Menu
Busca quinta, 16 de julho de 2020
(67) 99659-5905
MILÍCIA ARMADA

Foragido, hacker preso em SC é transferido para MS após prisão

21 novembro 2019 - 21h50Por Da Redação

Deve chegar ainda nesta quinta-feira, dia 21 de novembro, a Mato Grosso do Sul, Eurico dos Santos Mota, de 28 anos, que estava foragido, após ter mandado de prisão emitido no âmbito da Operação Omertà. A prisão do suspeito, que atuava como hacker, ocorreu em Joinville, Santa Catarina, na tarde de quarta-feira (20).

Eurico teve a prisão temporária decretada na operação que apura suspeita de organização criminosa, de grupo de extermínio e de milícia armada. A prisão do suspeito envolveu policiais de Santa Catarina, com base informações da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul.

OPERAÇÃO

A existência de uma milícia armada passou a ser considerada em maio deste ano, quando o guarda municipal Marcelo Rios foi preso com um arsenal de armas de grosso calibre, em uma casa que seria de propriedade dos empresários Jamil Name e Jamil Name Filho.

Em setembro, o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), órgão de investigação ligado ao Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul (MPMS), e a Delegacia Especializada em Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros (Garras), deflagaram a operação Omertà e prendeu Name e Name Filho, além de outras 17 pessoas, entre funcionários da família, policiais civis e guardas municipais. Só não foram presos na ação policial o ex-guarda municipal guarda municipal José Moreira Freire e o auxiliar Juanil Miranda Lima – apontados como os executores dos assassinatos investigados pela força-tarefa e foragidos desde abril, quando as investigações começaram a avançar –, além do advogado Alexandre Fransolozo, cujo mandado de prisão temporária (suspenso pelo Tribunal de Justiça) nem chegou a ser cumprido.

Os três policiais civis da ativa foram afastados em 2 de outubro, tendo a arma recolhida, bem como a carteira funcional e demais pertences do patrimônio público destinado aos policiais, além da suspensão de senhas e login de acesso aos bancos de dados da instituição policial, suspensão de férias e de avaliação para fins de promoção. Os quatro guardas municipais também foram afastados, e dois deles tiveram os armamentos recolhidos na mesma data.

Os assassinatos de pelo menos três pessoas estão relacionados com o grupo de extermínio sob investigação: do policial militar reformado Ilson Martins Figueiredo, ocorrido em 11 de junho do ano passado; do ex-segurança Orlando da Silva Fernandes, em 26 de outubro de 2018; e do estudante de Direito Matheus Xavier, em abril deste ano.

No dia 12 de outubro, Name Filho e dois policiais civis foram transferidos para a Penitenciária Federal de Campo Grande. Name Filho ficará em Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) dentro da unidade prisional. A decisão da cela individual é válida por seis meses.

Para dar o nome à operação, os policiais utilizaram um termo do dialeto napolitano, do idioma italiano. Omertá, conforme o Gaeco, é um termo que se fundamenta em um forte sentido de família e em um silêncio que impede a cooperação com autoridades policiais ou judiciárias. Trata-se de um código de honra muito usado nas máfias do sul da Itália.

Com informações do jornal Correio do Estado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Paulo Guedes testa negativo para covid-19, informa ministério
DOURADOS
Acidente deixa motociclista ferido no Jardim Clímax
AGRONEGÓCIO
Mato Grosso do Sul começa colheita do milho com projeção de 72 sacas por hectare
TRÁFICO
Homem é preso com droga que seria entregue em Dourados
PANDEMIA
Casos confirmados de coronavírus passam de 15,3 mil e MS soma mais oito mortes
PANDEMIA
Sem mortes há três dias, Dourados confirma 120 casos de Covid-19 em 24h
CAMPO GRANDE
Motorista morre após ser atingido por carro e bater cabeça em meio-fio
JARAGUARI
Fazendeiro é multado em mais de R$ 20 mil por incêndio e exploração ilegal de madeira
DOURADOS
Em isolamento por causa da Covid, Délia diz estar bem e pede cuidados com a doença
DOURADOS
Construtora que edificou sobre calçada cita ‘ares de possível extorsão’ em pedido para domolir ou indenizar

Mais Lidas

DOURADOS
Criança baleada por atirador em noite sangrenta morre no hospital
PANDEMIA
Prefeita de Dourados, Délia Razuk testa positivo para coronavírus
INFORME PUBLICITÁRIO
Chama reinaugura supermercado em novo endereço com novidades e promoções
DINHEIRO PÚBLICO
Gaeco faz operação em Dourados e vai à casa de ex-secretária de Saúde