domingo, 07 de agosto de 2022
Dourados
29°max
18°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Varas para conflitos agrários vão tornar Justiça mais ágil

09 setembro 2004 - 18h12

O presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, afirmou hoje que a criação de varas especializadas em questões agrárias podem tornar mais rápida as ações da Justiça. “A idéia é que tenhamos na Justiça Federal varas específicas para as questões agrárias assim que a questão aflorar. Ou seja, o juiz passa a ser competente desde o primeiro momento para que não haja morosidade (lentidão)”. As declarações foram dadas esta manhã durante entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional. A proposta do ministro Edson Vidigal pretende federalizar a resolução de conflitos agrários, atualmente julgados em âmbito estadual. Para isso, seria necessário modificar a Constituição Federal. Atualmente, a Justiça Federal é acionada somente quando os conflitos agrários envolvem entidades de Direito Público Federal, como o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Para Vidigal, não há intenção de tirar a competência da Justiça nos estados. “O que se quer não é transferir da Justiça Estadual para a Justiça Federal. É que nós teríamos questões emergentes que poderiam ser resolvidas de pronto pela Justiça Federal”. Segundo o ministro, seriam criadas unidades itinerantes e os juiz seria deslocado para atuar na área de conflito. “Na hora em que o conflito acabar, resolver o problema, não tem mais sentido manter uma vara funcionando naquele local. O juiz volta para a sede e depois é remanejado. Seria itinerante”. O ministro ressaltou que o debate sobre o assunto está aberto, mas espera que o projeto seja encaminhado ao Congresso até o final do ano. “Se tudo sair nos conformes, penso que esse ano ainda poderemos enviar ao Congresso os projetos. Isso vai demandar uma proposta de Emenda Constitucional e um projeto de lei criando as varas e estabelecendo o funcionamento da justiça agrária no Brasil. Mas não depende só de nós. Depende de todo mundo: do Legislativo, do Executivo”. Durante a última reunião do Conselho Federal de Justiça, em Londrina (PR), uma comissão foi formada para discutir a questão. O ministro Edson Vidigal é o presidente dessa comissão integrada também pelo ministro José Delgado, do Superior Tribunal de Justiça, Jorge Maurique, presidente da Associação dos Juízes Federais, Sérgio Renault, secretário da Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça, senador Álvaro Dias (PSDB-PR), presidente da CPI da Terra, deputado Paulo Bernardo (PT-PR) e Vladmir Passos Freitas, presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. A comissão tem o prazo de 30 dias para apresentar um projeto ao Conselho Federal de Justiça.   

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE

Varíola dos macacos: entidades criticam estigma a homossexuais

Homem é espancado em construção abandonada na Capital
POLÍCIA

Homem é espancado em construção abandonada na Capital

GERAL

Justiça nega 'habeas corpus' pedido pela defesa do cônsul alemão

Ladrões invadem empresa e furtam óleo diesel
REGIÃO

Ladrões invadem empresa e furtam óleo diesel

CULTURA

Academia Brasileira de Letras reabre bibliotecas para o público

CAPITAL

Mulher capota veículo e é socorrida pelo Corpo de Bombeiros

DIREITOS HUMANOS

Lei Maria da Penha completa 16 anos neste domingo

POLÍCIA

Foragido da justiça é preso em abordagem na fronteira

POLÍTICA

Eleições 2022 mantém maioria do eleitorado feminina, com 53%

POLÍCIA

Boca de fumo é fechada e traficante preso na fronteira

Mais Lidas

TRAGÉDIA

Mulher que morreu em acidente na BR-463 era agrônoma de Dourados

TRAGÉDIAS

Agosto começa com quatro mortes por acidentes de trânsito em Dourados 

LUTO

Conselho de Agronomia lamenta morte de jovem agrônoma em acidente

TENTAVIVA DE HOMICÍDIO

Susto provocado por cachorro e discussão terminam com ciclista baleado