Menu
Busca quinta, 09 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Bebê morre, mãe é presa e padrastro diz que agressões eram habituais

18 janeiro 2013 - 12h03

O padrasto de Kemely Romeiro Rocha, de 1 ano e dois meses, que morreu na madrugada desta sexta-feira, dia 18 de janeiro, em Campo Grande, vítima de maus tratos, disse que a bebê era frequentemente agredida pela mãe, Marlene Romeiro Rocha, 37 anos.

Conforme o padrasto, de 54 anos, que prestou depoimento na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro como testemunha, Marlene era muito agressiva e não tinha paciência com a filha. Segundo ele, ela batia na criança com finalidade de disciplinar, mas que chegou em várias ocasiões a ameaçá-la dizendo que se não parasse de bater na bebê iria denúncia-lá à Polícia. Não há registro de denúncia anterior.

O padrasto contou que a mulher tinha o costume de deixar o bebê com ele e com a outra filha dela de 17 anos.

Marlene é usuária de drogas e já tem várias passagens na Polícia. Entre os crimes cometidos por ela constam tráfico, roubo e receptação. O pai biológico de Kemely está preso pelo crime de roubo.

Ontem, o padrasto disse que a mulher saiu de casa, que fica no bairro Nova Lima, por volta das 15 horas, e deixou a menina nua sozinha em cima da cama. Ele afirmou que estava no quintal, quando no final da tarde, ouviu um grito e um choro. Entrou na residência e encontrou a criança caída no chão. Ao ver a cena, disse que ficou desesperado e não reparou se o bebê tinha outros ferimentos. Ele diz que colocou Kemely sentada no tapete e saiu do local para procurar ajuda.

Segundo o padrasto, nesse momento a mãe retornava para casa, ele então contou para ela o que havia acontecido e saiu em busca de ajuda.

De acordo com ele, Marlene não esperou seu retorno e levou a criança de bicicleta até o posto de saúde do bairro Nova Bahia. No meio do caminho, a criança foi socorrida pelos tios e levada de carro.

Conforme a Polícia, a equipe médica do posto constatou a gravidade dos ferimentos e já realizou os primeiros socorros à vítima. Durante atendimento, Kemely sofreu uma parada cardiorrespiratória, mas foi reanimada. Ela teve que ser encaminhada por uma equipe do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) até a Santa Casa, onde não resistiu às lesões e morreu na madrugada desta sexta-feira.

A direção do posto acionou a Polícia Militar. A mãe e o padrasto foram detidos e encaminhados para a Depac. Os dois foram ouvidos pelo delegado de plantão, Camilo Kettenhober.

Marlene, segundo o delegado, negou com veemência qualquer agressão a filha e ainda tentou culpar o marido pela morte da criança. Ela afirmou que não estava em casa e que tinha saído para comprar leite.

O elegado Kettenhober informa que a mulher entrou em contradição durante o depoimento. “Antes de saber da morte da filha ela apresentou uma versão e após receber a notícia de que a bebê não havia sobrevivido relatou outra situação para os fatos. Já o padrasto manteve a mesma versão nos dois momentos em que foi interrogado”, relata.

O delegado ouviu também a equipe médica da Santa Casa que fez o atendimento à criança. Ele foi informado de que as lesões na vítima não foram provocadas pela queda da cama, mas sim por agressão física.

A mesma constatação foi feita pelos médicos do posto Nova Bahia. Eles foram enfáticos ao afirmar que os ferimentos na menina são incompatíveis com a queda da cama e são frutos de agressão física.

Kemely apresentava várias lesões na cabeça. Ela teve afundamento de crânio.

A perícia esteve na casa onde aconteceu o casal morava com a criança e apreendeu um pano com manchas de sangue. Segundo o delegado, o local é bagunçado e em péssimas condições de higiene.

Após o depoimento, o padrasto foi liberado. Já Marlene está presa e foi indiciada por maus tratos seguido de morte. A pena para este crime é de quatro a 12 anos de prisão. Segundo o delegado, o indiciamento foi este porque, o uso da violência com intenção de disciplina caracteriza maus tratos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Condenado por homicídio é preso em posse de duas armas de fogo
POLO EM SAÚDE
Das 33 cidades da região de Dourados, 29 ainda não registraram casos de coronavírus
CORONAVÍRUS
Brasil registra 941 mortes desde início de pandemia
COVID-19
MS tem variação percentual de 46% entre a cidade que mais cumpre e menos cumpre o isolamento social
REGIÃO
Motorista que seguia para Dourados com carro furtado é interceptado pelo DOF
SANEAMENTO BÁSICO
Esquema envolvendo funcionários de estatal desviava materiais de construção
SAÚDE
Municípios do interior começam a receber respiradores hospitalares nesta semana
FLAGRANTE
Contrabando de cigarros é apreendido escondido em meio a fenos
REGIÃO
Após investigações, polícia prende dupla que realizava furtos em Maracaju
ARTIGO
Dourados não pode errar!

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher tenta desviar de buraco, é atropelada por carreta e morre
DOURADOS
Assassinos de homem no Parque das Nações roubaram celular de testemunha
DOURADOS
Na volta ao atendimento, populares formam filas longas em frente a agências bancárias
DOURADOS
Mulher morta em acidente cursava pedagogia e terá corpo levado a Naviraí