Menu
Busca terça, 27 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
DISTRITO FEDERAL

Homem é preso por engano acusado de crime cometido pelo irmão

05 dezembro 2017 - 09h20Por G 1

Um homem de 32 anos está preso no Centro de Detenção Provisória do Distrito Federal por um crime que o irmão cometeu há dez anos, de acordo com a Defensoria Pública. O Tribunal de Justiça do Distrito Federal, analisa um pedido de habeas corpus – mecanismo judicial usado para proteger o direito de liberdade de alguém que se sinta alvo de abusos de autoridade.

Segundo a defensora responsável pelo caso, Antônia Carneiro, o caso ocorreu em 2007, quando Jackson Beserra da Silva, de 30 anos, foi preso em flagrante após um roubo em Anápolis, Goiás. Sem documentos em mãos, ele assinou um termo de compromisso na Polícia Civil com o nome do irmão, Jefferson, que tem retardo mental moderado e depressão, de acordo com a mãe.

Família denuncia: um filho foi preso no lugar do irmão

Jackson respondia ao processo em liberdade quando, quatro anos depois, saiu a sentença de 5 anos e 4 meses de prisão por roubo qualificado, só que pro irmão. Somente no mês passado, o processo transitou em julgado – ou seja, não cabe mais recurso e a pena deve ser aplicada.

O irmão, Jefferson, foi preso no dia 21 de novembro em frente a um orelhão na rua onde mora, no Recanto das Emas. No dia seguinte, a família procurou a defensoria pública. Agora, a expectativa é que ele seja transferido para um presídio em Goiás. Enquanto isso, Jackson – que cometeu o crime – acabou preso por outro roubo, de um carro.

A mãe, Tereza Maria Beserra, disse que o filho admitiu ter usado o nome do irmão para "não ficar tanto tempo na prisão". Segundo ela, na época do crime, Jefferson morava com o pai no Ceará – ele recebe pensão do INSS por conta da saúde debilitada.

Falha de segurança

Segundo a defensora pública, quem cometeu o erro mais grave foi a Polícia Civil de Goiás, que não teria conferido as digitais do Jackson, que praticou o roubo, no dia em que foi preso em flagrante.

Por conta disso, ela solicitou à polícia de Brasília que fizesse um laudo comparando as digitais de quem foi preso em Anápolis no dia do roubo com as de Jefferson. Os peritos do Instituto de Criminalística afirmaram que as impressões são de pessoas diferentes.

Em 2012, Jackson tentou se passar pelo irmão de novo, mas neste caso, a Polícia Civil do DF ficou responsável pela detenção, conferiu a digitais e percebeu a tentativa de fraude.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ELEIÇÕES 2020
Contra crimes eleitorais, PF vai utilizar drones em Dourados
CAMPO GRANDE
Celular que 'sumiu' em acidente que terminou em morte é recuperado
BRASIL
Governo reduz imposto sobre videogames
REGIÃO
Lava Jato é interditado e multado por poluição ambiental
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Projeto incentiva turismo sustentável em propriedades da agricultura familiar
TRÂNSITO
Contran publica requisitos para fiscalização da velocidade de veículos
INTERNACIONAL
Presidente da Fifa, Gianni Infantino, é diagnosticado com Covid-19
CAMPO GRANDE
Dupla suspeita de estelionato contra idosos é presa em posse de máquinas de cartão
PANDEMIA
Mato Grosso do Sul registra onze óbitos por coronavírus em 24 horas
BRASIL
Incêndio atinge Hospital Federal de Bonsucesso no Rio de Janeiro

Mais Lidas

GRANDE DOURADOS
Cobertura de barracão de cerealista ‘voa’ com o vento; veja vídeo
DOURADOS
Guarda encerra festa organizada por adolescente em plena pandemia, apreende droga e até arma artesanal
DOURADOS
Délia decreta emergência por causa de danos provocados pela tempestade
TEMPESTADE
Chuva e ventos de 46km/h derrubam árvores e levam sujeira às ruas de Dourados