Menu
Busca quarta, 27 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Pai ajuda Polícia e filho assaltante de joalherias é preso

12 janeiro 2010 - 11h44

Anderson da Silva Ferreira, de 21 anos, foi preso na sexta-feira, em Sonora, depois que o pai dele ajudou a Polícia e convenceu o filho, que estava morando em Cuiabá (MT), a ir para Campo Grande e se entregar.

Anderson é apontado como responsável por três assaltos a joalherias de Campo Grande: no dia 12 de novembro à Casa das Alianças da Galeria Dona Neta, no dia 18 de novembro à Belo Sancy, localizada na rua Rio Grande do Sul, próximo ao cruzamento com a Mato Grosso e à Ótica Inami da rua 13 de maio, no dia 30 de dezembro.

Ele resolveu fugir para o Mato Grosso, onde mora o pai, depois que foi abordado por policiais militares no conjunto Aero Rancho, suspeito de envolvimento no assalto de um PM que estava fardado e teve a arma roubada. Foi no dia 31 de dezembro, quando ele ficou com os policiais de 17 às 23 horas, mas foi liberado após descartada participação dele no assalto.

O veículo dele, um Corsa Hatch azul, foi apreendido porque estava com mando de busca e apreensão. Ele deu entrada para comprar o veículo com o dinheiro obtido no primeiro assalto.

Colaboração – Após a abordagem Anderson resolveu ir para Cuiabá com a esposa e o filho, um bebê de sete meses. Há uma semana policiais civis de Mato Grosso do Sul entraram em contato com o pai dele, no Estado vizinho e o informaram que Anderson estava sendo procurado por conta dos roubos e o pai convenceu o rapaz a voltar a Campo Grande e se entregar.

Na estrada, porém, o carro em que ele viajava, com um tio, a esposa e o filho, estragou. O pai de Anderson novamente entrou em contato com a Polícia e agentes de Sonora foram de encontro com o rapaz e o levaram para a Derf (Delegacia Especializada no Combate a Roubos e Furtos), em Campo Grande.

Com a prisão de Anderson, a polícia recuperou 60% das jóias roubadas na Inami, que estavam escondidas na casa de um amigo dele, dentro de um sofá, no conjunto Aero Rancho. O amigo não tinha participação no roubo e guardou as jóias sem saber do que se tratava. Elas estavam dentro de uma sacola de compras do Paraguai e também havia um revólver calibre 38, usado no roubo.

Anderson alega que não participava diretamente dos roubos. Porém, a polícia tem imagens de circuito de TV que mostram tentativa de assalto à Casa de Alianças na rua Bahia, em que ele é identificado. Após a tentativa frustrada, eles conseguiram roubar a loja da Galeria Dona Neta. Além de Anderson, um adolescente foi filmado.

Dois adolescentes de 17 anos, que estariam envolvidos nos três assaltos, são procurados. Segundo a Polícia 60% das peças roubadas ficavam com Anderson, que municiava os adolescentes com armas e informações sobre o local. A outra parte das jóias roubadas era distribuída entre os comparsas.

Os adolescentes também ficavam encarregados da venda, segundo Anderson, que não informou quem seriam os compradores. A Polícia apurou que as peças subtraídas no primeiro roubo, à Casa das Alianças, foram vendidas em Corumbá.



Deixe seu Comentário

Leia Também

DATAFOLHA
Para 61% dos que viram reunião, Bolsonaro quis interferir na PF
POLÍCIA
Idosa é agredida após ter a casa invadida por morador de rua
CULTURA
CineClube UEMS terá encontros online com filmes sobre pandemia
LOTERIA
Confira os números da Mega-Sena, que paga prêmio de R$ 33 milhões
JARAGUARI
Caminhonete paraguaia com R$ 5 mil em multas é apreendida em MS
CORUMBÁ
Companhia aérea deve indenizar por atraso de voo sem justificar motivo
SAÚDE
HU de Dourados lança Manual de Aleitamento Materno em formato de livro
CAMPO GRANDE
Homem passa mal, mobiliza Bombeiros e Samu e morre a caminho de UPA
AVANÇO DA PANDEMIA
Brasil registra 1.086 mortes por Civid-19 em 24 horas e chega a 25.598
CAPITAL
Homem é encontrado na rua, vai para CTI e morre sem identificação

Mais Lidas

DOURADOS
Prefeitura estende toque de recolher em 2h em Dourados
PANDEMIA
Dourados tem mais de 150 casos de Covid-19 e secretário diz ser assustadora a crescente na região
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher