Menu
Busca quarta, 28 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
ARTIGO

É a hora do trabalho, Por Sérgio Longen

13 novembro 2017 - 10h03Por Sérgio Longen

O último sábado, dia 11 de novembro, foi histórico para o Brasil. Começou a vigorar em todo território nacional a reforma trabalhista, o que agora abandona o adjetivo reforma para ser tratada como legislação em vigor. Particularmente acho que esse é o primeiro passo para a retomada da geração de empregos no País, uma verdadeira chance de reversão nas estatísticas dos mais de 13 milhões de brasileiros desempregados.
 
Ao contrário do que muitas correntes de pensamento afirmam, todas as conquistas dos trabalhadores ao longo dos últimos anos, foram absolutamente mantidas e ampliadas. A legislação agora gera infinitas possibilidades do fortalecimento do trabalho. Os acordos coletivos, por exemplo, poderão determinar até 12 horas diárias, desde que não ultrapassem as 48 horas semanais.
 
Ora, alguns vão dizer que isso é exagero e aqui, lanço uma pergunta: Se na maioria das empresas, existe um acúmulo infindável de horas extras (que também é motivo de discussão), por que não legalizar a jornada maior de trabalho desde que o trabalhador queira isso? É bom para a empresa e ótimo para o trabalhador, já que poderá realizar ele mesmo a sua agenda laboral, ao passo que outra possibilidade surge com esse ponto, que é a jornada de até 30 horas semanais sem horas extras. Esse é um exemplo claro de como a nova legislação é flexível e gera múltiplas possibilidades para empresários e trabalhadores.
 
Como líder da Federação das Indústrias do nosso Estado, não posso deixar de comentar sobre o fim da contribuição obrigatória para os sindicatos. Acredito que agora será o momento de separar o joio do trigo, tanto para o laboral, quanto para o patronal. Fatalmente, as organizações sindicais que não oferecem soluções e produtos para seus associados, que mostre de fato, a importância do sindicato, estão fadadas ao fechamento. Pelas estimativas do Ministério do Trabalho e Emprego, pelo menos 3 mil sindicatos devem fechar as portas já no próximo ano, quando não receberão mais essa extinta contribuição. Será uma seleção natural.
 
É preciso destacar agora também, a importância que a magistratura terá nesse processo. O sucesso da legislação em vigor dependerá de um alinhamento da Justiça sobre os pontos de vista gerados pela nova lei. A tendência é que a demanda da Justiça do Trabalho deva diminuir, uma vez que os aspectos discutidos nas atuais ações, poderá ser resolvido nos acordos coletivos e nos contratos individuais entre trabalhador e empregador.
 
Desse modo, definitivamente o País entra em uma rota de recuperação dos números e dos índices positivos com esses ajustes. Sem dúvida, novos postos de trabalho serão gerados, o trabalhador terá flexibilidade e possibilidade na hora de oferecer sua força de trabalho e principalmente, como reflexo de tudo isso, o cidadão terá de volta o seu poder de compra, que é o grande motor que impulsiona a roda da economia. Agora, é a vez do trabalho
 

(*) Sérgio Longen é empresário, presidente da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul (FIEMS) e conselheiro da Confederação Nacional da Indústria (CNI)

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Tribunal cita risco de fuga ao Paraguai para manter preso servidor condenado após enganar cigarreiros
POLÍCIA
Mulheres são detidas após furtarem supermercado em Dourados
TRÁFICO DE DROGAS
Adolescente é apreendida transportando drogas do MS para o RJ
MATO GROSSO DO SUL
Deputados aprovam indenização a servidores por serviço nas férias
BRASIL
Acusado de matar ator Rafael Miguel e os pais é preso no Paraná
BR-262
Pedestre morre ao ser atropelado por caminhão na Capital
FUTEBOL
Quatro partidas movimentam as oitavas de final da Copa do Brasil nesta noite
PANDEMIA
Menino de 5 anos é a primeira criança a morrer de coronavírus em MS
DOURADOS
Licitação barrada pelo TCE justificava falta de pessoal e equipamentos para limpeza pública
TRÁFICO
Polícia encontra maconha escondida em fundo falso e pneus de trator

Mais Lidas

DOURADOS
Enquanto filma chuva, interno mostra ‘plantação’ de maconha em cela da PED
GRANDE DOURADOS
Cobertura de barracão de cerealista ‘voa’ com o vento; veja vídeo
BR-463
Homem para carro em bloqueio, desce atirando e morre em confronto com a polícia
DOURADOS
Délia decreta emergência por causa de danos provocados pela tempestade