Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Teatro Universitário apresenta peça “Salomé” neste domingo

11 dezembro 2009 - 10h58

O Grupo Experimental de Teatro Universitário (GETU) da Faculdade de Comunicação,
Artes e Letras (FACALE) da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) apresenta
no próximo domingo, dia 13 de dezembro, a peça “Salomé”, de Oscar Wilde, às 20 horas, com ingresso a R$ 10,00, no Teatro Municipal.

Em 1891, em Paris, Oscar Wilde escreveu uma peça em um ato tendo como tema o episódio bíblico da morte de São João Batista, cuja cabeça fora pedida em uma bandeija de prata pela enteada do rei Herodes, Salomé, filha de Herodíades. Ainda que Wilde não tivesse desejado seguir rigorosamente a história bíblica, na ocasião, a peça não pôde ser encenada, em virtude de uma lei que proibia a representação com personagens bíblicos. Somente em 1896 o drama ganhou cena em Paris. Logo ganharia popularidade também na Alemanha e chegou a ser aproveitada como libreto para uma
ópera de Richard Satrauss.

Em Salomé, Wilde oportuniza-nos exibir todo o seu gosto pelo luxo e pela ostentação, pelo exostismo oriental. Ordenada em elementos essenciais na sua condensação dramática e na caracterização de personagens, a peça não admite concessões a certos preconceitos. Salomé é uma tragédia brutal na sua crueza, um drama de luxúria envolto em uma atmosfera de poesia preciosa - nem por isto capaz de suavizar a crueza realista com que lida: a loucura humana, guiada pelo embate entre a carne e o espírito, entre o pecado e a santidade, e pairando sobre ela a fatalidade inexorável
da morte.

Manter o estilo e a linguagem de Oscar Wilde, preciosos pela riqueza de detalhes e originalidade, é um compromisso da adaptação encenada pelo GETU - Grupo Experimental de Teatro Universitário, que busca reforçar a marca do autor e que as obsessões humanas, em sua complexidade (resultado da angústia de não se poder compreender ampla ou profundamente a existência) evidenciam certa incapacidade de o homem lidar com seus embates travados interiormente, de o homem lidar com as artimanhas provocadas pelo que chamamos consciência e inconsciência e, num grau extremado, com as tentações de absoluta insanidade que por vezes nos atormentam.

Tudo o que não pode ser compreendido pelo espírito e justificado pela razão humana tem sido controlado ou vencido pela força positiva da convivência social. Desta força ordenadora participam os credos, os costumes, a educação, a arte, a moral, a tradição: tudo o que fortalece e enobrece o que chamamos comunidade tende a afastar, ao menos em parte, o incômodo de não obtermos respostas para nossos questionamentos essencialmente existenciais. Salomé, adaptação do GETU, tematiza os embates entre o mundo social e o mundo espiritual, o mundo das obsessões e o mundo das forças ordenadoras sempre presentes ao longo da história da civilização.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DURANTE A PANDEMIA
Saiba quais foram as maiores lives musicais realizadas na internet
SOLIDARIEDADE
Ação de ONG leva roupas e itens de higiene para famílias de Campo Grande
BRASIL
Parques e igrejas de maior porte reabrem no DF na quarta-feira
CORRIDA ESPACIAL
SpaceX e Nasa lançam foguete com astronautas nos EUA
BRASIL
Cidade de São Paulo prorroga quarentena até 15 de junho
"RAÍZES"
Documentário sobre sacis filmado em MS tem estreia online em junho
EM MIRANDA
Mulher é estuprada após ser levada para quintal de residência
REDES SOCIAIS
Bolsonaro tira fotos sem máscara após ir a lanchonete em Goiás
NA CAPITAL
Criança fica ferida ao ser atropelada por moto em avenida de Campo Grande
RELAÇÕES INTERNACIONAIS
EUA anunciam mais US$ 6 mi para ajudar Brasil no combate à pandemia

Mais Lidas

DOURADOS
Protocolo é seguido e mulher vítima do coronavírus é enterrada sem despedida de familiares
MAIORIA JOVENS
Vítima fatal da Covid-19 faz parte da faixa etária com mais casos da doença em Dourados
COVID-19
Curva segue ascendente e Dourados ultrapassa 200 casos de coronavírus
PANDEMIA
Comitê diz que Dourados não é epicentro do novo coronavírus e descarta lockdown