Menu
Busca quinta, 26 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
JUDICIÁRIO

STF suspende medida de Moro que permitia PRF em operações policiais

16 janeiro 2020 - 22h20Por G1

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, suspendeu nesta quinta-feira, dia 16 de janeiro, uma portaria do Ministério da Justiça e Segurança Pública que estabelece regras para a atuação da PRF (Polícia Rodoviária Federal) em operações policiais conjuntas.

O texto foi assinado em outubro passado, pelo ministro Sergio Moro, e trata de operações com outras forças de segurança em rodovias federais e outras “áreas de interesse da União”. A decisão liminar (provisória) atende a pedido da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, feito em dezembro.

Na decisão, Toffoli afirmou que decidiu de forma monocrática porque os argumentos apresentados demonstram a “relevância do caso e o risco de atuação ilegítima da Polícia Rodoviária Federal em áreas de interesse da União, fazendo as vezes da Polícia Federal”.

O relator da ação é o ministro Marco Aurélio Mello, mas as regras internas da Corte permitem que o presidente do STF tome decisões em questões consideradas urgentes durante o recesso.

O recurso

A associação de delegados foi ao Supremo porque considerou que a portaria transfere, à PRF, competências que são da Polícia Federal. Também argumentou que os policiais rodoviários não estão autorizados, pela Constituição, a realizar atividades de investigação, nem atuar em ferrovias, hidrovias, portos e aeroportos.

A associação ressaltou ainda que a portaria autoriza a PRF a atuar em “áreas de interesse da União”, mas não define quais seriam estes locais, ou os critérios para essa nomenclatura.

Ao suspender a norma, o presidente Dias Toffoli ressaltou que a Constituição conferiu à PRF a tarefa de patrulhamento ostensivo de rodovias federais. Ele também considerou que a portaria traz conteúdos que deveriam ser disciplinados por lei, a ser aprovada pelo Poder Legislativo.

“A pretexto de estabelecer diretrizes para a participação da Polícia Rodoviária Federal em operações conjuntas nas rodovias federais, estradas federais e em área de interesse da União, o Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública incursionou por campo reservado ao Congresso Nacional”, afirmou o ministro no documento.

“As atribuições da Polícia Rodoviária Federal devem ser veiculadas não em portaria, mas em lei, nas acepções formal e material, como se infere da Carta Maior. Não compreendo, outrossim, que as atribuições inscritas na portaria ministerial revelem tão somente desdobramentos do feixe de competência inerente à natureza da Polícia Rodoviária Federal."

"Trata-se de verdadeira ampliação de atribuições desse órgão. Em outras palavras, mera portaria de Ministro de Estado não tem a envergadura normativa para ampliar as atribuições da Polícia Rodoviária Federal, estando evidenciada a ocorrência de inconstitucionalidade formal”, completou Toffoli na decisão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Motociclista que foi arremessado durante acidente morre em hospital
PANDEMIA
Bolsonaro diz que não há vídeo ou áudio em que chame Covid de 'gripezinha'
CRIME AMBIENTAL
Homem é preso e multado por pescar com redes durante a piracema
JUSTIÇA
Saiba como solicitar antecipação de julgamento em sessões do TJ/MS
SILVIA REGINA
Atropelada por veículo está em coma no CTI e com lesão neurológica grave
EDUCAÇÃO
UFGD recebe evento sobre produtividade agrícola e conservação do solo
PONTA PORÃ
PM aposentado reagiu a assalto que terminou com bandido morto
INTERNACIONAL
Corpo de Maradona é sepultado em cemitério na periferia de Buenos Aires
FRONTEIRA
Gerente de cassino é presa em investigação sobre quádrupla execução
JUSTIÇA
Motociclista será indenizado por acidente devido ao rompimento de cabos

Mais Lidas

VIOLÊNCIA
Mulher esfaqueia ex após discussão em hotel no Centro de Dourados
DOURADOS 
Foragido, autor de homicídio condenado a 16 anos é preso no Novo Horizonte
CRIME BÁRBARO
Suspeita de esquartejar e colocar corpo de namorado em malas se entrega à polícia
IMPROBIDADE
Caso de vereador que perdeu mandato em Dourados tem desfecho no STJ