Menu
Busca sábado, 08 de maio de 2021
(67) 99257-3397
ÁGUA CLARA

Advogada é resgatada em situação análoga à escravidão em chácara de MS

04 maio 2021 - 18h05Por G 1

Uma advogada, de 56 anos, foi resgatada em uma chácara, em Água Clara, cidade localizada na região Leste do Estado, nesta terça-feira, dia 04 de maio, após uma denúncia anônima de que ela estaria vivendo em situação análoga à escravidão. A polícia foi ao local e a mulher confirmou que além de não ser paga pelos serviços, teria sofrido agressões e chegou ao Mato Grosso do Sul depois de uma proposta de emprego, em um possível escritório de advocacia.

De acordo com o delegado Felipe Madeira, a advogada, que é de São Paulo, a advogada estaria morando no estado da Bahia, quando recebeu a proposta para trabalhar no suposto escritório em Mato Grosso do Sul. "Porém, o escritório nunca saiu do papel e a mulher foi mantida trabalhando em situação análoga a de escravidão por seis meses, em uma chácara", disse o delegado.

Durante o depoimento da vítima, Madeira detalha que a mulher disse que o proprietário da chácara, em "um surto violento, teria batido nela com um porrete". Em uma das falas, durante a conversa, a advogada falou à polícia: "eu vi o demônio na minha frente".

A mulher mostrou à polícia fotos do dia em que foi agredida, onde é possível ver hematomas no braço da vítima. Ainda conforme o depoimento, detalhado pelo delegado, a mulher contou que o proprietário da chácara "era extremamente agressivo, sendo que passava o dia inteiro proferindo xingamentos, e em um episódio recente teve um surto de raiva, utilizando um porrete para quebrar o vidro de uma caminhonete e golpeando a vítima no antebraço com a arma branca".

De acordo com Madeira, a vítima relatou que tinha medo de sair do local "frente à agressividade do suspeito, que poderia persegui-la na cidade por ter muitos contatos".

O delegado informou que o suspeito não foi preso em flagrante. "Um inquérito foi aberto, mesmo que seja evidente a situação, temos que investigar. A vítima foi afastada e está em segurança".

A polícia disse que suspeito será investigado pelo crime de redução à condição análoga à escravo, com pena de 2 a 8 anos, e ainda pelo de lesão corporal grave, com pena de 1 a 5 anos.

Promessa de emprego

Madeira disse que a vítima tinha contatos com o suspeito e que ele teria feito uma proposta de emprego para um possível escritório de advocacia.

"A vítima recebeu a proposta em um momento que estava em uma situação financeira difícil. Ela chegou em Mato Grosso do Sul e não encontrou o escritório", relatou Madeira.
O delegado contou que por não encontrar o trabalho, o proprietário da chácara chamou a mulher para trabalhar no local, porém, durante os seis meses, nunca recebeu nenhuma quantia referente ao serviço prestado.

"Ela fazia todos os trabalhos manuais, relativos à casa e o homem nunca pagou nada para ela. Tudo que ele prometeu não se concretizou", detalhou o delegado.
Também em 2021

"Era obrigada a limpar duas casas no mesmo terreno e a comer somente as sobras de comida, depois que todo mundo já tivesse terminado."

Este é um dos trechos do depoimento de Cíntia Domingos, que viveu, segundo a polícia, 9 meses em condição análoga à escravidão em uma casa no bairro Guanandi, em Campo Grande. Natural de Mateus Leme, em Minas Gerais, a mulher de 34 anos foi resgatada no dia 22 de março após fugir do local em que vivia com uma senhora de cerca de 80 anos, o neto dela e a esposa dele.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Técnico Enderson Moreira é internado em MG após princípio de infarto
GERAL
Técnico Enderson Moreira é internado em MG após princípio de infarto
PANDEMIA
Como fazer suas compras de mantimentos de forma segura
PANDEMIA
Covid-19: o que fazer com as compras quando chegar em casa
CPI
CPI mira vacinas em audiências com Anvisa e Pfizer
Comissão debate representatividade política das pessoas com deficiência
DIREITOS HUMANOS
Comissão debate representatividade política das pessoas com deficiência
POLÍTICA
Pauta do Plenário tem três MPs, Loteria da Saúde e proibição de reajuste de medicamentos
SAÚDE
Pesquisa mostra aprofundamento de desigualdades na infância
GERAL
Explosão de gás destrói restaurante em Belém
ASTRAZENECA
Ministério da Saúde anuncia distribuição de doses para próxima segunda
POLÍTICA
Secretaria da Mulher debate situação das domésticas na pandemia

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher presa com armas, drogas e veículos mantinha relacionamento com interno da PED
JÓQUEI CLUBE
Jovem é presa em Dourados com armamento de uso restrito, drogas e veículo clonado
DOURADOS
Carga de tijolos cai de caminhão em rotatória na Coronel Ponciano; veja vídeo
BR-163
Colisão entre viatura e carreta termina com policial ferido