quinta, 20 de junho de 2024
Dourados
34ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

STJ reconhece paternidade de homem que se negar a fazer DNA

22 outubro 2004 - 14h48

O homem que se negar a fazer o exame de paternidade baseado no DNA poderá ter presumida a paternidade. A orientação vale para os recursos a serem julgados no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que nesta segunda-feira (18) aprovou a Súmula 301 tratando do assunto. O instrumento serve como orientação que os demais tribunais podem ou não seguir, mas que será adotado no STJ. A decisão se baseou em sete julgamentos realizados anteriormente nos estados do Amazonas, Distrito Federal, Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Um dos exemplos que serviram de referência para a elaboração da súmula foi um recurso especial do Amazonas. Durante quatro anos, o pai de I. C. P se recusou por dez vezes a fazer o teste de DNA. Diante da recusa do Tribunal de Justiça do Amazonas em aceitar as provas apresentadas pelo menor sem o teste de DNA, I.C.P entrou com recurso no STJ. A interpretação do órgão foi de que a recusa em fazer o teste de paternidade aliada à comprovação do relacionamento sexual do suposto pai com a mãe do menor gera a “presunção de veracidade”. A orientação também vale para as mães que impedem que os pais façam o teste de DNA e assumam a paternidade de uma criança. Por mais incomum que pareça, foi exatamente o que aconteceu com o comerciante Paulo Corrêa, de 26 anos. Após um relacionamento breve, ele ficou sabendo que poderia ser pai de uma menina, hoje com dois anos. A mãe não admitiu o fato e se recusou a conceder material genético da criança para a realização de um exame de paternidade. Inconformado com a recusa, Paulo procurou o cartório e registrou a criança em seu nome. O comerciante também entrou na justiça com um pedido de visita. “Eu queria fazer o teste de DNA, mas a mãe da minha filha se recusava e também não dizia quem era o pai. Por causa disso, demorei um ano, sete meses e seis dias para ver a minha filha”, conta. Por imposição da Justiça, foi realizado recentemente o teste de DNA que comprovou a paternidade de Paulo. Casos como esse poderiam ser agilizados caso a Súmula 301 fosse aplicada. É o que pensa o presidente do STJ, ministro Edson Vidigal. “É levar na prática o popular "quem não deve, não teme". Se se recusa, alguma razão há. A súmula apenas confirmou as decisões anteriores de que, no caso de se furtar a submissão do exame do DNA, que é a prova científica e aceitável pelo Judiciário, o processo corre sobre a presunção que as alegações levadas na petição judicial são procedentes”, afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROJETO

Comissão aprova projeto que obriga aplicativo de transporte a pagar seguros

Brasil comemora abertura de mercado nos Estados Unidos para óleo de cozinha usado
EXPORTAÇÃO

Brasil comemora abertura de mercado nos Estados Unidos para óleo de cozinha usado

Brasil é recordista em rotas domésticas mais voadas na América Latina
TURISMO

Brasil é recordista em rotas domésticas mais voadas na América Latina

CUIDADOS

Festas juninas aumentam acidentes com queimaduras

Magistratura de MS debaterá inteligência artificial nos dias 20 e 21
CAPACITAÇÃO

Magistratura de MS debaterá inteligência artificial nos dias 20 e 21

DEBATE

Inclusão do esporte no vale-cultura divide a opinião de debatedores na CE

CAPITAL

Testemunha vê cadela mancando e homem vai preso por abusar sexualmente do animal

DOURADOS

Projeto "Orientação e Promoção de Saúde Bucal" é realizado na Escola Capilé

REGIÃO

Carga irregular de mais de 400kg de carne que iria para escolas é apreendida

FUTEBOL

Copa América começa hoje com campeã do mundo em campo

Mais Lidas

TEMPO

Meteorologia aponta inverno dos 'extremos' com geada e onda de calor em MS

INFORME PUBLICITÁRIO

Escola de Dourados conquista o 1° lugar do estado no Enem e a 2ª melhor colocação do Brasil

DOURADOS

Exército diz que pista do Aeroporto será entregue até 30 de junho

CENTRO DE CONVENÇÕES

Festa Junina de Dourados começa nesta semana com shows nacionais e regionais