Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Terremotos ocorrem todos os dias e não há como evitá-los

21 janeiro 2010 - 09h30

O tremor sentido ontem (20) no Haiti, de 6.1 graus na escala Richter teve intensidade bem menor do que o ocorrido há uma semana, de 7 graus, que destruiu inúmeras construções, causando dezenas de milhares de mortes. Isso porque a escala é logarítmica, como explica a pesquisadora do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), Mônica Von Huelsen. “Um evento de 6.1 graus também é forte, mas nem tanto. A diferença de um ponto, de 6 para 7 por exemplo, significa que a amplitude de seu chão aumentou 10 vezes”, explicou. A amplitude do tremor indica o impacto na superfície.

A pesquisadora disse que os terremotos ocorrem todos os dias e não há como evitá-los porque as placas tectônicas estão em constante movimento. Alguns países, no entanto, sabem que estão propensos a terremotos e têm uma infraestruta específica para reduzir os danos entre seus habitantes, como é o caso do Japão. Outros, como o Brasil, são menos afetados por estarem distantes das bordas das placas tectônicas.

“Para os que estão na borda da placa, a incidência de falhas é grande, então a movimentação das placas faz com que as falhas se desloquem e gerem terremotos”, afirmou Mônica. Ela ressaltou, entretanto, que apesar de o Brasil estar numa região considerada estável, existem algumas falhas geológicas no território nacional que também geram terremotos, mas em quantidade e intensidades bem menores.

O terremoto mais forte registrado no país foi em 1955, na Serra do Tombador, em Mato Grosso, com 6.6 graus na escala Richter. O único registro de morte causada diretamente por um tremor foi em 2007, na cidade de Itacarambi, em Minas Gerais. Sua magnitude foi de 4.9 graus. “A construção era bem rudimentar, as vigas eram feitas com arame farpado, uma parede caiu em cima de duas crianças gêmeas e uma morreu”, comentou a pesquisadora. O maior terremoto já registrado no mundo foi em 1960, no Chile, que atingiu 9.5 graus na escala Richter e deixou cerca de 3 mil mortos e 2 milhões de feridos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19
MPE pede multa diária de R$ 30 mil ao município por falta de estudo epidemiológico de casal
COVID-19
Curva segue ascendente e Dourados ultrapassa 200 casos de coronavírus
APARECIDA DO TABOADO
Proprietário de fazenda é autuado em quase R$ 13 mil por exploração ilegal de madeira
DOURADOS
Na reta final, vacinação contra Influenza só atingiu meta em dois grupos até agora
SAÚDE PÚBLICA
Segundo do país em incidência, MS se aproxima de 60 mil notificações por dengue
ARQUITETURA & DESIGN
O sonho de toda mulher: o closet por Juliana Saraiva
PANDEMIA
Mesmo com o aumento diário de casos de coronavírus, douradenses mantêm isolamento baixo
COMER BEM
Comer sem engordar Burguer e batata e possível? Conheça o Burguer Fit.
BR-463
Alegando estar desempregado, homem é detido transportando drogas para Santa Catarina
NAVIRAÍ
Adolescentes membros de facção criminosa são apreendidos após roubo a boate

Mais Lidas

DOURADOS
Paciente com suspeita de coronavírus afasta mais de 20 profissionais da saúde no HV e UPA
PANDEMIA
Dourados é "campeã" de casos de coronavírus em MS pelo 3º dia consecutivo
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher