Menu
Busca domingo, 13 de junho de 2021
(67) 99257-3397

Saiba como o gás boliviano afeta sua vida

04 maio 2006 - 16h40

Em meio à crise gerada pelo anúncio da nacionalização do gás na Bolívia, há muita confusão sobre o efeito disso para o consumidor. Até aumento das vendas de botijão de gás para guardar estoque em casa foi visto no país.O gás natural, que é importado da Bolívia, no entanto, não tem relação alguma com o de botijão (GLP), que é feito a partir do petróleo nas refinarias. Nas residências, o gás boliviano só é utilizado nas cidades onde há rede de distribuição do gás natural canalizado nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul.Outra utilização que afeta diretamente a vida dos brasileiros é a dos automóveis. O gás boliviano é vendido nos postos de GNV (gás natural veicular). Com isso, apesar de a Petrobras garantir que não haverá falta ou aumento de preços, há muita preocupação entre os consumidores, principalmente taxistas, que investiram na adaptação dos veículos.Entretanto, especialistas dizem que o GNV continua sendo uma boa alternativa apesar de ter sofrido reajustes desde o ano passado. Segundo o engenheiro mecânico, Ricardo Bock, na cidade, um carro com motor 1.8 roda, em média, oito quilômetros com um litro de gasolina, seis quilômetros um litro de álcool e, com o gás, o rendimento do carro é de dez quilômetros por metro cúbico.Por isso, diz o engenheiro e professor, que mesmo que o gás tenha um aumento de 50% ainda será vantajoso, desde que o motorista rode bastante. “Vai continuar valendo a pena, principalmente para quem roda muito. Quanto mais se roda, mais sensível é essa diferença” afirma.Para quem roda 200 quilômetros por dia paga a conversão, que custa R$ 3 mil em média, em apenas três meses, mas quanto menor a quilometragem rodada, maior o prazo para recuperar o investimento.Além das residências e do GNV, algumas indústrias e usinas termelétricas também utilizam o combustível.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL: Mortes por covid-19 somam 487,4 mil e casos chegam a 17,4 milhões
PANDEMIA
BRASIL: Mortes por covid-19 somam 487,4 mil e casos chegam a 17,4 milhões
Athletico Paranaense ganha do Grêmio em Porto Alegre e segue 100%
ESPORTE
Athletico Paranaense ganha do Grêmio em Porto Alegre e segue 100%
G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022
INTERNACIONAL
G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022
Com 52% dos votos, Vanda Camilo é eleita prefeita de Sidrolândia
ELEIÇÃO SUPLEMENTAR
Com 52% dos votos, Vanda Camilo é eleita prefeita de Sidrolândia
Judô: Brasil bate Rússia e fatura o bronze por equipes no Mundial
ESPORTE
Judô: Brasil bate Rússia e fatura o bronze por equipes no Mundial
ESPORTE
Brasil fecha o Pan de ginástica de trampolim com mais dois ouros
LEITOS UTI COVID
Covid-19: Dourados transfere mais 2 pacientes para SP
CAMPO GRANDE
Pelo segundo ano consecutivo, bolo de 'santo casamenteiro' é vendido em pote e por drive-thru
COVID-19
Fila por leitos de UTI Covid volta a crescer em Dourados
PESQUISA
Primeira infância: família de classe D sofre mais impacto na pandemia

Mais Lidas

FLEXIBILIZAÇÃO
Decreto que libera atividades comerciais a partir de domingo é publicado
EMOCIONATE
VIDEO: Recuperada da Covid-19, douradense é recebida pela mãe em Rondônia
LOCKDOWN
Decreto flexibiliza atendimento via delivery no Dia dos Namorados em Dourados
LOCKDOWN
Fiscalização encontra funcionários dentro de filial das Casas Bahia em Dourados