Menu
Busca domingo, 11 de abril de 2021
(67) 99257-3397

Sesau intensifica ações de combate à leishmaniose

09 janeiro 2004 - 09h59

A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) está intensificando ações de conscientização da população de Campo Grande no combate à leishmaniose visceral. De acordo com a assessoria de imprensa, os técnicos que trabalham nos cinco distritos sanitários da Capital vão a campo munidos de panfletos educativos, com informações sobre os principais sintomas e formas de combate à doença. O objetivo é despertar a população para mudanças de hábitos e de padrões de comportamento. Uniformizados e identificados com crachás do CCZ (Centro de Controle de Zoonoses), os borrifadores orientam também os moradores para atitudes que buscam evitar a criação e manutenção de reservatórios para o mosquito flebótomo, transmissor da doença. Como manter a casa e o quintal sempre limpos, embalar o lixo corretamente, não deixar lixo acumulado nos terrenos baldios perto de casa. Caso o morador tenha galinheiro, chiqueiro ou canil a recomendação é que mantenham sempre limpos e secos.Segundo o gerente técnico do Programa de Combate à Leishamniose do CCZ, Eliasze Luizo Guimarães, os trabalhadores serão multiplicadores de informações educativas e para isso aprenderam técnicas de abordagem. “Ainda pedimos à comunidade que permita a entrada dos agentes de saúde em suas casas”, afirmou.Ele destaca que a aplicação do inseticida não traz riscos para as pessoas, porém para os agentes, a segurança deve ser redobrada. Como ficam muito tempo em contato com o inseticida, os trabalhadores que fazem a borrifação necessitam vestir macacão, máscara e luvas para se protegerem dos riscos de contaminação.A leishmaniose visceral é uma doença de evolução lenta que pode se tornar grave e levar à morte, caso o doente não faça o tratamento. É causada por um protozoário do gênero Leishmania que vive no sangue dos cães doentes e é transmitida através da picada de um inseto chamado flebotomíneo, popularmente conhecido como mosquito palha.Os primeiros sinais da doença nos cães são queda de pêlos, descamação, emagrecimento, lacrimejamento, unhas grandes, paralisia parcial dos membros superiores e feridas no focinho e orelhas. Já no homem, os sintomas são febre irregular de longa duração, indisposição e fraqueza, emagrecimento e palidez, tosse seca, crescimento da barriga devido aumento do fígado e baço, diarréia e em casos mais graves sangramento na boca e no intestino.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Com leitos de UTI lotados, Dourados chega a 360 mortes por coronavírus
PANDEMIA
Com leitos de UTI lotados, Dourados chega a 360 mortes por coronavírus
PMA de Dourados fecha serralheria por emissão de sons acima do previsto em lei
FISCALIZAÇÃO
PMA de Dourados fecha serralheria por emissão de sons acima do previsto em lei
Vinte e seis pacientes aguardam vagas em leitos de UTI em Dourados
PANDEMIA
Vinte e seis pacientes aguardam vagas em leitos de UTI em Dourados
Covid-19: pessoas já infectadas devem esperar um mês antes de vacinar
PANDEMIA
Covid-19: pessoas já infectadas devem esperar um mês antes de vacinar
Assaltante atira contra jovem para roubar e acerta Kombi estacionada
DOURADOS
Assaltante atira contra jovem para roubar e acerta Kombi estacionada
ECONOMIA
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em março
JARDIM
Lava-jato é interditado e proprietário autuado por jogar efluentes sem tratamento na rua
FUTEBOL
Em Brasília, Flamengo e Palmeiras decidem supercampeão do Brasil
DOURADOS
Vítima quase tem a mão decepada por facão durante confusão com autor
DOURADOS
Jovem é ferido com golpes de faca e socorrido para o Hospital da Vida

Mais Lidas

DOURADOS
Motociclista tem suspeita de fratura nas pernas após ser atingido por carro
VILA INDUSTRIAL
Veículo é destruído pelo fogo em Dourados e ocupantes saem ilesos; veja vídeo
RESGATE
Menina estava brincando com irmãos e avó quando se afogou no Rio Dourados
HOMICÍDIO
Jovem é morta com tiros de escopeta em Itaporã