos, ou colaterais, do seu uso, estão descritos na literatura: cefaleia, irritabilidade, depressão, tromboembolismos arteriais ou venosos e hiper-estimulação ovariana.

Consulta - Na consulta ao CRM-MS os questionamentos da paciente obtiveram as seguintes respostas:

1 - Se realmente emagrece?

-Não.

2 - Causa embolia?

-A embolia pulmonar encontra-se descrita na literatura como efeito adverso que possa ocorrer.

3- É indicado?

-Não é indicado para tratamento de obesidade.

4- Existem alguns estudos?

-Sim. Estudos publicados em revistas indexadas como expostos no parecer.

5- Causa algum prejuízo futuro à saúde?

-Sim, se utilizado sem critérios e sem um correto acompanhamento do médico assistente.

Parecer - O Parecer N° 04/2013, referente a consulta sobre uso do HCG e obesidade, está disponível para consulta no site do CRM-MS: http://www.crmms.org.br/

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Idoso de 60 anos pode ser a primeira morte por coronavírus em Três Lagoas
INFORMAIS
Lei que cria auxílio de R$ 600 é publicada no 'Diário Oficial da União'
SIDROLÂNDIA
Bandidos invadem escola, furtam botijões de gás e alimentos
IMUNIZAÇÃO
Caminhoneiros serão incluídos na campanha de vacinação contra gripe
JUSTIÇA
Pedido de exoneração feita por servidor incapaz é considerado nulo
CONVOCAÇÃO
Governo fará cadastro não obrigatório de profissionais de saúde para o SUS
CAMPO GRANDE
Justiça mantém prisão de suspeito de furtar várias vezes mesmo atacadista
BANCO DO BRASIL
Servidores estaduais podem renovar empréstimos consignados com carência
PROCURADO
Identificado chefe de quadrilha que cavou túnel para roubar banco na Capital
LEÃO
Mais de 9,1 milhões de contribuintes entregaram declaração do IR

Mais Lidas

REGIÃO
Ex-assessor de Mandetta é encontrado morto em apartamento na Capital
COVID-19
Primeiro óbito por coronavírus do Estado é registrado em Dourados
NOVA ANDRADINA
Hospital confirma três profissionais com coronavírus em unidade que atendeu idosa
BOLETIM DA SES
Dourados registra mais um caso de coronavírus e MS tem 51 confirmações