quinta, 23 de maio de 2024
Dourados
33ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
FRONTEIRA

Operações destroem mais de 300 hectares de maconha; veículos e aeronaves foram apreendidos

16 maio 2024 - 08h52Por Gizele Almeida

A Operação Ágata Fronteira Oeste II completou seis meses de atuação com números expressivos de apreensões e prejuízo milionário para o crime organizado. 

A ação é coordenada pelo Comando Militar do Oeste e o órgão realizou uma reunião de coordenação na Capital com os órgãos de segurança pública e fiscalização federais e estaduais para apresentar os resultados parciais alcançados. 

Vale destacar que a Operação segue e haverá uma nova fase da operação, que seguirá até o dia 4 de junho.

O Comando destaca impactos positivos principalmente na região  de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná. 

O levantamento indica que o prejuízo financeiro para os criminosos ultrapassa a marca de R$ 375 milhões. Diversas apreensões foram realizadas, entre as quais: 247 veículos, aeronaves e embarcações; 65.013 kg de drogas ilícitas; 30 armamentos apreendidos e 761.214 produtos em contrabando e descaminho. 


Além disso, a operação espelhada Basalto I e II, realizada pelo exército e forças de segurança do Paraguai, resultou, segundo informações do Exército Paraguaio, na destruição de 367 hectares de plantação de maconha (aproximadamente 1.131 toneladas) e apreensão de 412 toneladas de maconha, totalizando um prejuízo de aproximadamente R$ 3 bilhões para o crime organizado. 


A Operação promove a integração institucional do Exército Brasileiro, Polícia Federal, Receita Federal, Polícia Rodoviária Federal, Agência Brasileira de Inteligência, Secretaria Nacional de Políticas Penais, Secretarias de Segurança Pública, Polícias Civis, Polícias Militares e Gabinetes de Gestão Integrada de Fronteiras e Divisas dos três estados envolvidos. Sob a coordenação do Comando Operacional Oeste, as tropas intensificam ações de bloqueio em estradas e rios, patrulhamento mecanizado e motorizado, e estabelecimento de postos de segurança estáticos.


Atingindo seis meses de duração, a Operação Ágata Fronteira Oeste II apresenta uma notável melhoria na segurança e estabilidade da região.

O órgão destaca ainda que o Exército Brasileiro possui poder de polícia na faixa de fronteira (150km), conforme previsão legal, e a fronteira entre o Brasil, o Paraguai e a Bolívia tem sido historicamente uma área de intensa atividade ilícita. Diante disso existe a mobilização, empregando até 2 mil militares, e permanente estado de prontidão, aliado às informações obtidas pelo Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron) e às ações estratégicas e diplomáticas entre os países, está sendo possível obter resultados expressivos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Inmet divulga alerta de perigo para o sul do país
TEMPO

Inmet divulga alerta de perigo para o sul do país

MS leva capacitação sobre seus destinos turísticos a profissionais do setor
BNT MERCOSUL

MS leva capacitação sobre seus destinos turísticos a profissionais do setor

PRF apreende 1 tonelada de maconha em Jardim
REGIÃO

PRF apreende 1 tonelada de maconha em Jardim

Plenário confirma Buenos Aires como sede de comitê da Hidrovia Paraguai-Paraná
PROJETO

Plenário confirma Buenos Aires como sede de comitê da Hidrovia Paraguai-Paraná

Inscrições abertas: Salão de Pesquisa da Unigran 2024 debate as inovações científicas

Inscrições abertas: Salão de Pesquisa da Unigran 2024 debate as inovações científicas

OPERAÇÃO METAMORFOSE

PF cumpre nove mandados de prisão por fraudes contra a Previdência

DOURADOS

Prefeitura abre inscrições para participação na Festa Junina 2024

POLÍCIA

Homem é preso após furtar lanchonete em Dourados

MOBILIZAÇÃO

Sicredi dobra o valor arrecadado em movimento nacional para o Rio Grande do Sul

ENTRETENIMENTO

Longa de MS, 'Olhai o Silêncio' estreia sexta-feira no MIS

Mais Lidas

R$ 37 MILHÕES

Empresa é contratada para prolongar avenida do Centro até parque público de Dourados

BR-463

Douradense é preso com drogas em carro de luxo

REGIÃO 

Empresários são detidos por desvio de energia elétrica após operação do SIG

ITAPORÃ

Funcionário de fazenda morre durante manutenção em silo