Menu
Busca sábado, 04 de abril de 2020
(67) 9860-3221
DOURADOS

Após cinco assassinatos em uma semana, indígenas buscam solução para coibir crimes em aldeias

15 junho 2019 - 11h15Por Gizele Almeida e Osvaldo Duarte

Na segunda-feira (17), lideranças indígenas de Dourados devem se reunir com o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Antônio Carlos Videira, em Campo Grande, para debater a violência na Reserva Indígena da maior cidade do interior de Mato Grosso do Sul. 

De acordo com o líder indígena, Israel Morales, o encontro está agendado para 10h30 na sede da Governadoria. 

Morales disse que representantes da aldeia Jaguapirú, aldeia Bororó e de aldeias de Caarapó estarão na reunião, a qual é buscada há tempos pelos mesmos. 

“Nós tentamos essa conversa já algum tempo e o motivo é buscar apoio e mais segurança para nosso povo, que tem sofrido com a violência” disse. 

Ele cita exemplos de assassinatos ocorridos, como o noticiado pelo Dourados News, nesta manhã (15). Dois indígenas foram mortos brutalmente nas proximidades da Missão Caiuás. Tratava-se de tio e sobrinho que foram mortos com golpes de facão. 

O representante afirma de que o grupo irá propor ao Estado, que seja autorizada a presença constante da Polícia Militar na aldeia. 

“Nós queremos a PM nas aldeias. Essa medida ajudaria muito, pois, colocar a segurança apenas a cargo da Polícia Federal está dificultando”, disse. 

Outros pontos abordados na pauta, serão o fácil acesso dos indígenas a álcool de drogas nas aldeias de Dourados. 

SEQUÊNCIA DE ASSASSINATOS

Entre os dias 07 e 14 de junho, cinco mortes violentas foram registradas na Reserva Indígena. 

O primeiro caso ocorreu no dia 07 de junho. O casal Rosilene Rosa Pedro, 34, e Osvaldo Ferreira, 38, foi morto na aldeia Bororó. 

A mulher sofreu abuso sexual antes de ser morta. Os dois foram mortos com golpes de facão. O motivo seria o medo de que Rosilene e Osvaldo revelassem algo sobre outro crime ocorrido anteriormente na aldeia. 

Já no dia 12 de junho, um corpo foi encontrado em um poço desativado na Reserva Indígena, sendo posteriormente identificado como Júnior Abraão da Silva, 22. 

O crime foi motivado por ciúmes, conforme apurou a polícia.  Um adolescente de 16 anos foi apreendido e Maycon Oliveira de Souza, 20, acabou preso pelo crime.  A vítima mantinha relacionamento com a atual namorada de Maycon, que, com ciúme, combinou com o menor de mata-lo. 

Já nesta sexta-feira (14), Josias da Silva Machado, 48, e Pedro Avila Morales Filho,19, respectivamente tio e sobrinho, foram assassinados na Reserva Indígena, próximo a Missão Caiuás.

Conforme mostrado pelo Dourados News, a suspeita que o duplo homicídio tenha sido realizado por grupo de três ou quatro pessoas. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Países da América Latina e Caribe se unem para evitar desabastecimento
COVID-19
Brasil tem 365 mortes e passa dos 9 mil casos de coronavírus
POLÍCIA
Homens são presos com porções de maconha em Aquidauana
COVID-19
MPT já recebeu mais de 5 mil denúncias durante a pandemia
LEVANTAMENTO
Brasil tem 34,6 mil crianças e adolescentes em casas de acolhimento
IMPOSTOS
Prorrogados tributos municipais, estaduais e federais do Simples Nacional
BOLETIM
Mulher de Nova Andradina com coronavírus está internada em Dourados
DOURADOS
Vereador deixa o Cidadania no último dia de janela e desembarca no PSDB
DOURADOS
Novas medidas para flexibilização do comércio devem sair até terça
SOLIDARIEDADE
Médicos de Dourados lançam campanha para doação insumos hospitalares

Mais Lidas

DOURADOS
Exame de jovem que morreu no HU testa negativo para coronavírus
COVID-19
Dourados tem mais um caso confirmado de coronavírus
DOURADOS
Jovem morre no HU e município pede agilidade no resultado do exame de coronavírus
CORONAVÍRUS
Dourados registra mais dois casos de Covid-19 e MS tem 60 confirmações