quarta, 19 de janeiro de 2022
Dourados
37°max
25°min
Campo Grande
34°max
24°min
Três Lagoas
36°max
23°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

STJ anula concessão de TV a Gugu no Mato Grosso

20 outubro 2003 - 08h43

A concessão de televisão para Gugu Liberato em Cuiabá (MT) está anulada. A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça, em decisão unânime, manteve ato do ministro das Comunicações que anulou contrato de concessão para exploração de serviço de radiodifusão da empresa Pantanal Som e Imagem Ltda. O contrato foi firmado em 28 de junho de 2002 após concorrência pública. O ato de cancelamento da concessão foi assinado em novembro do mesmo ano.Ao vencer a licitação a empresa obteve o direito de explorar o serviço de radiodifusão de sons e imagem (televisão), na cidade de Cuiabá bem como a concessão para o serviço de radiodifusão sonora em onda média, na cidade de Cáceres, também em Mato Grosso.Após a concorrência, foi encaminhada uma denúncia ao Ministério das Comunicações informando sobre a mudança societária da empresa ganhadora. O ministro das Comunicações então solicitou parecer da consultoria jurídica sobre a denúncia. A consultoria recomendou ao ministro a declaração de nulidade do contrato de concessão assinado pela União, representado pelo ministro da pasta e pela Pantanal, representada pela procuradora do apresentador de televisão e empresário.O apresentador juntamente com outro sócio ingressaram na sociedade, adquirindo 100% do capital social, no período compreendido entre a publicação dos decretos presidencial e o legislativo. Após a análise do parecer jurídico, o ministro das Comunicações decidiu declarar nula a concessão.Insatisfeita com a decisão, a defesa da empresa de Gugu Liberato recorreu com um mandado de segurança no Superior Tribunal de Justiça. Os advogados alegaram que a decisão unilateral do ministro das Comunicações ofendeu o artigo 223, parágrafo 4º da Constituição Federal, que condiciona o cancelamento de concessão ou permissão, deve ser antecedido de decisão judicial.A empresa argumenta que a justificativa do ministro não tem amparo legal. O ministro, segundo os advogados, ao cancelar a concessão do serviço se baseou na circunstância de que os sócios que formam o capital social da Pantanal Som e Imagem alienaram todas suas cotas a outras pessoas, descaracterizando a pessoa jurídica vencedora da licitação, ferindo dessa forma os princípios da Lei 8666/93.A Pantanal afirmou que o edital de licitação não proibia a venda de cotas, e por isso, a nulificação violou direito e certo da empresa. Acrescentando também que "não vale o argumento de que a transferência descaracterizou a pessoa jurídica. É que o instituto da descaracterização funciona justamente em sentido inverso. Vale dizer: para manter a responsabilidade dos sócios retirantes".O ministro relator do caso no STJ, Humberto Gomes de Barros, deferiu o pedido de liminar em fevereiro último com o objetivo de emprestar eficácia provisória ao contato. Barros salientou que o "ato impugnado não transcendeu o limite de competência de quem o praticou. De fato, a declaração atingiu apenas o contrato

Deixe seu Comentário

Leia Também

ANASTÁCIO

Homem que matou a mulher com golpes de machado vai continuar preso

JUDICIÁRIO

STF autoriza saída de Roberto Jefferson de Bangu para exames

Polícia Civil fecha pela sétima vez ponto de distribuição de drogas
CAPITAL

Polícia Civil fecha pela sétima vez ponto de distribuição de drogas

PRAZO

Inscrições em concursos do IBGE para 200 mil vagas terminam na sexta

No 10º dia de buscas, bombeiros voltam à área onde idosa sumiu
SÃO GABRIEL

No 10º dia de buscas, bombeiros voltam à área onde idosa sumiu

OPORTUNIDADE

Detran-MS abre mais um leilão para circulação e sucata aproveitável

CHAPADÃO DO SUL

Assaltantes de relojoaria são localizados e presos horas após o crime

AJUDA

Caixa começa a pagar a 3ª parcela do Auxílio Brasil nesta terça

Ladrão que agrediu homem dentro de casa foi espancado até a morte

MUNDO

Cantora tcheca antivacina morre após pegar Covid de propósito

Mais Lidas

GRIPE

Influenza H3N2 mata douradense de 25 anos sem comorbidades

DOURADOS

Idoso é flagrado mantendo relações sexuais com cadela e vai para a delegacia

DOURADOS

Mulher 'ostenta' pistola em bairro e acaba presa por porte ilegal

DOURADOS

Após perturbação de sossego, idosa registra queixa contra vizinho