Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
(67) 99257-3397

Vacina contra a dengue mostra resultados em São Paulo

13 abril 2008 - 06h01

Pesquisadores brasileiros se debruçam sobre microscópios e tubos de ensaio na esperança de encontrar uma cura para a dengue. No Rio, a Fiocruz se prepara para testar uma vacina em macacos. Em São Paulo, o Butantan já comemora os primeiros resultados em humanos. A previsão é que, em quatro anos, a vacina esteja disponível.

"Controlar os focos de reprodução do mosquito é difícil, mas desenvolver uma vacina também não é fácil. Já testamos uma vacina monovalente em macacos e ela funcionou muito bem. O próximo passo é testar uma tetravalente (contra os quatro vírus) em macacos", adianta o pesquisador Ricardo Galler, vice-diretor de desenvolvimento tecnológico de Bio-Manguinhos, da Fiocruz.

A Fiocruz não está sozinha na tarefa de erradicar o vírus da dengue. Em São Paulo, o Butantan fechou parceria com o Instituto Nacional de Saúde, dos EUA. Só o Programa para Tecnologia Apropriada na Saúde, do dono da Microsoft, Bill Gates, doou US$ 55 milhões para acelerar a produção de uma vacina antidengue.

"Há quatro anos, o Butantan acompanha o desenvolvimento da vacina tetravalente do Instituto Nacional de Saúde. Ela foi testada em macacos e em humanos e é a que tem a melhor probabilidade de funcionar. A vacina demonstrou eficácia e segurança em voluntários que receberam mais de um subtipo do vírus, o que poderia desencadear o risco de dengue hemorrágica", avalia o diretor do Butantan, Isaías Raw. Segundo especialistas, até o momento, no Brasil, circulam os subtipos 1, 2 e 3 da dengue.

O vírus 4, freqüente na Ásia, ainda não chegou ao País. Ao ser infectada uma vez, a pessoa fica imune para o resto da vida contra o subtipo que a infectou. Mesmo assim, ela ainda pode ser contaminada pelos demais subtipos. Em outras palavras: uma pessoa pode pegar dengue quatro vezes.

"Se fizéssemos uma vacina com os subtipos 1, 2 e 3, até poderíamos resolver o problema de imediato. Mas, se o vírus 4 infectasse a população já exposta aos vírus 1, 2 e 3 da vacina, poderíamos causar um grande aumento na incidência da forma hemorrágica da doença. Se fazer uma vacina que funcione em todo o mundo já é difícil, imagine fazer quatro ao mesmo tempo", esclarece o pesquisador Ernesto Marques Júnior, da Universidade Johns Hopkins, de Baltimore, nos EUA.

Multinacionais estão na briga
Pelo menos duas grandes multinacionais, a francesa Sanofi-Pasteur e a britânica GlaxoSmithKline, estão na vanguarda das pesquisas com vacinas antidengue. A desenvolvida pela Sanofi-Pasteur é a primeira a entrar na fase final de testes. Na fase anterior, a da segurança, cerca de 100 voluntários jamais expostos à dengue receberam a vacina e produziram anticorpos contra os vírus. Na próxima fase, a que comprova a eficácia da vacina, os testes serão realizados em países como México, Vietnã e Filipinas.

No Brasil, a expectativa do Butantan é que a produção, 100% nacional, seja suficiente para atender ao País inteiro. E, em caso de excedente, ainda oferecê-la para África e América Latina. Por ser uma vacina nova, não é possível garantir quantas doses serão necessárias para imunizar o paciente. "Calcula-se que o ideal sejam duas com, pelo menos, seis meses de diferença. Como o período de maior transmissão começa em janeiro, o correto seria tomar a primeira dose em maio e a segunda em novembro", avalia Galler.


Deixe seu Comentário

Leia Também

Gestante é esfaqueada por atual mulher de ex-marido na fronteira
REGIÃO
Gestante é esfaqueada por atual mulher de ex-marido na fronteira
Soldados da PM recebem treinamento de defesa pessoal
DOURADOS
Soldados da PM recebem treinamento de defesa pessoal
7ª edição da Semana Espírita de Dourados começa nesta terça-feira
EVENTO
7ª edição da Semana Espírita de Dourados começa nesta terça-feira
REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
Dois Ceims suspendem atividades por falta de energia em Dourados
CORUMBÁ
Polícia intervém em briga generalizada que envolvia até menor
IBGE
Quase 80 mil vivem em áreas indígenas ou quilombolas no Estado
OPERAÇÃO OURO BRANCO
Polícia cumpre 80 mandados contra o tráfico na capital
NOVA ANDRADINA
Menos de uma hora após furto de moto, dois são presos pelo crime
PLANO
Gabinete de Crise se reúne para elaborar ações após temporal que atingiu Dourados
PANDEMIA
MS registra mortes de mulher e idoso, além de outros 253 casos de Covid

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Bombeiros encontram mais três corpos e número de mortos em naufrágio chega a seis
ROMA I
Acusados de estupro, mãe de menor e jovem responderão processo em liberdade
DOURADOS
PMA prende e autua dois pescadores em R$ 2,6 mil
DOURADOS 
Cidade não tem desabrigados, mas tempestade afetou dezenas de casas na periferia