Menu
Busca terça, 02 de março de 2021
(67) 99257-3397

TCE esclarece limites para despesas com pessoal

30 outubro 2003 - 13h09

As Câmaras Municipais não podem gastar mais de 70% de sua receita com a folha de pagamento e este percentual deve ser aplicado sobre o total do repasse enviado pelo Poder Executivo Municipal, mesmo que o Legislativo Municipal tenha que devolver parte do repasse que não gastou. O esclarecimento é do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul (TCE/MS) em resposta a consulta formulada pela Câmara Municipal de Paranhos. O parecer foi elaborado pelo Ministério Público Especial do TCE e o Relatório-Voto do Conselheiro Augusto Maurício da Cunha e Menezes Wanderley foi aprovado em sessão ordinária do Tribunal Pleno realizada no dia 22 de outubro.A dúvida apresentada pela Câmara Municipal de Paranhos, através de seu presidente, o vereador Gilberto Alves da Silva, diz respeito à base de cálculo para auferir os resultados com gastos de pessoal no final do exercício, caso o Poder Legislativo efetue devolução de numerário ao Poder Executivo. Especificamente, a Câmara questionou “se a base de cálculo para auferir o resultado das despesas com pessoal seria sobre o duodécimo orçado e repassado ou sobre os valores que efetivamente ficaram em poder do Legislativo Municipal”.De acordo com o Relatório-Voto do Conselheiro Maurício Wanderley, o percentual de 70% deve ser aplicado sobre o total do repasse para a Câmara Municipal, “mesmo que o Legislativo Municipal tenha que devolver parte que não gastou”. O Conselheiro julgou ainda ser conveniente esclarecer que, “dos 70% referentes à folha de pagamento, estão excluídas as obrigações patronais e as terceirizações de mão-de-obra substitutiva de servidor”.Em seu relatório o Conselheiro Maurício Wanderley lembra ainda que a despesa com pessoal da Câmara Municipal se constitui de 6% da Receita Corrente Líquida do município, nos termos do artigo 20, inciso III, letra “a”, da Lei de Responsabilidade Fiscal (101/2000), sendo importante diferenciar “despesa com pessoal” e “folha de pagamento”.  Ele esclarece que a despesa com pessoal incluiu, por exemplo, as obrigações patronais e a folha de pagamento não. Para ele, é possível concluir, portanto, que “toda despesa com folha de pagamento pertence à despesa com pessoal, porém, nem toda despesa com pessoal pertence à folha de pagamento”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MARACAJU
Mulher é presa por desacato ao tentar defender filho suspeito de agressões
BRASIL
Senado aprova MP para compra de vacinas por estados sem licitação
NOVA ANDRADINA
Filho busca doador de medula óssea para mãe que sofre de leucemia
ITINERANTE
Carreta da Justiça finaliza atendimentos em Corguinho e segue para Rochedo
Adolescente é apreendido com R$ 3 mil e 44 porções de pasta-base
IMUNIZAÇÃO
Assomasul discute com a SES compra de vacinas e eventuais medidas restritivas
MATO GROSSO
Homem é preso por abandonar esposa paraplégica sem comida
DOCENTE
Concurso da UFGD convoca para prova didática e heteroidentificação
TRÂNSITO
Médico é preso depois de bater veículo em ônibus no centro da Capital
FUTEBOL
Corinthians tem 19 casos positivos de Covid-19; oito são jogadores

Mais Lidas

ACIDENTE
Veículo pega fogo ao colidir em coqueiro entre Dourados e Itaporã
PRÓXIMO AO TRANSBORDO
Nova 'cracolândia': comerciantes relatam medo e ameaças no centro de Dourados
DOURADOS
Jovem colide moto e embriagado tenta fugir do hospital, mas é detido
DOURADOS 
Preso após agredir esposa, homem é investigado por engravidar a própria filha adolescente