Menu
Busca terça, 07 de julho de 2020
(67) 99659-5905
CAMPO GRANDE

Assalto a agência em MS poderia ser um dos maiores do país, diz polícia

23 dezembro 2019 - 16h00Por Da Redação

A Polícia Civil apresentou nesta segunda-feira (23), parte de uma organização criminosa que, na madrugada deste domingo (22), tentou assaltar a Central do Banco do Brasil, localizada no Bairro Monte Castelo, em Campo Grande.

A ação desencadeada pela Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros (Garras) impossibilitou que a quadrilha conseguisse ter acesso aos cofres da agência bancária. Estimativas apontam que cerca de R$ 300 milhões pudessem ser levados em caso de sucesso dos criminosos e poderia ser um dos maiores do país.

Fruto de pelo menos seis meses de investigações, a ação resultou na prisão de sete pessoas. Outros dois criminosos foram mortos durante troca de tiros no momento da abordagem.

De acordo com o delegado João Paulo Sartori, a quadrilha pode ter gasto em torno de R$ 1 milhão para estruturar a ação. O valor estimado se refere a pagamento das pessoas que cavaram o túnel, aluguel de imóveis pela cidade, contas de água e luz que teriam sido criadas por meio de documentos falsos, alimentação, entre outros. Estima-se que cerca de 25 pessoas estejam envolvidas.

O imóvel, situado na rua Minas Gerais – próximo à agência bancária no bairro Coronel Antonino, é um galpão cercado por empresas, o que ajudou a não chamar a atenção das pessoas que trabalham ou moram na região.

"Eles alugaram o local com uso de documento falso e, a princípio, o proprietário não tinha conhecimento da ação criminosa. Depois, eles fizeram uma porta para tampar a vista da edícula e, em seguida, começaram a cavar túnel”, explicou o delegado.

Os criminosos fizeram uso de ferramentas manuais, de forma a produzir o mínimo de barulho possível. Até um macaco hidráulico foi utilizado para que o piso da sala onde o dinheiro estaria guardado fosse rompido sem que chamasse a atenção.

O túnel, de cerca de 6 metros de profundida e 70 metros de comprimento gerou aproximadamente 100 metros cúbicos de terra, que foi acondicionada em sacos colocados no galpão do imóvel.

Durante a coletiva de imprensa foram apresentados os criminosos presos, materiais utilizados na ação e veículos apreendidos.

Morreram na troca de tiros: José Willian Nunes Pereira da Silva (48) morreu no confronto; Renato Nascimento (42), um dos mentores do crime e responsável pela cooptação dos comparsas.

Conforme o delegado Sartori, a ação policial faz parte da operação Hórus, desencadeada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, e que visa fortalecer o combate aos crimes na região da fronteira do país.

Ele explicou ainda que as investigações para identificar e prender os demais integrantes da quadrilha continuarão sendo realizadas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Com eleição adiada, TSE é consultado sobre prazo de Ficha Limpa
RIO AQUIDAUANA
Ambiental multa homem em mais de R$ 5 mil por degradar mata ciliares
ASSEMBLEIA DE MS
Aprovado direito de incluir nome do cônjuge em faturas
CAMPO GRANDE
Hemosul realiza testagens laboratoriais de resultados do Covid-19, porém sem coletas no local
PANDEMIA
Bodoquena, Bela Vista e Terenos solicitam reconhecimento de calamidade pública
BRASIL
Mais de 200 mil candidatos se inscreveram no primeiro dia de abertura do Sisu
BRASIL
Senado aprova convite a Mourão para debater Conselho da Amazônia
CAMPO GRANDE
Na Capital, anta é resgatada após cair em piscina de chácara
DOURADOS
Dono encontra carro que havia locado “depenado” em barracão
ECONOMIA
Dólar fecha em alta com cautela externa por coronavírus

Mais Lidas

DOURADOS
Antes do crime, homem que matou secretário havia sido demitido por não usar máscara
DOURADOS
Acusado de matar secretário em Dourados acaba preso em barreira sanitária
DOURADOS
Carro que atingiu ciclista pega fogo após bater em árvore ao lado de Avenida
DOURADOS
Adolescente pilota moto embriagado e tio morre após queda na Coronel Ponciano