Menu
Busca segunda, 26 de julho de 2021
(67) 99257-3397

Uruguai e Paraguai são contra restrições argentinas a importação

16 dezembro 2004 - 17h03

Assim como o Brasil, Uruguai e Paraguai também são contrários à adoção de salvaguardas pela Argentina para proteger o mercado interno do país nas negociações do Mercosul. A ministra de Relações Exteriores do Paraguai, Leila Rachid, disse nesta quinta-feira (16) que a adoção de barreiras comerciais pela Argentina poderia prejudicar o investimento de empresas na região. "O processo deve ter previsibilidade econômica, e as medidas não podem impactar em pequenas indústrias", ressaltou. Já o chanceler uruguaio, Didier Opperti, afirmou que as salvaguardas são contrárias ao objetivo principal do bloco econômico que é facilitar o acesso a mercados. "As salvaguardas existiram no Mercosul durante algum tempo, foram eliminadas e deixadas de lado. Um dos objetivos do Mercosul é acesso a mercado, e as salvaguardas constituem obstáculos ao acesso de mercado. Temas comerciais podem ser tratados entre os países", disse. O secretário de Relações Internacionais da Argentina, Alfredo Chirardia, defendeu a intenção do governo argentino de impor salvaguardas e negou que o mecanismo seja protecionista. "A Argentina é um defensor ferrenho do Mercosul. O que ocorre é que a proposta Argentina não se limita às salvaguardas. Quando a Argentina em suas conversações com outros sócios se refere a esse questão, faz sempre no contexto que o Mercosul é um projeto em construção que deve culminar em um mercado único, em uma união aduaneira perfeita", afirmou. Segundo o secretário, o governo argentino está trabalhando "intensamente" para avançar nas discussões sobre a livre circulação de mercadorias no bloco econômico. "O Mercosul pode não avançar aceleradamente, mas esperamos que o Mercosul não retroceda. O que pleiteamos não é retrocesso, mas ao contrário, um mecanismo transitório que nos permita avançar. Na medida que conta com redes de segurança, teremos mais confiança para nos integrarmos mais profundamente", defendeu. O secretário representou o chanceler argentino, Rafael Bielsa, na conferência de imprensa realizada em Belo Horizonte após a Reunião do Conselho do Mercosul que reuniu os ministros das Relações Exteriores dos países que integram o bloco econômico. Alfredo Chirardia negou que a ausência de Bielsa represente um "desinteresse" por parte dos argentinos nas negociações do bloco. "Existem enormes quantidade de temas que o deixaram fora deste momento. Não temos nenhum motivo para entender motivos que impliquem desinteresse por essa reunião. Pelo contrário, ele me pediu que eu participasse em seu lugar", justificou.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Saúde aponta 'irregularidades' em contrato na gestão de Ricardo Barros
GOLPE
Mulher transfere R$ 4.300 após golpista se passar pelo filho dela
SAÚDE
Monitoramento aponta boa qualidade das águas subterrâneas de MS
Polícia apreende cerca de 500 quilos de pasta base de cocaína na MS-134
BATAYPORÃ
Polícia apreende cerca de 500 quilos de pasta base de cocaína na MS-134
Detran/MS dobra número de exames realizados no primeiro semestre
PRÁTICAS
Detran/MS dobra número de exames realizados no primeiro semestre
TRÊS TONELADAS
Caminhão que saiu de MS é apreendido no Paraná com maconha
FUTEBOL
Justiça anula eleição de Caboclo na CBF e nomeia Landim interventor
TRÁFICO
Empresário é preso com 200 quilos de maconha que iriam para SP
UEMS
Mestrado ProfLetras abre inscrições para aluno especial
MEIO AMBIENTE
Homem de 41 anos é multado por danificar árvore em logradouro público

Mais Lidas

DOURADOS
Revoltados por morte de adolescente, populares atacam casa de acusado
POLÍCIA
Adolescente de 13 anos morre após ser atropelado no Estela Porã; motorista fugiu
DOURADOS
Homem é esfaqueado na Rua Monte Alegre e encaminhado em estado grave ao HV
DOURADOS
Jovem bêbado é preso dirigindo em 'zigue-zague' na Presidente Vargas