Menu
Busca sábado, 17 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Waldomiro Diniz pedia R$ 3 milhões em propina, diz empresário

13 julho 2005 - 17h17

O empresário de jogos Carlos Augusto Ramos, conhecido como Carlinhos Cachoeira, disse hoje que tem sido ele mesmo o "único prejudicado" ao denunciar o ex-assessor da Casa Civil Waldomiro Diniz, "o único prejudicado nessa história toda tenho sido eu mesmo". De acordo com Cachoeira, quando gravou Waldomiro Diniz, ele o estava pressionando "atrás de propina". "Tudo para me pressionar para pagar a ele cerca de R$ 3 milhões". A afirmação foi feita durante depoimento de Cachoeira à CPI dos Bingos, quando respondia às perguntas do relator da CPI, senador Garibaldi Alves (PMDB/RN). Cachoeira é o primeiro envolvido a prestar depoimento à CPI e disse ter perdido vários contratos depois do episódio. A CPI dos Bingos foi criada para investigar a utilização das casas de bingo na lavagem de dinheiro e o envolvimento desse tipo de jogo com o crime organizado. A comissão foi proposta no ano passado. À época, a imprensa divulgou fita de vídeo de 2002 em que o ex-assessor da Casa Civil Waldomiro Diniz aparece negociando propina com Carlinhos Cachoeira. Os líderes da base governista não indicaram os integrantes da comissão e o então presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), decidiu não fazer as nomeações. A CPI só foi instalada no final de junho, após determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo Carlinhos Cachoeira, diante dos constantes achaques de Waldomrio Diniz, teria ficado com medo de suas ameaças, principalmente por ele ser então presidente da Loteria do Estado do Rio de Janeiro (Loterj) e um homem poderoso, "uma vez que saiu de um governo e se instalou no outro que fazia oposição ao anterior". Em sua defesa, Cachoeira chegou a dizer que não é "bicheiro", como foi noticiado pela imprensa, e sim, "um empresário que trabalha dentro da lei, com caixa um".Em outro ponto do seu depoimento, Carlinhos Cachoeira disse que, quando soube que o contrato da empresa de origem norte-americana Gtech com a Caixa Econômica Federal para gerenciar as loterias da instituição estava sendo renovado por um período mais longo do que se indicava que ocorreria, ele, juntamente com o jornalista Mino Pedrosa, foi até o sub-procurador da República, José Roberto Santoro, para denunciar que "poderia haver interferência do sr. Waldomiro Diniz naquela renovação de contrato". Cachoeira também teria dito ao procurador que tinha em sua posse uma fita contendo denúncias contra Diniz. "A partir desse momento, ele não tomou oficialmente meu depoimento", disse ele.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

Foragido, sul-mato-grossense é preso com R$ 5 milhões em drogas
PARANÁ
Foragido, sul-mato-grossense é preso com R$ 5 milhões em drogas
SÃO PAULO
Parlamentares invadem Hospital em meio à pandemia de Covid-19
Homem executado com 60 tiros já foi acusado de homicídio e tentativa
CAPITAL
Homem executado com 60 tiros já foi acusado de homicídio e tentativa
IMUNIZANTE
Azambuja assina carta dos governadores à ONU por mais vacinas
FRONTEIRA
Polícia 'estoura' lava jato que estocava cocaína para facções criminosas
GERAL
Emissão de Certidões Negativas segue disponível no Portal do TJMS
CAPITAL
Passageira de moto morre após veículo colidir com carro em viaduto
FÓRMULA 1
Lewis Hamilton conquista a pole para o GP de Imola; 99ª da carreira
REGIÃO
Ladrão de bancos do Paraguai é preso quando fugia para o Brasil
BENEFÍCIO
UEMS oferta 78 bolsas no valor de R$ 400 para Projetos de Ensino

Mais Lidas

DOURADOS
Motociclista é preso após passar 'fumando um baseado' ao lado de viatura
CRIME AMBIENTAL
Goiano preso com minhocas terá que pagar multa de quase meio milhão de reais
AMEAÇA DE EXTINÇÃO
Após passar por MS, homem é preso com mudas raras que seriam vendidas na Bolívia
DOURADOS
Funsaud oficializa saída de diretor médico da UPA após denúncia de escala sem plantonista