Menu
Busca quarta, 28 de julho de 2021
(67) 99257-3397

Tráfico de fauna e flora só rende menos que o de drogas e armas

04 dezembro 2004 - 17h52

Os rendimentos do tráfico organizado de espécies da fauna e da flora selvagens são estimados em US$ 10 bilhões ao ano e só são superados pelo dinheiro proveniente do tráfico de drogas e de armas, segundo ecologistas reunidos em um congresso na Tailândia.Para eles, os governos e organizações internacionais não conseguem lutar contra a prática ou contra a corrupção que impede a aplicação das leis vigentes, deixando com que operem redes muito bem organizadas."É um verdadeiro problema ao qual não é dada a atenção necessária", disse John Webb, procurador-adjunto do Departamento da Justiça para Crimes Contra o Ambiente dos EUA, durante conferência da Cites (Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies de Fauna e Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção, em inglês).Os 166 países da Cites estudam inúmeras propostas sobre a regulamentação do comércio dessas espécies até o próximo dia 14 em Bangcoc, capital tailandesa."Trata-se de um comércio que proporciona enormes rendimentos às pessoas que estão dispostas a assumir riscos. Há uma grande quantidade [de espécies] de vida selvagem que são negociadas de maneira ilegal e só agora começamos a intervir nisso", afirmou Webb."O crime organizado está abertamente envolvido nos crimes contra a natureza", disse John Sellar, funcionário da Cites. Segundo ele, as espécies levadas da Ásia à Europa usam rotas estabelecidas por redes criminosas.Essas redes se encarregam da maior parte do tráfico da Ásia, a partir de Hong Kong e da China continental, segundo os especialistas, enquanto que a máfia russa é ativa no contrabando de caviar em grande escala.No entanto, a cumplicidade de políticos, funcionários públicos, guardas florestais e agentes alfandegários contribui para a crise."A corrupção é, sem dúvida, um problema enorme. Inúmeros lugares que têm a mais bela biodiversidade do mundo se encontram nos países mais pobres", explicou Sellar.Os especialistas comentaram também que a falta de harmonização das leis, principalmente nos 25 países da União Européia, é aproveitada pelos traficantes.As mesmas infrações podem ser punidas com penas que vão de três meses a oito anos de prisão, variando de um país para outro, e os traficantes aproveitam importando ilegalmente seus produtos nos países mais tolerantes, principalmente nos dez novos membros da UE.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Veículo carregando com 200 quilos de maconha é apreendido na BR-267
Veículo carregando com 200 quilos de maconha é apreendido na BR-267
JUDICIÁRIO
Gilmar Mendes manda PGR se manifestar sobre investigação de Braga Netto
Jovem é agredida por tio após ele encontrar teste de gravidez no banheiro
Atleta de MS, Leonardo de Deus termina final dos 200m borboleta longe do pódio
JOGOS DE TÓQUIO
Atleta de MS, Leonardo de Deus termina final dos 200m borboleta longe do pódio
Frio: prefeitura cria força-tarefa para atender pessoas em situação de rua
DOURADOS
Frio: prefeitura cria força-tarefa para atender pessoas em situação de rua
Brasileiro acusado de feminicídio é deportado do Paraguai
EDUCAÇÃO
IFMS abre matrículas da 2ª chamada para cursos de qualificação profissional
MEIO AMBIENTE
PMA resgata filhote de veado em quintal de residência em Guia Lopes
CREDENCIAMENTO
Escolagov divulga pontuação de candidatos em processo seletivo
FRONTEIRA
Polícia prende acusado de tentativa de estupro contra estudantes de medicina

Mais Lidas

ESTRELA PORÃ
Homem que atropelou e matou adolescente de 13 anos é preso em Dourados
DOURADOS
Acidente no Centro deixa motociclista com fratura na perna e motorista foge
DOURADOS
Preso, jovem afirma ter bebido e que fugiu por medo de linchamento
DOURADOS
Drogas e submetralhadora são apreendidos no Idelfonso Pedroso