Menu
Busca terça, 29 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
JUDICIÁRIO

TJ-MS celebra mais prazo com decisão que adia implantação do juiz de garantias

16 janeiro 2020 - 16h05Por Redação

O TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) avaliou positivamente a decisão do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, que na quarta-feira (15) suspendeu por 180 dias a aplicação do chamado juiz de garantias. O prazo venceria no dia 23 de janeiro.

“Esta notícia já era esperada, uma vez que o prazo para adequação à Lei n.º 13.964, que criou a figura do juiz de garantias, era de apenas 30 dias. Nós montamos uma equipe de estudos, que já tem propostas de como será implantado este serviço, mas precisávamos de um maior tempo para análise do impacto financeiro, da distribuição da competência para os juízes, além de que a proposta tem que passar pelo crivo do Órgão Especial”, explicou o desembargador Paschoal Carmello Leandro, presidente da Corte estadual.

O TJ-MS já havia iniciado os estudos para a implantação imediata, com a formação de Equipe de Estudo para elaboração de minuta de Resolução que trata do “juiz de garantias” no âmbito do Poder Judiciário de MS, figura introduzida no ordenamento jurídico com a promulgação da Lei n.º 13.964, de 24 de dezembro de 2019. A norma dava prazo de 30 dias para entrar em vigor.

O grupo é formado pelo desembargador Jairo Roberto de Quadros (presidente da Equipe de Estudos), o juiz auxiliar da Presidência, Fernando Chemin Cury, o juiz auxiliar da Capital, Mario José Esbalqueiro Jr., a juíza Eucélia Moreira Cassal e o assessor jurídico administrativo, Carivaldo Damaceno Marciliano.

“Com a dilação do prazo para mais 180 dias, poderemos ouvir mais pessoas e instituições, imprescindíveis à segura implementação, assim como mensurar o inevitável impacto financeiro e orçamentário”, disse o desembargador Jairo Roberto de Quadros.

Na decisão, o Ministro Dias Toffoli definiu pontos que a Lei n.º 13.964 não abordou, como a não aplicabilidade em processos com origem nos tribunais e no tribunal do júri, por serem órgãos colegiados. Também não vale para processos de violência doméstica, eleitoral e, o mais importante, não tem aplicação em processos em andamento, explicou Jairo de Quadros.

Dias Toffoli disse que a implementação do juiz de garantias demanda organização que deve ser realizada de maneira consciente em todo o território nacional, respeitando-se a autonomia e as especificidades de cada tribunal. “Impõe-se a fixação de um regime de transição mais adequado e razoável, que viabilize, inclusive, sua adoção de forma progressiva e programada pelos Tribunais", declarou Toffoli.

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul continuará fazendo os estudos de implantação do juiz de garantias, por meio de sua equipe de estudos e apresentará proposta que melhor se adeque a realidade da Corte. (Com informações do TJ-MS)

Deixe seu Comentário

Leia Também

AJUDA
Caixa detalha calendário de pagamentos do auxílio emergencial extensão
CAPITAL
Hóspede é encontrado morto dentro de banheiro de hotel
FUTEBOL
CBF divulga tabela da 16ª à 20ª rodada; Fla fará dois jogos em 50 horas
REGIÃO
Polícia desarticula grupo que agia em cidades da região do Vale do Ivinhema
MADEIRA
Queimadas no Pantanal destroem oito pontes nas MS-243 e MS-195
BONITO
Vítima de estelionato arma emboscada e ajuda a prender golpista
TECNOLOGIA
Aplicativo do Detran-MS recebe atualização para serviços pelo celular
CAMPO GRANDE
Mulher trans encontrada morta em árvore era formada em Artes Cênicas
ONLINE
Ferramenta ‘Localize na UFGD’ oferece mapa com setores da instituição
REGIÃO
Polícia vai investigar execução de mulher encontrada morta na Capital

Mais Lidas

POLÍCIA
Comerciante morre em acidente na MS-276
REGIÃO
Homem que disse ter encontrado mulher morta volta atrás e confessa feminicídio
LAGUNA CARAPÃ
Homem sente falta de esposa, vai procurar e a encontra morta em poço
DOURADOS
Festa com mais de cem pessoas é encerrada no Novo Horizonte