Menu
Busca quinta, 05 de agosto de 2021
(67) 99257-3397

Policial afastado diz que cobrança de taxas é normal

25 outubro 2004 - 07h08

O capitão Wellington Luís Santana Lopes, comandante afastado do 3º Pelotão da Polícia Militar de Rio Brilhante, que está sendo investigado por intermédio de IPM (Inquérito Policial Militar), aberto sexta-feira, após auditoria realizada pela juíza militar Marilza Fortes no Município, disse no final de semana, através do advogado Upiran Jorge Gonçalves, que a cobrança de taxas nas unidades policiais e militares é um fato "praticamente normal" em todo o Estado. O comando geral da PM determinou o afastamento do comandante da unidade de Rio Brilhante para apuração de irregularidades na administração de dinheiro arrecadado pela confecção de Boletins de Ocorrências e outras taxas devidas ao Funresp (Fundo de Manutenção e Resserviço da Segurança Pública). A partir de denúncia anônima, onde constavam cópias de algumas guias emitidas em valores que variam de R$ 50 a R$ 300, cujos valores não entravam oficialmente nos cofres da corporação, uma equipe da PM-2, o Serviço Reservado da instituição, foi acionada pelo comandante geral da PM no Estado, coronel Ivan de Almeida, para cuidar desse caso. Wellington disse, através do advogado, que quando assumiu o posto essa prática já existia no Município. "Esses valores sempre foram recolhidos pela unidade, como aliás acontece em quase todas as repartições do Estado, inclusive nas delegacias de polícia, e o dinheiro é utilizado para despesas de manutenção, compra de papel, cartuchos de tinta, entre outros pequenos gastos", explicou o advogado. Segundo Upiran, a decisão da juíza foi baseada em representação do Ministério Público, a partir da denúncia anônima encaminhada por escrito e sem data para a Auditoria Militar. "Soa estranho o fato desse afastamento ter sido determinado poucos dias depois das eleições municipais, e justamente em um processo em que o capitão Wellington chegou a se indispor com um oficial lotado na unidade e que vinha tentando burlar a normalidade da legislação eleitoral em Rio Brilhante", comentou o advogado dele, acrescentando que essas questões deverão ser esclarecidas a partir de agora, com o IPM.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Considerado extremamente violento, traficante é preso com arma
ECONOMIA
Bolsonaro anuncia que novo Bolsa Família se chamará "Auxílio Brasil"
Policial tem prisão preventiva decretada após destruir carro da namorada
REGIÃO
Prorrogadas inscrições de peritos para atuarem no Poder Judiciário de MS
Idoso é preso no Paraguai com arma de fogo e faca tipo adaga
NOVA INVESTIGAÇÃO
TCU decide abrir processo para apurar conduta de Pazuello na pandemia
Ambiental captura 1.337 animais silvestres no primeiro semestre de 2021
GERAL
Governo amplia número de vagas do último concurso da Agepen
Passageira dorme em ônibus e só descobre furto das malas na rodoviária
SELIC
Copom eleva juros básicos da economia para 5,25% ao ano

Mais Lidas

DOURADOS
Assessora vai à polícia e diz que foi ameaçada de morte por vereadora
DOURADOS
Flagrado com pistola, jovem é preso no Parque do Lago II
AMEAÇA
Mulher não aceita relacionamento do ex e ameaça a atual companheira dele de morte
DOURADOS
Casal é preso após transformar casa de homem que morreu por overdose em 'boca de fumo'