Menu
Busca sexta, 23 de abril de 2021
(67) 99257-3397

USP é acusada de cobrar mensalidade

22 junho 2005 - 17h15

O Ministério Público Estadual acusa a USP de cobrar mensalidade por cursos de pós-graduação e de especialização por meio de fundações privadas.Ontem, o promotor de Justiça da Cidadania Luiz Fernando Rodrigues Pinto Jr. entrou com ação civil pública na 6ª Vara da Fazenda Pública contra a universidade. Na ação, à qual a Folha teve acesso, o promotor pede que os cursos parem de ser ministrados e que a instituição, que é pública, não possa emprestar seu nome para emissão de certificados em cursos mantidos por entidades privadas que cobrem mensalidade.A USP informou que não se pronunciaria sobre o caso por desconhecer o conteúdo da ação.De acordo com o promotor, a universidade tem convênio com 31 fundações. Essas entidades civis firmam parceria com a instituição e oferecem cursos em que são cobradas mensalidades. Entre 5% e 10% do valor arrecadado é repassado para a USP.Uma estimativa da Adusp (associação dos professores da universidade) aponta que 25 dessas instituições movimentaram, em 2001, R$ 458 milhões, equivalente a 36% do orçamento da USP naquele ano. A associação é contra as fundações.Os acordos, segundo Pinto Jr., ferem o artigo 206 da Constituição Federal, que estabelece "gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais".Um dos exemplos citados na ação é a FIA (Fundação Instituto de Administração), conveniada à FEA-USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade). São oferecidos cursos como MBA em varejo, que custa R$ 25.500 à vista --há quatro opções de parcelamento.O promotor vê ilegalidade também no fato de os cursos funcionarem nas dependências da USP, com a utilização de docentes da universidade, alguns com contrato de dedicação exclusiva.O promotor resume assim a questão: "Os cursos são oferecidos com o principal propósito de propiciar uma fonte alternativa de remuneração aos professores da USP, bem como garantir receitas para entidades civis, [..] não beneficiando a própria universidade, pois esta, além de ceder suas instalações, com os custos de energia, água etc., [...] acaba por receber apenas um pequeno percentual de toda a receita".DivergênciasO tema é polêmico dentro da USP. Há setores que compartilham com a posição do promotor de Justiça da Cidadania. Outros defendem que as fundações facilitam o contato com setores de fora da universidade --por exemplo, uma empresa interessada em contratar uma consultoria feita por membros das faculdades. Além disso, permitem captação de recursos extras.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Jovem morre em acidente envolvendo moto e caminhão na MS-164
FRONTEIRA
Jovem morre em acidente envolvendo moto e caminhão na MS-164
O QUE DIZ A CIÊNCIA
Veja 10 razões que indicam que o coronavírus é transmissível pelo ar
CAPITAL
Preso sexto envolvido na execução de homem encontrado com tiro na nuca
Presidente da Assomasul vai a Brasília e se encontra com Azambuja 
REGIÃO
Presidente da Assomasul vai a Brasília e se encontra com Azambuja 
Proprietários rurais de MS são orientados sobre prevenção aos incêndios 
OPERAÇÃO `PROLEPSE
Proprietários rurais de MS são orientados sobre prevenção aos incêndios 
DOURADOS
Prefeitura inicia pavimentação asfáltica no Jardim das Primaveras
ANDERCI
Namorado diz que roubava com professora morta para comprar cocaína
GERAL
Ciclista sul-mato-grossense de 16 anos é contratado por equipe portuguesa
MEIO AMBIENTE
Ambiental recolhe 4 filhotes de coruja de forro de residência em reforma
EDUCAÇÃO
UEMS divulga 3ª convocação para matrículas de 22 a 26 de abril

Mais Lidas

DOURADOS
Grupo receberia comissão se conseguisse negociar carga de maconha no Água Boa
DOURADOS
Jovem confessa 18 tiros, mas diz que idoso morreu antes por enforcamento
IVINHEMA
Polícia encontra mais de 800kg de maconha em casa alugada para o tráfico
DOURADOS
Ladrão invade alojamento do Hospital da Vida e leva pertences de enfermeiras