Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Serra ameniza ataques e promete cumprir mandato se eleito

14 setembro 2004 - 18h54

Líder nas pesquisas para a Prefeitura de São Paulo, o candidato do PSDB, José Serra, amenizou os ataques diretos à adversária Marta Suplicy (PT), em sabatina da Folha nesta terça-feira, e afirmou que só deixaria o cargo em 2006 "se Deus lhe tirasse a vida". O tucano também defendeu o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e seu candidato a vice, o deputado Gilberto Kassab (PFL), o qual descreveu como "homem experimentado". "Só se Deus me tirar a vida. Só saio se houver uma desgraça que me envolva", disse ele, ao responder uma pergunta sobre a possibilidade de deixar o cargo para Kassab, em 2006. Sobre a saúde, sua principal bandeira de campanha, disse que foi o PT, e não ele, o responsável por trazer o tema ao debate. "O PT trouxe o assunto, trouxe o tema para o centro de suas propostas. Em 1996, a campanha Maluf-Pitta trouxe o transporte como principal tema. Neste ano foram as maquetes", disse o candidato, em alusão ao CEU (Clínica Especializada Unificada) Saúde, projeto apresentado por Marta Suplicy. Resumiu suas críticas à gestão Marta: "A maioria das coisas tem bom propósito, mas em todas as áreas eu vejo insuficiência, mesmo naquilo que se tentou inovar". Também atacou o túnel da avenida Rebouças, vitrine da campanha de reeleição da petista. "[O que gastou em] túneis, a distância mais curta entre dois engarrafamentos, [a prefeitura] poderia ter investido em metrô. A prefeitura tem de entrar no metrô. O que fez [com o túnel], daria. O Fura-Fila, que custou mais do que vai custar, daria para ter levado o metrô em parceria com o Estado." O candidato tucano esquivou-se de dizer quais programas da atual gestão manteria caso fosse eleito. Afirmou, entretanto, que não alteraria o modelo das subprefeituras implementado por Marta porque isso teria um "custo político"."Não vou lotear [os cargos das subprefeituras]. Vou manter e não porque acho correto. Isso teria um custo político muito grande. E dá para levar uma relação com a Câmara sem práticas fisiológicas", disse. FHC Em defesa do ex-presidente FHC, Serra disse que a administração federal anterior estabilizou a economia e "acertou mais que errou". "A obra de FHC não foi promover crescimento, mas sim estabilizar a economia e preparar as bases para um novo ciclo. FHC acertou mais do que errou e criou condições para ciclo econômico sustentável", disse."Desemprego não é um problema do FHC. É um problema do começo dos anos 80. Estamos enfrentando um ciclo de 25 anos de semi-estagnação. Estamos longe de afirmar que estamos num ciclo sustentável." Ele também negou que o Brasil viveu uma de suas piores crises de emprego na era FHC. "Tivemos regiões que viveram o contrário. Esse é o caso em Mato Grosso. O ônus do desemprego caiu mais do que proporcionalmente em São Paulo." Machismo Serra negou que tenha usado de forma ofensiva o termo "dona Marta" ao se referir à prefeita de São Paulo. O termo gerou um duelo verbal entre ele e Marta, que o classificou de "machista". "Eu não desqualifiquei. A Ruth [Cardoso, ex-primeira-dama] nunca se sentiu ofendida de ser chamada de dona Ruth. Eles [PT] estão loucos para achar coisas desse tipo para dizer: olha lá o machismo." Segundo ele, foi o PT que introduziu a figura do marido na campanha."Não considero importante a questão conjugal [na disputa eleitoral]. Não há padrão sobre se separou ou não para ser bom prefeito. Quem quer que faça parte da campanha são eles [PT], que levaram o caso [do marido] para a TV", disse. No primeiro programa da propaganda eleitoral da TV, Marta usou o espaço para explicar sua separação conjugal com o senador Eduardo Suplicy (PT-SP). 2º turno O candidato evitou comentar eventuais alianças para o segundo turno das eleições. "Não temos nenhum tipo de entendimento até chegar ao segundo turno. Só vou tratar desse assunto quando chegar lá. Por mais que se desenhe [o quadro entre ele e Marta na disputa], cada problema no seu momento devido." O tucano assinou uma declaração --apresentada pelo colunista da Folha Gilberto Dimenstein e que será registrada em cartório-- de que cumprirá, caso eleito, os quatro anos do mandato de prefeito e não deixará o cargo para concorrer a governador do Estado ou à Presidência da República em 2006.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Seminário online gratuito debate acessibilidade e inclusão digital
DIREITOS HUMANOS
Seminário online gratuito debate acessibilidade e inclusão digital
Dourados confirma mais de 200 novos casos de coronavírus e dois óbitos
PANDEMIA
Dourados confirma mais de 200 novos casos de coronavírus e dois óbitos
Senado vai analisar projeto com novas regras para o licenciamento ambiental
POLÍTICA
Senado vai analisar projeto com novas regras para o licenciamento ambiental
Bandidos invadem fazendas no interior do Estado
REGIÃO
Bandidos invadem fazendas no interior do Estado
INTERNACIONAL
Israel destrói prédio em Gaza que abrigava escritórios de imprensa
ANAURILÂNDIA
Em MS, homem é autuado em R$ 65 mil por degradar área de córrego
TECNOLOGIA
Começa a valer hoje nova política de privacidade do WhatsApp
REGIÃO
Foragido por aplicar golpe de R$ 30 mil em SP é detido no MS
ECONOMIA
Petrobras bate recorde de vendas de diesel S-10
BRASIL
Governo proíbe entrada de estrangeiros em voos provenientes da Índia

Mais Lidas

CORONAVÍRUS
Murilo Zauith passa por reabilitação e segue internado em SP
TRÁFICO DE DROGAS
Chefe do 'Comando Vermelho' e foragido há seis meses é preso em Dourados
DOURADOS
Criança encontrada morta apresentou problemas estomacais uma semana antes
CACHOEIRINHA
Polícia fecha ponto de distribuição de drogas e prende abastecedor