Menu
Busca sábado, 08 de maio de 2021
(67) 99257-3397

Sarney fala em "investigação ampla" e defende CPI do Banestado

20 setembro 2004 - 19h11

Após cobrar uma "investigação profunda" e ágil sobre o vazamento de informações da CPI do Banestado, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), amenizou o tom nesta segunda-feira. Sarney argumentou que o corregedor-geral do Senado, Romeu Tuma (PL-SP), tem informações que os doxumentos sigilosos foram entregues a autoridades de outros Poderes do país o que, segundo ele, "abre bem o leque para uma investigação mais ampla". "O senador Tuma tem informações precisas de que os documentos não foram entregues somente ao Congresso, mas também a algumas autoridades de outros Poderes", disse. Na última sexta-feira, Sarney havia dito que, se confirmado o vazamento de informações sigilosas pela comissão, será "um dos fatos mais graves ocorridos ultimamente no Parlamento brasileiro". Na ocasião, endureceu o discurso e falou em punição para os envolvidos. Sarney disse ainda que não há quórum no momento para que se tome as providências necessárias, e com isto as investigações serão adiadas para outubro. Ele falou em um esforço concentrado de Câmara e Senado para apurar o vazamento de informações. Denúncia O presidente do Senado descartou nesta segunda a possibilidade de criação da uma CPI para investigar as denúncias de suposta negociação entre PT e PTB de troca financeira por apoio nas eleições. De acordo com a revista "Veja", PT e PTB fecharam um acordo em que o PT os petistas dariam cerca de R$ 10 milhões para os deputados federais do PTB ajudarem candidatos a prefeitos e vereadores em seus redutos eleitorais e para a cúpula do partido aplicar nas campanhas que julgasse estratégicas. O dinheiro, porém, não teria sido liberado, apesar do apoio do PTB aos candidatos do PT em São Paulo e no Rio, contrapartida para a liberação dos recursos. Ainda de acordo com a revista, o ministro José Dirceu (Casa Civil) participou da negociação. "A reportagem é meramente especulativa. Não tem nenhum fato e não entra na minha cabeça que possa ocorrer uma coisa desta natureza", afirmou. Ele disse considerar impróprio o fato de as denúncias, principalmente as que envolvem o ministro da Casa Civil, José Dirceu, serem divulgadas em período eleitoral. "De certo modo as notícias estavam sendo muito rigorosas, e até mesmo impróprias, em relação ao ministro José Dirceu. Eu acho que ele está sendo vítima de notícias impróprias", disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Comissão debate representatividade política das pessoas com deficiência
DIREITOS HUMANOS
Comissão debate representatividade política das pessoas com deficiência
Pauta do Plenário tem três MPs, Loteria da Saúde e proibição de reajuste de medicamentos
POLÍTICA
Pauta do Plenário tem três MPs, Loteria da Saúde e proibição de reajuste de medicamentos
Pesquisa mostra aprofundamento de desigualdades na infância
SAÚDE
Pesquisa mostra aprofundamento de desigualdades na infância
GERAL
Explosão de gás destrói restaurante em Belém
Ministério da Saúde anuncia distribuição de doses para próxima segunda
ASTRAZENECA
Ministério da Saúde anuncia distribuição de doses para próxima segunda
POLÍTICA
Secretaria da Mulher debate situação das domésticas na pandemia
DOURADOS
Polícia apreende drogas que seriam entregues à detento da PED
GERAL
Estágio de 20 toneladas de foguete chinês cairá na Terra até amanhã
POLÍCIA
PM prende pai e filho em Cassilândia
OPERAÇÃO PROLEPSE
Após denúncias de vizinhos, homem é autuado por incêndio em terreno

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher presa com armas, drogas e veículos mantinha relacionamento com interno da PED
JÓQUEI CLUBE
Jovem é presa em Dourados com armamento de uso restrito, drogas e veículo clonado
DOURADOS
Carga de tijolos cai de caminhão em rotatória na Coronel Ponciano; veja vídeo
BR-163
Colisão entre viatura e carreta termina com policial ferido