Menu
Busca segunda, 19 de outubro de 2020
(67) 99659-5905

Juiz solta mãe acusada de obrigar filha de 16 anos a se prostituir

16 outubro 2020 - 22h35Por Da Redação

Ao assinar a liberdade provisória da mulher de 41 anos suspeita de aliciar sexualmente a filha, de 16 anos, o juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida entendeu que os fatos denunciados “são bastante controversos” e merecem serem investigados detalhadamente pela Vara da Infância, Juventude e do Idoso. Na decisão, o magistrado ressaltou parte do depoimento da mãe, que revelou uma tatuagem da adolescente em alusão ao PCC (Primeiro Comando da Capital), tamanho o comprometimento dela com o mundo do crime.

A mulher foi presa nesta quinta-feira, dia 15 de outubro, depois que a adolescente chamou a polícia e relatou ser forçada a se prostituir. Ela afirmou ainda que “atendia” os clientes escolhidos e agendados pela mãe para sustentar a família e caso se negasse, ou por outros motivos, não realizasse o programa, era agredida.

Durante depoimento, a mulher desmentiu a filha. Contou que a menina começou a usar droga há um ano e a se prostituir há seis meses. Para isso, usava o celular dela para marcar os encontros pelo WhatsApp. Sem conseguir controlar a adolescente, parou de interferir nas decisões da filha.

Na análise da prisão, o juiz detalhou que “os fatos contidos são bastante controversos, pois a genitora admite que a filha adolescente estaria se prostituindo, mas que não teria mais como controlá-la”. Para exemplificar o grau de envolvimento da filha com o crime, a mulher relevou que ela tatuou o numeral 1533, símbolo do PCC, na nádega.

Outro detalhe abordado pelo juiz, foi que a denúncia e a prisão só aconteceram após uma discussão entre mãe e filha.

Trata-se, pois, de investigação que deve ser apurada detalhadamente destes fatos. Além disso vejo que a situação exige a princípio aplicação de medida protetiva após estudo psicossocial pela Vara da Infância, da Juventude e do Idoso”.

Por conta disso, o juiz determinou a liberdade provisória com a condição de que a família compareça à Vara da Infância, da Juventude e do Idoso para avaliação da equipe psicossocial e estudo do caso. Assim, a medida protetiva adequada será definida.

Na decisão de hoje, o magistrado também definiu prazo de 30 dias para conclusão do estudo psicossocial.

Nesta tarde, a equipe de reportagem do site Campo Grande News, foi a casa da família na tentativa de falar com a investigada. Na residência simples, um dos outros oito filhos da mulher informou que ela ainda não havia sido liberada. Nervoso, avisou que não falaria com a imprensa, mas ressaltou a Inocência da mãe.

Enquanto isso, o caso é investigado como favorecimento a prostituição e lesão corporal por violência doméstica e pela Depca (Delegacia Especializada de Pronto Atendimento à Criança e ao Adolescente).

Deixe seu Comentário

Leia Também

NÚMEROS DA PANDEMIA
Brasil ultrapassa 154 mil mortes por Covid, com média móvel de 502 por dia
CAPITAL
Morto por advogado em acidente, Luciano estava na PM havia 6 anos
CONDENADO
'Cadeia imediatamente', diz Damares ao ser questionada sobre Robinho
FRONTEIRA
Homem de 45 anos morre em incêndio que destruiu casa de madeira
OPORTUNIDADE
MPE/MS abre inscrições para Concurso Público de Estagiários
RIBAS DO RIO PARDO
Homem morre 8 dias após ser 'pisoteado por égua' em fazenda
JUSTIÇA
Empresa é condenada por danos morais por não entregar ceia natalina
PARAGUAI
Jovem tenta entrar com dinamite em presídio onde estão membros do PCC
BRASIL
Governo encaminha projeto do marco legal das startups ao Congresso
PREVISÃO DO TEMPO
Meteorologia aponta alerta de chuvas intensas para Dourados e região

Mais Lidas

IDENTIFICADO
Vítima encontrada sem vida em bairro de Dourados tinha 17 anos
ACIDENTE
Criança de 3 anos se afoga em piscina de clube e socorristas tentam reanimação
DOURADOS
Homem é encontrado morto em frente residência no Parque das Nações I
CAMPO GRANDE
Mulher fica ferida após panela de pressão explodir em loja