Menu
Busca quinta, 03 de dezembro de 2020
(67) 99659-5905
LAVA JATO

Carlos Arthur Nuzman é preso suspeito de fraude na escolha da Rio 2016

05 outubro 2017 - 06h37

Agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal prenderam Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e do Comitê Rio 2016, na manhã desta quinta-feira, dia 05 de outubro, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Os agentes também tentam cumprir mandado de prisão contra Leonardo Gryner, diretor-geral de operações do comitê Rio 2016.

Nuzman é suspeito de intermediar a compra de votos de integrantes do Comitê Olímpíco Internacional (COI) para a eleição do Rio como sede da Olimpíada de 2016.

A ação é um desdobramento da Unfair Play, uma menção a jogo sujo e que é mais uma etapa da Lava Jato no Rio de Janeiro.

Em março, o jornal francês “Le Monde” havia denunciado que, três dias antes da escolha da cidade, houve pagamento de propina a dirigentes do Comitê Olímpico Internacional.

No mês passado, o Ministério Público Federal (MPF) pediu o bloqueio de até R$ 1 bilhão do patrimônio de Carlos Arthur Nuzman, do empresário Arthur Cesar Soares de Menezes Filho, o "Rei Arthur", e de Eliane Pereira Cavalcante, ex-sócia do empresário. O objetivo, segundo procuradores, era reparar os danos causados pelo trio devido às proporções mundiais da acusação.

Organização criminosa internacional

De acordo com o Ministério Público, as fronteiras internacionais não limitaram a atuação da organização criminosa do ex-governador Sérgio Cabral. Para os procuradores, “trata-se de um esquema altamente sofisticado, que agia internacionalmente com desenvoltura e uma engenhosa e complexa relação corrupta”. Prova disso é que, para alcançar o atual estágio da investigação, o MPF teve que realizar pedidos de cooperação jurídica internacional com nada menos que quatro países diferentes: Antígua e Barbuda, França, Estados Unidos e Reino Unido.

Durante as investigações, o Ministério Público Francês colheu substancioso material para demonstrar que houve compra de votos para escolha da sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Um dos votos foi comprado de Lamine Diack, então presidente da Federação Internacional de Atletismo e então membro do Comitê Olímpico Internacional, por meio de seu filho, Papa Massata Diack.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Acidente entre carretas, caminhão e carro deixa duas pessoas feridas
Acidente entre carretas, caminhão e carro deixa duas pessoas feridas
SUSPEITA
Detran/MS suspende atividades Ladário e Mundo Novo por Covid-19
Polícia apreende caminhonete com registro de furto e com droga na MS-156
ABANDONADA
Polícia apreende caminhonete com registro de furto e com droga na MS-156
ECONOMIA
Pessoas que receberam auxílio emergencial irregular serão cobradas por SMS
TRÊS LAGOAS
Mãe vê menina com vizinho ao chegar do trabalho e descobre estupro
SAÚDE PÚBLICA
Taxa de ocupação de leitos de UTI em Dourados fica em 76%
JUSTIÇA
Tempo excessivo de espera em fila de banco gera danos morais
VIGILÂNCIA EM SAÚDE
MS registra poucas notificações de Zica e reduz casos 'prováveis' de Chikungunya 
FUTEBOL
Serc goleia Costa Rica e garante vaga nas quartas de final do Estadual
DESCAMINHO
Homem é flagrado com 100 celulares Xiaomi que entregaria em Goiás

Mais Lidas

PANDEMIA
Casos de coronavírus levam fechamento de três agências bancárias em Dourados
POLÍCIA
Homem é encontrado morto em ponte próximo à Vila Cachoeirinha 
MAUS TRATOS
Mãe é denunciada após apagar cigarro na mão da filha em Dourados
CAARAPÓ
Jovem que matou companheira com mata-leão é autuado em flagrante por homicídio doloso