segunda, 22 de julho de 2024
Dourados
30ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
GUERRA DO TRÁFICO

Funcionário de Pavão atirou na própria cabeça ao ver filho morto

27 outubro 2017 - 10h37

Willian Gimenez Bernal, 28 anos, funcionário do narcotraficante brasileiro Jarvis Gimenes Pavão, atirou na própria cabeça ao ver o filho de cinco anos morto a tiros de fuzil no atentado ocorrido na última quarta-feira, dia 25 de outubro, em Assunção, capital do Paraguai. Segundo o site Campo Grande News, a versão foi contada pelo segurança e primo dele, Willer Fidelino Lescano Gimenez, 25 anos, ferido pelos tiros disparados pelos pistoleiros.

A polícia também acredita em suicídio e diz que encontrou um boné, que estaria sendo usado por Willian, com uma perfuração de tiro. O homem também tinha queimaduras na cabeça, indicando um disparo feito a curta distância.

Morador em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia vizinha de Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul, Willian estava hospedado em uma casa no bairro Madame Lynch, na capital paraguaia. Ele visitava Jarvis Pavão frequentemente na prisão.

A polícia diz que Willian trabalhava para o narcotraficante. Já a advogada de Pavão, Laura Casuso, afirma que o motivo das visitas era a ligação de parentesco entre os dois, já que Willian era pai da filha de uma prima de Jarvis Pavão.

Suicídio

Willer contou que os três chegavam à residência em uma caminhonete Toyota Fortuner cinza. Bernal dirigia a caminhonete, Willer estava no banco do carona e o garoto, Gabriel Gimenez González, no banco de trás. Enquanto esperavam o brasileiro Heber Luiz de Figuereido Souto, que estava na casa, abrir o portão, os pistoleiros em uma Toyota Hilux bordô se aproximaram e fuzilaram a Fortuner.

Willian acelerou e entrou em outra rua. Nesse momento teria visto o filho morto no banco de trás. Desesperado, pegou sua pistola Glock calibre 9 milímetros e atirou na própria cabeça. O chefe do Departamento de Criminologia, comissário-chefe César Silguero, confirmou ontem à noite à rádio ABC Cardinal, que o boné com uma perfuração do lado esquerdo foi encontrado na caminhonete e que aparentemente ocorreu mesmo o suicídio.

Willer e Heber Souto, os dois sobreviventes do ataque, continuam detidos em Assunção. A promotora que acompanha o caso, Ariela Chaparro, recebeu apoio do promotor Hugo Volpe, que chefia a força-tarefa do Paraguai contra o narcotráfico. (Campo Grande News)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Projeto Juventude Cooperativista realiza ação na Escola Dr. Sidney Guerra, em Erechim (RS)
COOPERATIVISMO

Projeto Juventude Cooperativista realiza ação na Escola Dr. Sidney Guerra, em Erechim (RS)

Dez voos semanais ligarão Paris e Rio de Janeiro
CONECTIVIDADE

Dez voos semanais ligarão Paris e Rio de Janeiro

AGROPECUÁRIA

Proposta determina ressarcimento a produtor rural em caso de perdas decorrentes da falta de luz

Mapa descarta casos suspeitos de doença de Newcastle na zona de proteção estabelecida no RS
DEFESA AGROPECUÁRIA

Mapa descarta casos suspeitos de doença de Newcastle na zona de proteção estabelecida no RS

Aberto prazo para transferência temporária de local de votação
JUSTIÇA

Aberto prazo para transferência temporária de local de votação

BRASIL

CAE vai avaliar integração de programas de acesso à internet

BRASIL

Concurso BNDES publica edital com 900 vagas e salário de R$ 20,9 mil

OPORTUNIDADE

IFMS abre vagas na graduação para portadores de diploma, reingressos e transferências

BRASIL

Ministros defendem universalização do acesso à água e saneamento

DOURADOS

Expo-Flor começa na próxima semana na Praça Antônio João

Mais Lidas

VIOLÊNCIA

Para não divulgar fotos, padrasto obriga jovem a fazer sexo com ele

LOTERIA

Prêmio principal acumula e aposta de MS leva mais de R$ 58 mil na Mega-Sena

LOTERIA

Duas apostas de Dourados faturam mais de R$ 43 mil após Mega acumular mais uma vez

TURISMO

Descubra o Brasil pelos trilhos: roteiros ferroviários para as férias de julho