Menu
Busca quarta, 30 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
POLÍCIA

Morto em ação policial no MS era afamado como líder do novo cangaço

04 dezembro 2019 - 11h45Por Redação

Um dos quatro homens mortos na madrugada desta quarta-feira (4) durante confronto com forças de segurança pública de Mato Grosso do Sul em uma propriedade rural na região de fronteira, entre Aral Moreira e Coronel Sapucaia, José Francisco Lumes, o Zé de Lessa, era falado e afamado no nordeste brasileiro como um dos líderes do chamado novo cangaço.

Na ação policial de hoje, policiais civis, do Garras, da Defron, e militares DOF (Departamento de Operações de Fronteira), do Bope, e do Pelotão de Choque, procuravam suspeitos de participação no assalto a um carro-forte ocorrido na manhã de segunda-feira (2) na MS-156, entre Amambai e Caarapó.

Em dezembro 2018, uma extensa reportagem do Correio 24 Horas, importante jornal da Bahia, citou Zé de Lessa como um dos criminosos mais procurados pela polícia, apontado como líder do BDM, o Bonde do Maluco, “considerada hoje a facção mais truculenta do estado”.

A publicação detalhava que o roubo de R$ 100 milhões em um banco em Bacabal, no Maranhão, ocorrido no mês anterior, teria sido comandado pelo próprio Zé de Lessa, informação repassada pela Secretaria da Segurança Pública daquele estado.

“No entanto, ele estaria bem longe do Nordeste: os indícios são de que ele tenha ordenado o crime do Paraguai. Mas o irmão dele, Edielson Francisco Lumes, estava e foi morto pela polícia maranhense, após um confronto na mesma noite. No Maranhão, era Edielson, o Dó, o responsável por repassar as ordens de Zé de Lessa, direto de outro país, aos cerca de 30 homens da quadrilha”, reportou.

Ainda segundo o jornal, ele viveu entre idas e vindas à cadeia até que em 2014 recebeu autorização judicial para cumprir prisão domiciliar por portar doença degenerativa, necessitando de cirurgia. “Zé de Lessa nunca fez a cirurgia, nem voltou para a prisão”, esclarece a reportagem.

A publicação narra ainda que “várias operações já tentaram prender Zé de Lessa” e uma das maiores “foi a Operação Sapucaia, realizada em abril de 2016 pela Polícia Federal na Bahia e no Mato Grosso do Sul”. “Na época, as informações eram de que ele estava vivendo na cidade de Coronel Sapucaia (MS)”, esclarece.

“De acordo com o delegado Fábio Marques, da Polícia Federal, após a operação Sapucaia, a PF já tentou prendê-lo no Paraguai, inclusive com ajuda da polícia local. As equipes chegaram a encontrar o local onde ele estaria escondido, mas ele não estava mais lá”, acrescentou.

Por fim, a o jornal baiano indica que desde então ninguém mais soube do paradeiro do foragido. “As últimas notícias – ainda enquanto rumores – que chegaram foi de que ele estaria com câncer de próstata em estágio terminal”, finalizou.

A causa da morte ocorrida na madrugada de hoje, porém, não teve relação com qualquer tipo de doença.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME AMBIENTAL
Pecuarista é multado em R$ 10 mil por manter duas antas em cativeiro
PANTANAL
Bombeiros superam cansaço e calor para controlar incêndios no Amolar
CAPITAL
Garras prende três com droga e munições para fuzil AK-47 na BR-163
LOTERIA
Confira as dezenas sorteadas da Mega-Sena; prêmio é de R$ 60 milhões
COXIM
Polícia Ambiental captura iguana em prateleira loja de utilidades
NÚMEROS DA PANDEMIA
Brasil chega a 143.886 mortes por Covid e passa de 4,8 milhões de casos
DESCAMINHO
Polícia Militar apreende veículo com contrabando no distrito de Itahum
POLÍTICA
MS renova compromisso pelo fim do sub-registro e acesso à documentos
CAPITAL
Polícia divulga WhatsApp para denúncias sobre carro usado em sequestro
ARTICULAÇÕES
Planalto tira Carla Zambelli e bolsonaristas de vice-liderança na Câmara

Mais Lidas

REGIÃO
Homem que disse ter encontrado mulher morta volta atrás e confessa feminicídio
LAGUNA CARAPÃ
Homem sente falta de esposa, vai procurar e a encontra morta em poço
DOURADOS
Disputa pela prefeitura tem dois milionários e total de bens chega a R$ 13 milhões
CAPITAN BADO
Ataque de pistoleiros a veículo deixa dois mortos na fronteira