Menu
Busca terça, 31 de março de 2020
(67) 9860-3221

Após roubo de dados, Comissão apela por mais segurança online

29 novembro 2012 - 17h45

O roubo de dados sigilosos de autoridades, desvendado pela operação “Durkhein” da Polícia Federal, demonstra a necessidade de políticas públicas de segurança virtual em Mato Grosso do Sul, e em todo país. Essa é a posição de Leopoldo Fernandes da Silva Lopes, presidente da Comissão de Direito Eletrônico (CODE) da OAB/MS.

De acordo com a Polícia Federal, que deflagrou a operação no início desta semana, uma autoridade foi vítima em MS, o desembargador Júlio Roberto Siqueira Cardoso, do TJ/MS (Tribunal de Justiça do Estado).

“O sistema de segurança dos bancos de dados ainda precisa ser melhorado, não temos políticas públicas neste sentido”, comentou Lopes. “Vale um apelo para que haja uma preocupação maior com a segurança online, tanto para os usuários, quanto para os órgãos públicos e privados”, frisou o presidente da CODE.

Um passo importante, segundo Lopes, é a vigência da lei que acrescenta no Código Penal a tipificação de crimes cibernéticas, já batizada de "Lei Carolina Dieckmann" – em referência ao roubo de fotos íntimas da atriz. “Acredito que a lei ajude a incentivar os governos a investirem em políticas públicas que tratem deste tipo de segurança (na internet)”, comentou o advogado.

A “Operação Durkhein”, que mobilizou delegados e 400 agentes federais, resultou até agora na prisão de 27 pessoas (de um total de 33 prisões temporárias) e no cumprimento de 87 mandados de buscas. Segundo informações da PF, agentes encontraram contas do desembargador Cardoso em poder da quadrilha e descobriu-se, também, que o sigilo telefônico dele foi quebrado. O desembargador foi uma das 180 vítimas da quadrilha identificadas até agora, mas calcula-se que pode chegar a 10 mil o número de pessoas afetadas.

Segundo o Leopoldo Lopes, os autores dos crimes podem ser enquadrados na “Lei Carolina Dieckmann”, assim como no Código Penal. “Se usaram as informações obtidas para obter vantagens pessoais, pode ser enquadrado em estelionato”, exemplificou o presidente da CODE.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÊS LAGOAS
Homem é preso ao tentar furtar 1,4 quilo de picanha de mercado
SAÚDE
Mariano, da dupla com Munhoz, é diagnosticado com o novo coronavírus
CORONAVÍRUS
OAB nacional adia publicação dos próximos editais de exame de ordem
POLÍTICA
Governo vai cruzar dados para o pagamento do auxílio de R$ 600
UEMS
Universidade da Melhor Idade suspende aulas por tempo indeterminado
LIVE
Governo de MS amplia benefício a carentes e orienta sobre cuidados em casa
VIOLAÇÃO DE REGRAS
Facebook e Instagram apagam vídeo que mostra passeio de Bolsonaro
CARACOL
Homem tenta matar esposa e esfaqueia homem que a protegia
PROTESTO
Cidades brasileiras registram panelaço contra Bolsonaro pelo 14º dia seguido
REGIÃO
Judiciário de MS destina mais de R$ 570 mil no combate à COVID-19

Mais Lidas

FRONTEIRA
Acidente na MS-164 em Ponta Porã leva pai e filho a óbito
DOURADOS
Homem entra em veículo e anuncia assalto com arma de brinquedo; vídeo
DOURADOS
Homem leva surra de populares e é detido por furtar dois veículos em Dourados
NOTA PREMIADA
Lista de ganhadores já está disponível para consulta