Menu
Busca sábado, 05 de dezembro de 2020
(67) 99659-5905
POLÍCIA AMBIENTAL

Arrecadação em multas por tráfico de animais em MS aumentou 447% em 2019

06 janeiro 2020 - 12h05Por Vinicios Araújo

Em 2019 a Polícia Militar Ambiental arrecadou R$ 799.000,00 em multas por tráfico de animais em Mato Grosso do Sul. O valor é 447% maior do que o arrecadado em 2018 [R$ 145.000,00]. 

O tráfico de animais silvestres, conforme a corporação, se concentra a maioria em aves, especialmente papagaios. 

No ano passado foram autuadas sete pessoas e apreendidas 345 aves, número 141,25% maior do que em 2018. Dessas aves apreendidas, 180 eram papagaios, 5 periquitos e 160 canários peruanos, estes apreendidos com uma corumbaense de 33 anos.  

No ano de 2018 foram autuados 8 traficantes e apreendidos ao todo, 143 animais, sendo: 141 papagaios, um sabiá e um coleirinho. 

Naquele período a quantidade foi 72% inferior a 2017, quando foram apreendidos ao todo 521 animais, sendo majoritariamente aves. Desses animais, 341 eram papagaios, 252 canários-da-terra, o que para a PMA não é muito comum, 2 periquitos, 4 maritacas, um azulão e 5 cardeais.

Em 2017 o total de multas aplicadas pela PMA chegou a R$ 290.000,00.

COMBATE 

Em Mato Grosso do Sul a PMA realiza operações preventivas, no sentido de evitar a retirada dos papagaios dos ninhos, ou prender os traficantes que tenham retirado poucas aves. Em 2018 e 2019 foram realizada operações conjuntas com o Ibama.

Trabalhos de informação e de Educação Ambiental que são realizados em áreas rurais são fundamentais, porque a principal estratégia dos traficantes é de aliciamento dos sitiantes e funcionários de propriedades rurais e assentados, para que retirem os animais e os avise para que os comprem. Muitas pessoas fazem isto, às vezes, sem saber que estão cometendo crime ambiental.

A região com maior índice de tráfico de animais é constituída pelos municípios de Jateí, Batayporã, Bataguassu, Ivinhema, Novo Horizonte do Sul, Anaurilândia, Santa Rita do Pardo, Nova Andradina e Brasilândia, além de Naviraí e Mundo Novo. Nessa área, ninhos também são monitorados pelos policiais, para evitar a retirada dos filhotes, visto que essa é a preocupação maior devido o interesse desses criminosos nos animais ainda pequenos. 


Eles optam por filhotes pois assim o aprendizado do animal em repetir a fala humana é altamente mais assertivo.

A base do trabalho é evitar a retirada dos animais, evitando custos à fauna e ao Estado, tendo em vista que a reintrodução dos filhotes na natureza exige alto investimento financeiro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tio e adolescente são encontrados, mas criança continua desaparecida
CAMPO GRANDE
Tio e adolescente são encontrados, mas criança continua desaparecida
COVID-19
STF julgará ações sobre plano de vacinação do governo no próximo dia 17
REGIÃO
UFGD prorroga as inscrições do Vestibular da Educação a Distância
FUTEBOL
Fifa anuncia que Mundial de Clubes de 2021 será no Japão
CAPITAL
Mulher tem arma empurrada contra o pescoço durante assalto
JUSTIÇA
Autor de agressões que vitimaram jovem deve indenizar família da vítima
GOLPE
Homem perde cerca de R$ 19 mil ao tentar comprar carro pela internet
PRESIDÊNCIA
Mourão diz que parte dos assessores de Bolsonaro distorce fatos
BR-381
Ônibus irregular cai de viaduto e deixa 14 mortos em Minas Gerais
FUTEBOL
TJD/MS atende pedido do Comercial e suspende semifinal do Estadual

Mais Lidas

DOURADOS
Novo decreto não autoriza horário estendido do comércio em dezembro
TRÊS LAGOAS
Mãe vê menina com vizinho ao chegar do trabalho e descobre estupro
ECONOMIA
Pessoas que receberam auxílio emergencial irregular serão cobradas por SMS
PANDEMIA
Com novo óbito, Dourados confirma sexta morte por Covid em quatro dias