Menu
Busca quarta, 21 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
CAMPO GRANDE

Salão terá que indenizar cliente que sofreu queimadura no couro cabeludo

24 setembro 2020 - 17h20Por Da redação

Cliente que sofreu queimaduras de segundo grau no couro cabeludo terá que ser indenizada pelo salão que realizava um procedimento capilar e gerou o fato. A decisão foi proferida pela 12ª Vara Cível de Campo Grande. 

O salão terá que pagar R$ 5 mil de indenização por danos morais à mulher. 

Conforme relatou a cliente em ação contra o estabelecimento, ela fazia uma escova progressiva, no dia 23 de dezembro de 2013,  quando sentiu forte queimação em seu couro cabeludo e o procedimento foi interrompido. 

O funcionário do salão lhe disse que o fato se deu por ela ter sofrido reação alérgica, o que lhe causou queimadura de segundo grau. 

Ela disse que anos após do procedimento ainda sofre dores de cabeça, principalmente quando utiliza secador de cabelo ou toma banho na água quente. 

Na ação, ela pedia danos de ordem moral, com pagamento de R$ 20 mil de indenização.

Em sua defesa, o salão afirma que fez teste da mecha antes de realizar o procedimento, sem intercorrências. Argumenta ainda que a mãe da autora realizou o mesmo procedimento no mesmo dia, sem qualquer problema, de modo que não tem responsabilidade pelo ocorrido. 

O juiz Alessandro Carlo Meliso Rodrigues observou que, nas informações prestadas pela autoridade policial que acompanhou o caso criminalmente, consta laudo de exame de corpo de delito apontando a existência de uma pequena queimadura de segundo grau no couro cabeludo da parte requerente, a qual não resultou em qualquer incapacidade, risco à vida, enfermidade incurável, debilidade permanente, deformidade ou comprometimento de sentido ou função.

O magistrado definiu que “é possível perceber que a parte requerente sofreu sim uma queimadura, a qual caracteriza violação de sua integridade física, mas sem consequências sérias/graves que legitimem uma indenização de R$ 20 mil”. Todavia, reforçou a responsabilidade objetiva do fornecedor de serviços, o qual responde pelos defeitos na prestação de serviços, independentemente da existência de culpa.

Na sentença, o juiz concluiu que “o dano moral ficou configurado, posto que a integridade corporal da parte requerente foi atingida (ainda que não em proporção significativa), razão pela qual a pretensão reparatória é pertinente”.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Morre médico voluntário de testes da vacina de Oxford no Brasil
BRASIL
Dólar cai e fecha a R$ 5,60 com esperança de estímulo fiscal nos EUA
POLÍCIA
Carona de motociclista que morreu em acidente é transferida para o Hospital Universitário
FEMINICÍDIO
Agredida a tijoladas, mulher morre em Dourados após nove dias de internação
NOVA ALVORADA DO SUL
Gerente de fazenda leva multa de R$ 5 mil por construção ilegal de ponte
PANDEMIA
MS registra nova queda na taxa de contágio e na média móvel de casos confirmados
REGIÃO
Jovem com problemas psiquiátricos é preso por agredir a própria mãe
BRASIL
Anvisa diz que análise de vacinas contra covid-19 será técnica
ELEIÇÕES 2020
Mais de 350 impugnações de registro de candidaturas foram pedidas pelo MPE em MS
SAÚDE PÚBLICA
Jovens lideram casos notificados de dengue e no interior de MS situação é mais crítica

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente entre carreta e motocicleta mata mulher na BR-163
HOMICÍDIO EM 2013
Condenada pela morte do ex em Dourados é presa na Capital
DOURADOS
Motorista bêbado causa acidente em semáforo da Avenida Marcelino Pires
CONTRABANDO
Depósito de cigarros paraguaios é desarticulado após denúncia em Dourados