sábado, 13 de agosto de 2022
Dourados
30°max
13°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Um dos acusados da morte de jornalista é policial

08 setembro 2003 - 09h51

Um dos acusados da morte do sócio-proprietário do Jornal Boca do Povo, Edgar Pereira, ocorrida no dia 9 de julho, em Campo Grande, é o policial da reserva da Polícia Militar Antônio Carlos do Nascimento, 35 anos. Ele e o campeiro Maurício Rodrigues de Almeida, 40 anos, serão apresentados hoje às 10 horas pela Delegacia Especializada de Homicídios como responsáveis pelos tiros que atingiram o empresário no momento em que ele deixava uma funcionária em casa, na Rua Dolor de Andrade. Na ocasião o delegado Luiz Carlos Rodrigues da Silva vai conceder uma coletiva para esclarecer a investigação que levou aos suspeitos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Procurado por homicídio em festa na fronteira é preso em Portugal
INTERPOL

Procurado por homicídio em festa na fronteira é preso em Portugal

MORTES NA PANDEMIA

Barroso envia à PGR acusação de vítimas da Covid contra Bolsonaro

Homem é preso com droga avaliada em mais de R$ 6 mil
IVINHEMA

Homem é preso com droga avaliada em mais de R$ 6 mil

GERAL

Juiz manda para presídio policial bolsonarista que matou petista

Polícia Militar apreende mais de 140 quilos de maconha, na MS-473
NOVA ANDRADINA

Polícia Militar apreende mais de 140 quilos de maconha, na MS-473

EDUCAÇÃO

Acadêmicos da UEMS podem se inscrever em Universidades parceiras

Empresário é preso com arma furtada de policial no Rio de Janeiro

EDUCAÇÃO

Prouni: universidades acusam MEC de atrasar dados para matrículas

CAPITAL

Prestes a casar a filha, homem morreu atropelado sem realizar o sonho

ECONOMIA

Empresas poderão renegociar dívidas com o Fisco com 70% de desconto

Mais Lidas

TRAUMATISMO CRANIANO

Madrasta de menina de 7 anos que morreu ao dar entrada na UPA é presa em Dourados

DOURADOS

Madrasta de criança morta em UPA é encaminhada para cela da Depac

DOURADOS

Acusado de raptar a ex e trocar tiros com a polícia tem alta e é levado para delegacia

INVESTIGAÇÃO

Madrasta demorou 3h para levar menina até UPA e não há registro de acionamento no Samu