Menu
Busca quinta, 02 de julho de 2020
(67) 99659-5905
DOURADOS

Detidos por vandalismo, menores dizem ser de facção, são ouvidos e liberados

03 fevereiro 2020 - 09h19Por André Bento e Osvaldo Duarte

Um grupo composto por seis adolescentes - dois com idade de 17 anos e quatro de 15 anos – foi apreendido pela Polícia Militar por vandalismo em Dourados às 17h40 de domingo (02). Levados para delegacia, se intitularam da “Gangue do Palhaço” e alegaram pertencer a uma facção criminosa, mas acabaram liberados.

O Dourados News apurou que os militares flagraram os adolescentes destruindo janelas na Escola Municipal Indígena Agustinho. Além disso, o grupo danificou a bomba d’água responsável pelo fornecimento a parte da Aldeia Bororó.

Levados para a Delegacia de Polícia Civil, os menores apreendidos se intitularam a “Gangue do Palhaço” e “Gangue do PCC 1533”. Todos foram ouvidos e liberados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Prestes a retomar voos, Aeroporto de Dourados passará por descontaminação
RIO BRILHANTE
Mais de 20 presas testam positivo para o coronavírus em presídio
BONITO
Polícia fecha boca de fumo e prende traficante
50 ANOS
Corpo de Bombeiros atinge marca histórica com desafios e luta contra a Covid-19 em MS
BRASIL
Ministério reúne voluntários para estudo clínico contra covid-19
OPORTUNIDADE
Inscrições para cursos de idiomas do IFMS vão até 10 de julho
DESACATO
Amambaiense é detido após insinuar que mulher não pode ser delegada de polícia
DOURADOS
Frente Parlamentar quer explicações sobre pagamentos com recursos do Covid-19
ECONOMIA
Contas públicas devem fechar este ano com déficit de R$ 828,6 bi
DOURADOS
Moradores de rua ganham cobertores após se recusarem a ir para abrigo

Mais Lidas

REGIÃO
'Ciclone bomba' traz ventos fortes e alertas de granizo, chuvas e queda de temperatura a Dourados
PANDEMIA
MS soma mais cinco mortes de coronavírus; morador de rua douradense é uma das vítimas
POLÍCIA
Dupla é presa por tráfico de drogas no Dioclécio Artuzi
PANDEMIA
Dourados tem quatro mortes por Covid em 24 horas, uma das vítimas médico