Menu
Busca sexta, 30 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
R$ 60 MIL

Família de homem morto afogado em 'baile funk' no ano de 2013 será indenizada

21 setembro 2020 - 15h34Por Da redação com TJMS

Uma família receberá indenização de R$ 60 mil, além de receber pensão, após a Justiça de Mato Grosso do Sul reconhecer que o filho, um homem de 31, morreu afogado em uma piscina de local de festas, em Campo Grande.

No dia dos fatos, em 2013, ocorria um baile funk. Ficou comprovado que a vítima estava sob efeito de álcool e isto foi determinante para o reconhecimento da culpa concorrente pelos desembargadores da 2ª Câmara Cível do TJMS.

Segundo consta nos autos, conforme o boletim de ocorrência e do depoimento das testemunhas, no ano de 2013, em uma festa durante a madrugada, a vítima pulou na piscina do local, após o evento ter acabado, e morreu devido a um afogamento.

O local foi alugado para a realização de uma festa que, segundo seus organizadores, não incluía acesso à piscina. Após o final do evento, cerca de cinco pessoas ingressaram na piscina, incluindo a vítima, que sabia nadar mas estava alcoolizada.

Após serem condenadas em primeiro grau, a dona do imóvel de eventos e a organizadora da festa ingressaram com Apelação Cível alegando culpa exclusiva da vítima e que não cabia a contratação de salva-vidas, pois não estava incluso o ingresso na piscina do local.

Argumentaram ainda que não devem arcar com pensão, no valor de 1/3 do salário-mínimo, uma vez que não há presunção de que o falecido filho contribuía na manutenção da casa dos pais e que, inclusive, o genitor era dono de um comércio.

Para o relator do recurso, Des. Eduardo Machado Rocha, tendo sido demonstrada a falha na prestação do serviço da parte requerida, que agiu com negligência ao realizar a festa sem o devido alvará de funcionamento, bem como sem a presença de salva-vidas ou outro meio para impedir o acesso dos convidados à piscina, impõe-se o dever de indenizar os danos sofridos pela parte autora.

Ainda segundo o magistrado, o dano moral é presumido, "in re ipsa", e sendo entendimento jurisprudencial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em se tratando de morte de filho maior e sendo família de renda baixa, a dependência econômica também é presumida.

Ficou demonstrado também a conduta negligente da vítima ao pular na piscina quando do término da festa, e após várias horas consumindo bebida alcoólica. “Desse modo, reconhecendo a causa concorrente, fica a responsabilidade da parte ré atenuada, consoante preconiza o art. 945 do Código Civil”, definiu o relator.

Com a decisão, ficou definido que o valor da indenização por dano moral é de R$ 60 mil, dividida para os três autores. Também terão direito à pensão, no valor de 1/3 do salário-mínimo, até a data que a vítima completaria 65 anos.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

NAVIRAÍ
Polícia cumpre mandados de prisão contra autores de estupro de vulnerável e feminicídio
GUIA LOPES
Sanesul avança com rede de esgoto em pelo menos sete bairros
CAMPO GRANDE
Foragido da Justiça por homicídio é preso na Capital
LEGISLATIVO DE MS
Mesa Diretora atualiza medidas temporárias de funcionamento da Assembleia
DOURADOS
Município aprova projeto de biossegurança de mais uma unidade de ensino
BRASIL
Banco Mundial aprova empréstimo de US$ 1 bi para ampliar Bolsa Família
REGIÃO
Bombeiros encontram corpo de mulher desaparecida em rio há uma semana
MATO GROSSO DO SUL
Decreto Legislativo ratifica convênios, protocolos e ajustes do Confaz
ECONOMIA
MS é o 5º maior gerador de empregos do país no acumulado de 2020
INTERNACIONAL
Total de mortos por terremoto em regiões da Turquia pode passar de seis

Mais Lidas

PANDEMIA
Menino de 5 anos é a primeira criança a morrer de coronavírus em MS
BRASIL
Acusado de matar ator Rafael Miguel e os pais é preso no Paraná
VILA VARGAS
Hotéis em distrito de Dourados eram utilizados como entreposto do contrabando
DOURADOS
Funcionário do CCZ é agredido a pauladas durante trabalho de fiscalização